(Foto: Reprodução da Internet)

OUSADOS! Postura de Palmeiras e Flamengo é de deixar torcedores rivais com inveja

Pode ser apenas uma coincidência, mas logo em seguida às apresentações de Gabigol e De Arrascaeta com a camisa do ​Flamengo, o ​Palmeiras "contra-atacou" e conseguiu fechar com Ricardo Goulart, um sonho antigo da direção do clube. Pois, por mais que apostas em nomes deste calibre e que ganham muito possam parecer que tenham por base muito mais a paixão do que a razão, certamente causam uma grande inveja em torcedores dos rivais. E não poderia ser diferente.

Claro que ter um esquadrão à disposição não é garantia de título, mas os dirigentes de Palmeiras e Flamengo, no mínimo, merecem ser reconhecidos pela ousadia. Se há muito dinheiro por trás, isso é mérito, também, de quem conseguiu colocar tamanha quantia à disposição do departamento de futebol.

Outros times também conseguiram contratações interessantes (Pablo no São Paulo, Boselli no Corinthians, Montoya no Grêmio, Rafael Sobis no Inter), mas os clubes mais poderosos do País, no momento, deixaram claro que insistir na vontade de ter determinado nome, por vezes, pode ter um final feliz. Quantas vezes vemos clubes cogitarem determinados atletas, se assustarem com os valores e partirem em busca de soluções "menores"? Palmeiras e Flamengo não fazem isso. O time carioca, por exemplo, ficou mais de um mês em cima de Gabigol e, ao buscar Arrascaeta, não se intimidou diante de declarações vindas do Cruzeiro até em tom provocativo. Os paulistas, que já queriam Goulart no ano passado, jamais tiraram o olho do meia-atacante.

E essas movimentações deixam um recado aos demais gigantes do futebol brasileiro: de nada adianta ter um espectro gigantesco de jogadores no chamado banco de dados se as convicções caem por terra no primeiro contato. Ser criativo é importante para buscar soluções. Mas é preciso, também, se movimentar de forma adequada nas negociações. Flamengo e Palmeiras, sim, dão exemplo neste sentido.​

90min



Últimas