​Ao final de 2018, o ​São Paulo tinha duas missões: reformular o elenco e se preparar, logo de cara, para uma pré-Libertadores. Pois agora, ao término de 2019, a situação é diferente. O clube considera ter um grupo de qualidade e, além disso, não é preciso ir ao mercado de forma desesperada, uma vez que está classificado diretamente à fase de grupos do torneio continental, iniciando sua participação somente no mês de março. Por isso, a atuação do clube na busca por contratações também é distinta.

+ São Paulo deve ganhar dois 'reforços' a pedido de Diniz

+ Segundo dirigente do São Paulo, atacante assinou pré-contrato com o Corinthians

+ São Paulo pode acertar contratação de reforço vindo da Europa

O Tricolor, se nada surpreendente acontecer daqui em diante, atingiu o objetivo inicial que era manter o grupo. Renovou em definitivo com o goleiro Tiago Volpi e o lateral-direito Igor Vinicius e ainda acertou a permanência do atacante Vitor Bueno. Tendo que reduzir o déficit de R$ 180 milhões acumulado ao longo do ano, dar o chamado passo maior que as pernas está proibido. Assim, o que o técnico Fernando Diniz deseja, para completar o plantel, é o investimento em nomes prontos, que desembarquem no Morumbi em condições de atuar.

Em resumo: na visão do comandante, o grupo tem bastante qualidade e precisa de apenas algumas peças complementares. Mas estas não podem chegar ainda necessitando de alguma adaptação. O que se quer é ter todo mundo à disposição para ir bem no Campeonato Paulista e se preparar de uma forma adequada para a Libertadores. Também não se descarta, em meio a este processo, dar mais chances a atletas oriundos das categorias de base.

Fonte: 90min

Já segue o São Paulo no Instagram? Faça parte da nossa torcida!