Publicada em 08/02/2018, às 15:47

Repórter nega ofensa a Oswaldo e garante: 'Jamais usei palavras de baixo calão contra técnicos do Galo'

Léo Gomide, repórter da Rádio Inconfidência, rebate acusações do técnico do Atlético-MG dá sua versão sobre os fatos ocoriddos no incidente após a partida no Acre

'Alguém disse a ele que foi xingado', diz Léo Gomide (Foto: Reprodução/Sportv)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Atlético direto no seu Messenger.

O jornalista da Rádio Inconfidência, Léo Gomide, se manifestou pela primeira vez após o incidente ocorrido com o técnico Oswaldo de Oliveira, ao fim do empate em 1 a 1 do Atlético-MG com o Atlético-AC, pela Copa do Brasil. Em entrevista ao Seleção Sportv na tarde desta quinta-feira, Gomide negou veementemente que tenha ofendido o treinador do Galo, e lamentou as frequentes interrupções às suas perguntas:

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





- Tentei, por mais de uma vez, fazer uma questão ao técnico Oswaldo de Oliveira, mas fui interrompido. Tentei de outras maneiras, mas continuei sendo interrompido.Até de maneira ríspida, que poderia ter ido para o lado do confronto e não fui.Quando eu percebi que não haveria mais possibilidade de terminar o raciocínio, já que a todo momento ele e dizia que eu estava fazendo uma análise e não uma pergunta.

O repórter ainda disse que a reação intempestiva de Oswaldo começou após o técnico "ser alertado" que foi xingado:

- Quando eu vi que não tinha mais alternativa, eu peguei meu celular. Meus companheiros prosseguiram com a coletiva e ele continuou se referindo a mim. E eu repetindo que estava fazendo meu trabalho. Então, alguém diz a ele que foi xingado. Na nota dada pela assessoria dele, diz que foi xingamento a nível de torcedor de arquibancada.

Segundo Léo Gomide, no momento em que o treinador se dirigiu a ele, estava de costas para a equipe que o entrevistava:

- Quando eu tirava meu celular do tripé, de costas pra ele, aconteceu o que foi visto nas imagens. Teria dito que teria sido alertado com relação à postura que eu tive com relação ao meu trabalho.

O repórter da Rádio Inconfidência negou ter sido agressivo com outros treinadores do Atlético-MG, conforme insinuou Oswaldo. Além disto, fez um desafio:

- Eu desafio vocês a conversarem com esses treinadores para ver se eu me dirigia a algum deles com palavras de baixo calão, ou com falta de educação. Confesso que posso ter feito perguntas ríspidas, mas jamais ofendi um técnico do Atlético.

Além disto, negou atritos com técnicos anteriores do Atlético-MG, como diz a nota oficial emitida por Oswaldo horas antes:

- Ele está interpretando o que aconteceu desta forma. Falei mais de três vezes: estou fazendo o meu trabalho! Nunca tive problemas com nenhum dos técnicos, desde 2011.

Questionado sobre a acusação de dizer um palavrão para o treinador, Léo Gomide foi sucinto:

- Não disse!

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!

Publicada em 09/02/2018, às 11:19

Cuca vira primeira opção do Atlético-MG para a vaga de Oswaldo de Oliveira

CLIQUE AQUI e receba notícias do Atlético direto no seu Messenger.

O Atlético-MG já está à procura do substituto de Oswaldo de Oliveira. A ideia do clube é buscar Cuca para a vaga do técnico que foi demitido na madrugada desta sexta-feira (9) na Cidade do Galo.



Campeão da Copa Libertadores da América de 2013 pela equipe de Belo Horizonte, o ex-comandante do Palmeiras já foi procurado por Alexandre Gallo, diretor de futebol, para retornar à cidade mineira.

A ideia é que o treinador feche contrato até dezembro deste ano na Cidade do Galo. Ele é o nome preferido da cúpula para a vaga. Um vínculo mais longo, no entanto, não está descartado.

Abel Braga, hoje no Fluminense, também é um nome que agrada ao presidente Sérgio Sette Câmara e ao diretor de futebol Alexandre Gallo.



A volta de Cuca ao Atlético pode acontecer quatro anos após sua saída. Depois de vencer a Libertadores pelo clube, ele renovou o contrato, mas acabou saindo devido à proposta do Shandong Luneng, da China, onde ficou até o fim de 2015.

O técnico voltou ao Brasil no início de 2016 e conduziu o Palmeiras ao título do Campeonato Brasileiro. Em 2017, ele voltou à Academia de Futebol, mas não obteve o mesmo sucesso e acabou demitido.

Conteúdo publicado originalmente no site UOL Esporte