Publicada em 07/02/2018, às 19:34

Depois de meia vida no São Paulo, Rodrigo Caio quer ser campeão: "A gente não merece isso"

Desde os 12 anos no Tricolor, zagueiro vê clube diferente dentro e fora de campo em 2018

Rodrigo Caio conversa com Lugano, agora dirigente do São Paulo (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Rodrigo Caio é o jogador do elenco atual do São Paulo que está há mais tempo no clube. Há 12 anos, o zagueiro, que hoje tem 24, começou nas categorias de base. Esta é a oitava temporada que ele inicia com o time principal.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





As constantes eliminações e brigas contra o rebaixamento têm incomodado Rodrigo Caio. Ele quer que 2018 seja diferente. Ou seja: quer ser campeão.

– A gente vem de anos lutando contra o rebaixamento, a gente não merece isso. Eu me sinto na obrigação de cobrar, de mostrar que os últimos anos foram vergonhosos para a instituição e para nós, jogadores. A gente precisa mudar esse cenário, e um título coloca todo mundo em evidência – afirma o jogador, relacionado para poucos jogos da última conquista tricolor, a Copa Sul-Americana de 2012.

– A gente não joga só por dinheiro. Joga pela glória, para ser lembrado, para deixar o nome marcado na história do clube. É triste demais (não ganhar títulos), ainda mais por eu ser torcedor do São Paulo. Meu grande objetivo é ganhar um título pelo clube.

Rodrigo Caio teve a oportunidade de deixar o São Paulo no último dia da janela de transferências para Europa. O zagueiro recebeu uma proposta da Real Sociedad, mas recusou. O time espanhol estava disposto a pagar a multa rescisória do contrato do jogador (18 mihões de euros).

Além de ser campeão pelo São Paulo, o zagueiro quis ficar por causa da Copa do Mundo. Ele acha que, jogando no Brasil, tem mais chance de estar no grupo de Tite que disputará a competição na Rússia, em junho – sob o comando de Rogério Micale, foi campeão olímpico com a Seleção em 2016.

Os desejos de sucesso contrastam com as últimas temporadas no São Paulo. Para Rodrigo Caio, o momentos mais crítico aconteceu no ano passado, quando o time ficou 14 rodadas dentro da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. E ele chegou a temer pelo pior...

– Eu achei que a gente cairia para a segunda divisão, porque fazia as coisas certas, jogava bem, mas não ganhava. O jogo que ficou mais marcado foi contra o Palmeiras (derrota por 4 a 2, na arena do rival, no segundo turno). Aquele foi o momento em que falei: "A gente não vai conseguir sair dessa. Não é possível". Deu uma abalada. Eu fiquei pensando por dias: "Cara, a gente vai cair!" – lembra.

Rodrigo Caio acredita que a explicação para tantas temporadas conturbadas tem a ver com um conjunto de coisas, que começa na gestão do clube e termina dentro do campo.

– Se você faz as coisas certas desde lá de cima, da diretoria, passando pela comissão técnica e pelos jogadores, tem boa possibilidade de ser campeão. Muitas vezes você não tem um elenco dos melhores, mas tem uma gestão bem feita, um grupo unido, consistente, uma comissão forte. Tudo isso pode fazer você brigar por títulos.

Neste ano, o São Paulo está apostando em ex-jogadores para, nos bastidores, ajudar a equipe comandada por Dorival Júnior a voltar a ser protagonista – Raí, Ricardo Rocha e Lugano integram o departamenteo de futebol. Assim, Rodrigo Caio acredita que o resultado pode ser diferente:

– Eles são protagonistas no clube, ídolos que fizeram história, Podem ajudar na gestão, passar experiência para os jogadores, ajudar nas contratações, ajudar a gerir o São Paulo, uma coisa que não fizemos bem nos últimos anos. Isso influenciou dentro de campo. O São Paulo sempre foi referência em gestão, e hoje não é mais. Precisa voltar a ser.

No jogo desta quarta-feira, contra o Bragantino, no Morumbi, pelo quinta rodada do Campeonato Paulista, Rodrigo Caio entrará em campo pela 260ª vez com a camisa tricolor. Nos cinco jogos em que o time titular esteve em campo em 2018 (quatro pelo Paulistão e um pela Copa do Brasil), o São Paulo só levou gols na derrota para o Corinthians. Este começo de ano dá esperança ao zagueiro:

– Vejo nossa equipe mais preparada, mais cascuda. Hoje o time é mais consistente. Chegaram jogadores com um peso maior. Um elenco precisa de jovens e também de jogadores que coloquem a camisa e joguem sem peso, chamando a responsabilidade. Acredito que estamos no caminho certo – completa.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 11:11

Dorival pode atingir marca que foi batida pela última vez por Muricy Ramalho no São Paulo

Caso vença o duelo da próxima quarta-feira, contra o CSA, pela Copa do brasil, técnico alcançará uma marca inatingível desde março de 2015

(Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net)

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Pela segunda vez, Dorival Jr está próximo de quebrar um longo jejum no comando do São Paulo desde que chegou ao Morumbi. Vindo de três vitórias consecutivas, o treinador, caso vença o duelo da próxima quarta-feira, contra o CSA, pela Copa do brasil, alcançará uma marca inatingível desde março de 2015, quando Muricy Ramalho ainda estava à frente do Tricolor.



Na época, o São Paulo acabou superando o São Bento, Ponte Preta, San Lorenzo, este pela Libertadores, e Marília, somando quatro vitórias consecutivas. Ainda assim, não conseguiu alçar voos altos na temporada e teve de se contentar com mais um ano sem qualquer título conquistado.

Em 2017, já sob o comando de Dorival Jr, o São Paulo esteve muito próximo de vencer quatro jogos de maneira consecutiva. Foi na reta final do Campeonato Brasileiro. Depois de superar Flamengo, Santos e Atlético-GO, bastava ao Tricolor levar a melhor sobre a Chapecoense, no Pacaembu, para acabar com o jejum, no entanto, o time catarinense conseguiu sair de campo com um empate em 2 a 2.

Vindo de triunfos sobre Madureira, Botafogo-SP e Bragantino, Dorival Jr, ainda assim, tenta se livrar de uma vez por todas da grande pressão que se instalou no clube neste início de temporada. Para isso, o comandante são-paulino trabalhará duro neste Carnaval para que sua equipe, enfim, chegue à quarta vitória consecutiva. Mais do que o jejum, o resultado é de extrema importância pelo fato de o próximo jogo da equipe ser válido pela segunda fase da Copa do Brasil, contra o CSA, de Alagoas.



Conteúdo publicado originalmente no site Fox Sports