(Foto: Reprodução da Internet)

O que é projeção e o que é realidade? Veja detalhes do acordo entre Timão e BMG

A parceria entre ​Corinthians e Banco BMG foi bastante celebrada. Afinal, depois quase dois anos, o clube mais popular de São Paulo voltou a ter um patrocinador master. No entanto, este acordo precisa ser bem explicado. Afinal, o que se projeta de rendimento ao Timão não é necessariamente o que foi anunciado. Tudo vai depender do “andar da carruagem”.

Inicialmente, o contrato foi assinado por cinco anos, mas existe a prerrogativa de se fazer uma análise da parceria após 24 meses, quando poderá haver inclusive o rompimento do vínculo caso os números não sejam satisfatórios. Se até abri de 2017, momento em que a Caixa Econômica Federal deixou de estampar a sua marca no principal espaço do uniforme do Alvinegro, o clube tinha direito a receber R$ 30 milhões por temporada, desta vez o valor fixo é bem menor: R$ 12 milhões. O Corinthians, no entanto, terá direito a 50% do lucro líquido do “Meu Corinthians BMG”, banco digital que será lançado entre o fim de fevereiro e o início de março.

QUER SABER MAIS SOBRE O CORINTHIANS? CLIQUE AQUI.

Segundo o vice-presidente de marketing do Timão, Luis Paulo Rosenberg, a quantia a ser embolsada pode chegar a até R$ 70 milhões, sendo que as projeções mais conservadoras colocam R$ 30 milhões como piso. Conforme o presidente Andrés Sanchez, haverá surpresas caso 200 mil contas forem abertas para se utilizar dos cerca de 25 produtos que serão oferecidos, como título de renda fixa, seguro etc. Para celebrar a parceria, o Banco BMG pagou R$ 30 milhões de forma antecipada. Este total é referente a dois anos de contrato de patrocínio, mais adiantamento de R$ 6 milhões por conta de possíveis receitas com o aplicativo que está por ser finalizado. Embora ninguém confirme, o ​Globoesporte.com tem a informação de que, caso o Meu Corinthians BMG não apresente estes R$ 6 milhões de lucro, o clube terá que devolver a diferença entre o que foi antecipado e o que, de fato, terá direito após dois anos. Ah, e se alguém tem a esperança de ver a instituição financeira comprar os naming rights da Arena de Itaquera, é melhor esquecer a possibilidade, já que ambas as partes negam esta possibilidade.

90min

RECEBA NOTÍCIAS DO CORINTHIANS DIRETO NO SEU MESSENGER. NÃO PERCA TEMPO! É DE GRAÇA!

Mais sobre - Corinthians