Publicada em 08/02/2018, às 15:01

Jefferson se diz chateado com críticas de torcedores: "Praticamente nem dormi"

Goleiro foi criticado após divulgarem sua imagem sorrindo após eliminação para a Aparecidense, pela Copa do Brasil

(Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

A precoce eliminação da Copa do Brasil para a Aparecidense foi um golpe duro para o Botafogo, e nem Jefferson escapou da ira de parte da torcida. Uma imagem do goleiro sorrindo logo após o jogo ter acabado não agradou alguns torcedores, que chegaram a disparar ofensas contra o jogador. Apesar da experiência, o arqueiro alvinegro admitiu ter ficado chateado com o episódio.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





- O que mais doeu foi ver minha torcida duvidando do meu caráter. Como se chegasse em casa e visse sua esposa e filhos duvidando de você. Mas enfim, os verdadeiros torcedores não duvidam. Se fosse de outros torcedores eu entenderia, nem dormi praticamente - disse Jefferson, em entrevista coletiva nesta quinta-feira.

O goleiro também lamentou a forma com que o time foi recebido por alguns torcedores na chegada ao Rio de Janeiro.

- Nós jogadores sempre pregamos a paz, principalmente com a violência que vivemos no Rio. Vemos crianças sendo mortas a tiro, assassinatos, e nós sabemos a importância de levar paz. E ser recebido dessa forma foi muito triste, saímos como bandidos pelos fundos. Não foi pela maioria, os próprios torcedores estão repudiando quem foi lá. Isso é importante. Nós repudiamos o que aconteceu no aeroporto.

Confira outros tópicos da coletiva:

Pressão sobre Felipe Conceição
Sempre vai existir, mas as coisas mudam muito rápido. O Felipe sabe da pressão, é novo mas já passou por diversas coisas. Perdeu a final da Copa do Brasil Sub-17, já viveu isso. Jogadores também. Vamos esfriar a cabeça. Vi muito isso no futebol, de pressão, se não ganhar vai cair, enfim... Mas isso não cabe a nós, jogadores. Pensar em jogar só pelo Felipe seria egoísmo, todos estamos pressionados.

Vida curta de treinadores
Isso é cultura do Brasil. Vou ser sincero, infelizmente não vai mudar. Vejo treinador com um mês sendo mandando embora. Se não me engano o Guto no Inter faltando duas rodadas para subir mandaram embora. não tem nexo. Deixa acabar o campeonato... Como também treinador que está subindo, dá um tempo para depois de, sei lá, três, cinco meses, se o resultado não veio aí é outra coisa. Tem treinador que vai para um clube e nem leva a família, faz contrato mas não tem segurança.

Postura dos jogadores em relação a isso
A gente quer que o Felipe continue pela pessoa que é, o pouco tempo de trabalho, mas sabemos que a pressão está em cima dele. Vamos fazer do jogo contra o Flamengo a nossa vida, correndo por ele, mas pelo Pimpão, Gilson, torcedores, nossos familiares.

Pós-jogo
Ninguém dormiu, ninguém. Almoçamos 12h30, fomos dormir 7h, pensando no jogo, remoendo. Tem que doer, a verdade é essa. Antes do almoço nos reunimos, sabíamos que teria pressão, não poderia entrar dúvida no plantel. Todo mundo ficou mal, abrimos coisas internas ali da gente. O Felipe reuniu a gente e motivou para o jogo seguinte.

Recuperação
Só temos uma maneira agora, é vencer o Flamengo. Claro, respeitando o adversário. Não vamos vencer o Flamengo fácil, mas vamos suar sangue lá dentro para conseguir a classificação.

Houve reunião com a diretoria?
A diretoria que procurou os jogadores, eles estão preservando a integridade dos jogadores. Nos sentimos muito seguros, falaram que vão tomar as devidas providências nesse sentido

Rendimento do time
Precisa melhorar muito, isso é visível. Mas tivemos 10 dias de pré-temporada, com treinador novo, teve que passar toda filosofia em um mês, muitos jogadores ainda estão absorvendo. Para quem vê de fora não dá esse tempo, está muito corrido. É muita informação para pouco tempo. É gradativo, está praticamente atropelado, mas sabemos que é resultado. É jogo atrás de jogo, mas sabemos que temos que melhorar muito.

Rafael Marques como exemplo
É exemplo, um cara que foi humilhado aqui, vaiado, xingado, perseguido... E saiu como um dos melhores, com a torcida pedindo para ficar. Ele falou comigo, jogador funciona com confiança. A partir do momento que me deram, comecei a render. Torcedor tem que entender isso, quanto mais incentivar, o jogador vai render. Fica os 90 minutos ali, incentiva, incentiva... Perdeu o jogo? Aí é outra coisa, pode vaiar, fazer o que for. Mas sem violência.

Jefferson, sobre Top 5 do clube
Representa muito, mas não entrei nesse jogo pensando nisso. As coisas virão naturalmente. Quero chegar no final do ano com vitórias e título. Não adianta chegar com 500 jogos e o Botafogo na Série B. Eu troco tudo.

O Botafogo volta a campo já neste sábado, no clássico contra o Flamengo, pela semifinal da Taça Guanabara, às 16h30 (de Brasília), no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 22/02/2018, às 18:38

Vem aí o Botafogo 2018 - a segunda tentativa, agora com Valentim

Após oito treinamentos sob novo comando, Alvinegro vai tentar o sucesso que não teve nas primeiras semanas. Se muita ou pouca coisa mudou, poderá ser visto contra o Nova Iguaçu

O meio-campista João Paulo deve continuar como titular no Alvinegro de Valentim (Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

O Botafogo havia feito contratações, mudou dirigentes e treinador para a temporada 2018, mas chegou a conclusão de que não deu certo. Após pouco mais de um mês de trabalho, jogos e eliminações, Felipe Conceição deu vez a Alberto Valentim no comando da equipe. A primeira partida do novo treinador é nesta quinta-feira. A estreia do Alvinegro na Taça Rio, que será contra o Nova Iguaçu, no Giulite Coutinho.



Valentim herdou um time em crise na relação com a torcida, especialmente por conta da queda na Copa do Brasil, para a Aparecidense. Apresentado na semana passada, ele teve uma semana de trabalhos com os atletas, e acredita que a recuperação da confiança virá com o tempo.

- Falei que tive sorte de ter tido esse tempo todo, oito sessões de treino, para eles me conhecerem mais, e vice-versa. O lado psicológico, quanto mais formos nos entrosando, isso vai melhorar e tudo vai ocorrer mais naturalmente. O grupo gosta muito de trabalhar e fazer o que queremos. O nível de concentração é alto, e espero que isso se repita nos jogos - torce o treinador.

Se o técnico conhece os comandados, a torcida fica na expectativa de como o time vai se comportar em campo, na prática. Os jogadores não revelaram muito das novas instruções táticas, mas algo já é esperado.



- A gente vem se conhecendo ainda. Ainda não deu muito tempo de conhecê-lo bem. A gente reparou que ele quer o time mais compacto - analisou Kieza.

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!