Kieza se diz motivado com concorrência e cita cobrança do pai 'muito chato'

Após quebrar um considerável jejum contra o Fluminense, na última segunda-feira, Kieza concedeu entrevista coletiva nesta quarta, dia da reapresentação do Botafogo, que venceu o Clássico Vovô por 2 a 1 - Rodrigo Lindoso foi o outro responsável por marcar contra o Tricolor.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





Na conversa com jornalistas, na sala de imprensa do Nilton Santos, Kieza externou tranquilidade em relação ao período em que ficou quase três meses sem fazer gols, além de frisar que a concorrência acirrada por Aguirre é "sadia".

- Sabemos que atacante vive de momentos. Estou acostumado com isso e procuro fazer o meu trabalho para estar bem tranquilo quando as oportunidades chegarem. O Aguirre chegou, é um grande jogador e irá nos ajudar bastante. Pôde estrear e sentir um pouco do nosso jogo.



- Sempre temos que ter concorrência no trabalho, pois é melhor pra não deixar peteca cair. Sempre é bom, sadio, um respeitando o outro - completou o atleta de 31 anos.

Por fim, Kieza deu uma leve risada quando teve que explicar as cobranças do pai, Carlos, que é torcedor fanático do Glorioso. E não faltou cornetas.



- Como eu já tinha falado, meu pai é muito chato, me enche muito o saco. Ele falou muito na minha cabeça, falou que eu não posso dar um passe para o lado quando estou na cara do gol, como aconteceu (contra o Audax Italiano, pela Sul-Americana). Estou acostumado... Com ele sendo botafoguense como ele é, tenho que estar - finalizou Kieza, que atuou aberto pelo esquerda contra o Fluminense, com a ausência de Valencia, e se disse confortável no setor.

Até aqui, Kieza soma quatro gols em 16 partidas pelo Alvinegro, sendo titular em seis oportunidades. Estava sem ir à rede desde o dia 25 de fevereiro. Agora, se prepara para encarar o América-MG, domingo, fora de casa, pelo Brasileiro.



Conteúdo publicado originalmente no site Lance!

Notícias pelo Messenger

Mais sobre - Botafogo