Albino Pinto, ex-médico, vai processar Vasco por atraso e Campello por danos morais

(Foto: Reprodução)

Médico do Vasco durante os últimos 13 anos, o Dr. Albino Pinto foi demitido no dia 31 de janeiro de 2018, já na nova gestão do presidente Alexandre Campello. No dia 15 de maio, uma reunião no Conselho Deliberativo do Vasco discutia a abertura de inquérito para um possível processo de impeachment contra o mandatário vascaíno. Uma das denúncias tinha a ver com o departamento médico do clube,​ exposta nesta matéria publicada pelo Esporte Interativo. No mesmo dia, Albino estava presente no encontro e, para explicar as contratações e demissões dos profissionais da medicina no clube, Campello teria duvidado da competência do Dr. Pinto.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





Após se reunir com seu advogado, o Dr. Alberto Pinto revelou ao Esporte Interativo que vai processar o presidente do Vasco por danos morais e também vai entrar com uma ação no Conselho Regional de Medicina pela falta de ética do ex-companheiro.

QUER SABER MAIS SOBRE O VASCO? CLIQUE AQUI.

​"Eu estava na reunião do Conselho (Deliberativo), quando estavam tentando a questão do impeachment, foi quando ele falou isso (de que Albino não tinha nível médico para trabalhar no Vasco). Então, eu soube que até outros doutores ficaram chateados, porque foi uma falta ética muito grande. Não é a postura de um presidente falar isso, não é? Uma postura para tentar justificar a contratação dos sócios, dos amigos. Então eu fiquei muito chateado, ele falar um negócio desse ofendeu e minha imagem ficou suja perante 200 conselheiros. Até tinha uma amizade com ele, não sei porquê ele fez isso. Foi muita falta de ética", disse o Dr. Alberto Pinto, complementando.



"Eu vou dar entrada. (processando o Campello por danos morais). Vou dar entrada também no Conselho Regional de Medicina (CRM). Já conversei com meu advogado. Só estou esperando a ata da última reunião (do Conselho Deliberativo) que eles liberam porque deve ter outra dia 10 de julho".

VEJA A CLASSIFICAÇÃO ATUALIZADA DO CAMPEONATO BRASILEIRO

Uma das polêmicas nas demissões e contratações feitas pelo departamento médico do Vasco foi justamente no ​custo dos três profissionais que entraram no clube (Carlos Fontes, Marcos Teixeira e Rodrigo Furtado), sócios de Campello em uma empresa fora do Vasco, e nos valores que ganhavam os médicos antigos, como o Dr. Albino Pinto.



Além disso, Albino explicou também a questão das cirurgias que eram feitas em São Paulo, em sua grande maioria pelo doutor Rene Abdalla, como os casos de Breno, Luis Fabiano, Kelvin e Marcelo Mattos.

"Sabe quanto eu ganhava? E eu era o chefe, hein? Líquido, eu ganha R$ 8 mil. E vou te falar outra coisa: as cirurgias, quem fazia a maioria era o doutor (Rafael) Blum. A gente ganhava R$ 1000 só pra constar. Teve cirurgia que eu nem cobrei. Lembra do ônibus que virou, o Caio, garoto que machucou a mão? A gente nem cobrou. A gente operava também. A gente só não operou alguns jogadores e eu vou te explicar o porquê: o Kelvin é jogador do Porto. O médico do Porto ligou para cá e falou: olha, eu quero que o doutor Rene Abdalla, que é meu amigo, opere. Então tudo bem, fizemos a vontade deles. O Luis Fabiano e o Breno são amigos antigos do Rene Abdalla, desde o São Paulo. O Luis, inclusive, conversou comigo. Então, foi tudo numa boa. Foi um critério deles. O Marcelo Mattos, operamos uma vez e não deu certo. Ele já operou com os dois maiores cirurgiões do Brasil: Dr. Moisés Cohen e o próprio Rene Abdalla. Então você vê que não tivemos culpa, né? Operamos o Jordi: está jogando. O Caio Monteiro: está operando. Em compensação, tiveram duas cirurgias (Paulinho e Rildo) e nenhum deles fizeram".



VASCO DEVENDO

Apesar de Campello ter demitido o Dr. Albino Pinto, o Dr. Rafael Blum e outros funcionários, segundo Albino, o Vasco não pagou ninguém. Ainda de acordo com o médico, o clube manda os demitidos entrarem no sindicato e a dívida fica para a gestão seguinte pelo tempo que demora o processo. Apesar de se sentir "mal" por colocar o clube na justiça, Albino explicou o que que acontece e lamentou a situação dos 'mais humildes'.

"Não me pagaram ainda. Nem a mim e nem aos outros. O Vasco não paga ninguém. Eles mandam você andar no sindicato, entendeu? Aí você entra e você pode receber por ali. Mas aí demora um ano, dois anos, e a outra gestão que vai pagar, né? O mais interessante seria o Vasco pagar porque sairia muito mais em conta. Paga o 13º, janeiro, o fundo de garantia e pronto. Eu nem entraria em justiça contra o meu clube. Eu me sinto mal. Mas eles já me deram o telefone do sindicato para entrar na justiça. Pronto. É isso. Eu saí em fevereiro. Eles pagaram fevereiro, mas não pagaram o mês anterior. Mas é óbvio que pagariam porque já tinha a maior parte das pessoas que ele (Campello) colocou lá dentro. Agora, imagina as pessoas mais humildes que foram demitidas? Ficaram dois, três meses sem receber. Vão entrar na justiça e vão receber quando? Um porteiro, um servente, não receberam 13º, férias, e foram demitidos".

Conteúdo publicado originalmente no site Esporte Interativo

RECEBA NOTÍCIAS DO VASCO DIRETO NO SEU MESSENGER. NÃO PERCA TEMPO! É DE GRAÇA!