Publicada em 07/02/2018, às 20:38

Após abstenção, Leco diz que São Paulo é favorável ao VAR, mas não agora

Presidente diz que árbitro de vídeo precisa de outros procedimentos e seria muito caro para clubes menores

Leco disse ser favorável ao VAR, mas não agora (Foto: Reprodução)

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Único clube a não ter votado sobre o uso do árbitro de vídeo para a Série A do Campeonato Brasileiro, o São Paulo se posicionou na noite desta quarta-feira, na chegada da delegação ao Morumbi, onde enfrentará o Bragantino, pela sexta rodada do Paulistão.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





O presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, que deixou a reunião da última segunda-feira na CBF antes do fim – por causa de um imprevisto, segundo a assessoria do clube –, disse que o São Paulo é favorável ao VAR, mas não da maneira como foi apresentado neste primeiro momento.

– O São Paulo é favorável, porém, da forma como foi apresentado, nesse momento não convém que seja aprovado. Ele precisa passar por outros procedimentos – disse Leco, que também ressaltou o alto custo do projeto.

– Isso seria implementado com custos expressivos, representaria um peso muito grande para clubes que não apenas os considerados grandes, mas todos que fazem parte do sistema. Também por esse aspecto, e coloco como posição do São Paulo, não é o momento adequado para aprovar.

O presidente concluiu dizendo que espera ver o árbitro de vídeo em ação futuramente.

– O São Paulo entende que isso representa um aprimoramento e uma qualificação na arbitragem, o que é importante para o futebol brasileiro.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 23/02/2018, às 13:59

Crônicas do Morumbi: Jardine, o ponto futuro de Dorival no São Paulo

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Dorival não caiu de fato, mas ele ainda comanda a equipe? Segue mantido único e exclusivamente pela posição de Raí, que acredita em uma evolução do trabalho. Leco queria a demissão, no entanto, perder o apoio de Raí pesou para recuar e proporcionar uma sobrevida a Dorival.



A manutenção do técnico pode ser analisada por dois ângulos opostos: uma seria pela honra, o apoio de Raí; outra, pela situação humilhante, com a permanência vinculada ao bom resultado e desempenho na próxima rodada.

Impossível mensurar até que ponto Raí tem real convicção no trabalho de Dorival. A impressão pairante é que o ídolo tricolor segurou Dorival para não deixar a imagem que rapidamente cedeu à pressão das arquibancadas.

Enquanto isso, as luzes dos corredores do Morumbi seguem se apagando à medida em que Dorival caminha. Os refletores miram Jardine, que deverá ser promovido a auxiliar técnico do time principal.



A ascensão de Jardine pela diretoria instaurará uma questão freudiana para Dorival resolver: Além de prazo para mostrar resultado, Dorival aceitará o rebaixamento de seu filho do cargo para ceder espaço ao multicampeão da base?

Como um dia Cláudio Coutinho denominou o overlapping como a possibilidade de se fazer uma jogada sem a bola; nos campos políticos dos clubes, também é é possível construir um novo cenário a partir de uma simples movimentação.

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!