Com igualdade, respeito e ideia sólida, Inter se firma no Brasileirão

(Foto: Ricardo Duarte / Inter, DVG)



Dos últimos 12 jogos, o Inter perdeu apenas um e chegou a ficar dez partidas sem conhecer derrota. Mudou uma realidade que apontava um Brasileiro difícil após o vice-campeonato da Série B e hoje é um dos postulantes às primeiras posições. E isso tem a ver com uma série de pilares que constroem um novo momento do time.

"Vamos encontrar dificuldades, derrotas, mas temos de ter consciência e entregar tudo no campo. Vamos corrigir o que erramos e retomar o mais rápido. Assim se faz uma campanha com regularidade, se conquista título, vaga, situações melhores. Não dá para perder tempo, deseguilibrar, achar que tudo está errado. Aqui ninguém está dizendo que somos melhores que ninguém. Mas temos um caminho e para continuar nele temos que entregar no mínimo o que estamos entregando", disse o técnico Odair Hellmann.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





LEIA MAIS
- Guerrero não é chamado pela seleção do Peru e poderá encarar o Flamengo pelo Brasileirão
- Inter faz treino fechado e Guerrero fica no vestiário
- Efeito Guerrero gera lucros imediatos e contribui para provável público recorde no Beira-Rio
- Chegada de Guerrero cria alerta entre atacantes em fim de contrato no Inter


Igualdade no tratamento, respeito entre os colegas

QUER SABER MAIS SOBRE O INTERNACIONAL? CLIQUE AQUI.

É consenso nos bastidores do Internacional que o ambiente de trabalho é positivo. E isso não quer dizer que os atletas formam 'uma família', mas sim que cada um sabe suas responsabilidades e exerce seu trabalho da forma mais profissional possível. E isso se construiu reflexo da maneira que o técnico Odair Hellmann trata a todos. A igualdade entre os mais jovens e mais experientes, renomados e que estão surgindo, altos e baixos salários, promove disputas saudáveis.

"Eu dou ao D'Alessandro a mesma importância que dou a qualquer jogador do elenco. Todos têm contribuído para o crescimento do time", disse o treinador.

VEJA A CLASSIFICAÇÃO ATUALIZADA DO CAMPEONATO BRASILEIRO

A partir da igualdade na disputa de vagas, a competitividade faz o rendimento necessariamente se manter alto. D'Ale, por exemplo, é o expoente técnico e ídolo do time, mas reserva pelo seu rendimento. E entende que precisa entrar em momentos específicos para dar o melhor. O mesmo vale para jovens que despontam como Juan Alano, ou contratados como Lucca e Rossi.

Ideia sólida, defesa encaixada

E a ideia coletiva do time está bem firmada. Independente de alternar formações, 4-1-4-1, 4-4-2, 4-2-3-1, 4-3-3, o Internacional mantém o modelo de jogo. Os encaixes de marcação, o processo de criação ofensiva, tudo está latente na cabeça dos atletas, e é facilmente percebido em campo.

Não foi simples encontrar o molde ideal. Mas depois de testar bastante, Odair conseguiu passar aos altetas através dos treinamentos o que pretende de conduta nos mais variados momentos do jogo. "São 16 rodadas e nossas ideias estão bem firmes. Nossos jogadores entenderam o que queremos e vemos isso em todos os momentos dos jogos", completou o técnico.

Pode parecer simples, mas conseguir que o elenco inteiro, titulares ou reservas, entendam a ideia de jogo é um ponto fundamental no crescimento de qualquer time. Com o Inter não foi diferente. E isso criou a principal característica da equipe: uma defesa sólida. Foram apenas 12 gols sofridos, o terceiro menos vazado do torneio.

Segurança diretiva e elenco vasto

Mas qualquer conduta técnica ou de relações interpessoais no elenco de jogadores não poderia acontecer se o comando do clube não tivesse convicção. Com início ruim de Brasileiro, a pressão interna foi muito forte pela demissão de Odair Hellmann. A torcida estava impaciente e cobrava o rotina de alternância no comando técnico que acompanha o Inter nos últimos anos.

Mas ao contrário do desfecho óbvio, a atual direção do clube manteve o ex-auxiliar sob alegação de estar convencida do melhor trabalho possível. A partir disso, passou a dar novas opções de jogadores, completar as lacunas ainda existentes no grupo. Hoje o Inter se vê disputando o topo da tabela com tranquilidade nos campos e gabinetes, o elenco tem alternativas para praticamente todas as posições do campo e até mesmo os últimos anos das categorias de base receberam reforços imaginando as próximas temporadas. São 37 jogadores no grupo, contando atletas que 'descem' para base para disputar jogos e retornam ao principal para ser alternativas em treinos e partidas eventuais.

O próximo desafio do Inter será na segunda-feira diante do Atlético-MG em Belo Horizonte.

Conteúdo publicado originalmente no site UOL Esporte

RECEBA NOTÍCIAS DO INTERNACIONAL DIRETO NO SEU MESSENGER. NÃO PERCA TEMPO! É DE GRAÇA!