Publicada em 16/04/2018, às 20:23

Alexandre Gallo vai à CBF e reclama de arbitragem do jogo contra o Vasco

(Foto: Bruno Cantini / Atlético-MG)

Notícias pelo Messenger

Inconformado com erros de arbitragem no jogo contra o Vasco pela primeira rodada do Brasileirão, neste domingo, o diretor de futebol do Atlético-MG, Alexandre Gallo foi à CBF (Confederação Brasileira de Futebol). O dirigente protestou as marcações do árbitro André Luiz de Freitas Castro na partida disputada, no início desta segunda-feira.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





Um dos lances foi de Evander, o jogador vascaíno entrou com força excessiva em Luan, em que acertou a coxa do meia-atacante atleticano. O lance foi perto do assistente Cristhian Passos Sorence, que não auxiliou André Luiz de Freitas Castro.

- Vim protocolar nossa indignação. Respeitamos muito o Coronel Marinho, o Sérgio Corrêa, que são pessoas que ajudam o futebol. Nossa missão é colaborar e fazer com que a arbitragem tenha um crescimento. Mas não podemos aceitar o que aconteceu ontem, que são lances que as pessoas dizem que são capitais, mas que nos incomodaram muito. Por exemplo, a expulsão que não aconteceu do jogador do Vasco, num carrinho no Luan. Para a gente, nos deixaria numa condição boa no primeiro tempo para vencer a partida. A gente não entende esse tipo de critério, pois é um lance tão claro, perto do árbitro e a três metros do bandeira. O atleta do Vasco entrou por cima da bola de uma forma desleal. Ele entrou para machucar nosso atleta, que está todo marcado. Esse critério tem de ser revisto e nos incomodou. Tenho que protocolar nosso desconforto - disse o diretor Alexandre Gallo, em entrevista à Rádio Itatiaia.



O gol da virada do Vasco, aos 53 minutos da etapa final, também foi questionado, pois o pênalti marcado a favor dos visitantes foi muito duvidoso. Porém, a condução do jogo foi o ponto mais atacado pela diretoria do Atlético-MG.

- Não temos dúvida (do pênalti). Porém é um lance que pode até gerar uma situação de dúvida. Mas a condução do jogo não foi como pensávamos. No segundo tempo, já com o 1 a 1, houve uma falta lateral escandalosa no Victor, nosso goleiro, e a falta de diálogo com nossos atletas. Esse diálogo tem que ser curto, mas nesse lance específico incomodou a todos nós, ao nosso capitão, que é o Victor - concluiu Gallo.



Conteúdo publicado originalmente no site Lance!

Mais sobre - Atlético-MG