Publicada em 06/02/2018, às 11:16

Inter dá fim a "pré-temporada" com equipe titular ideal em formação; veja balanço

GloboEsporte.com lista pontos positivos e a melhorar no Inter após fim do rodízio entre titulares e reservas

Odair Hellmann ainda não tem formação titular definida (Foto: Ricardo Duarte/Inter)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Internacional direto no seu Messenger.

Odair Hellmann aproveitou os primeiros seis jogos de 2018 para promover uma espécie de rodízio, com alternância entre equipe titular e reserva e minutos em campo a quase todo o elenco do Inter. O planejamento delineado por comissão técnica e departamento de futebol era de estender o ritmo de "pré-temporada" com ao menos uma semana de treinamentos ao time entre cada compromisso. A fase de testes chegou ao fim no último domingo, após a derrota por 1 a 0 para o Brasil de Pelotas, no Bento Freitas, com saldo positivo – mesmo que com ressalvas.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





O treinador tem definido um esquema de jogo que varia do 4-2-3-1 com a posse da bola ao 4-4-2 para se defender e conseguiu implementar, ao menos em parte, seus conceitos de jogo, assimilados pela equipe. Claro, há margem (e necessidade) para evolução, em especial no setor ofensivo. E o comandante ainda vê algumas posições indefinidas, com lacunas a ser solucionadas na sequência do trabalho.

– Depois desses jogos, já temos uma base de time. As situações ocorrerão. Já observei. Só dois ou três não jogaram. Demos chances a todos. Foi importante este processo para aumentar o treinamento. Dentro da avaliação, teremos opções e variações. Estamos no caminho certo para manter uma equipe e realizar mudanças esporádicas. A partir de agora, colocaremos o máximo a equipe-base – avalia o técnico Odair Hellmann.

Pontos a destacar:

Liberdade a William Pottker

A amostragem ainda é reduzida, percorridos apenas seis jogos, mas William Pottker abre 2018 como o grande destaque do Inter na temporada. E muito em função da maior liberdade de movimentação atribuída por Odair ao camisa 99 no setor ofensivo. Ainda em sua posição habitual, como extrema pela direita, o atacante fica "solto" para atuar mais próximo de Leandro Damião, na entrada e dentro da área, e, por vezes, aparece até aberto pela esquerda.

O sistema de marcação proposto pelo técnico também ajuda. Pottker segue com encargos defensivos, até por exigência da função. Mas auxilia em um primeiro momento com a pressão alta aos defensores rivais e só depois com a recomposição para cobrir o lateral-direito. Tudo isso dá resultado. O camisa 99 é o artilheiro do Inter em 2018, com três gols anotados. Todos com o atacante aparecendo pelo c

Leque de opções

Odair segue com a missão de solucionar algumas lacunas na equipe titular, mas é inegável que o rodízio promovido pelo treinador possibilitou um diagnóstico mais preciso do elenco colorado para a sequência do ano. O técnico utilizou 25 dos 31 jogadores do grupo nos seis primeiros jogos da temporada. E há mais por vir: Wellington Silva deve fazer sua estreia contra o São José, na próxima quinta-feira, às 20h, no Beira-Rio. Além do atacante, apenas os goleiros Keiller e Daniel, o zagueiro Ernando, o volante Fabinho e o atacante Fernandinho não atuaram em 2018.

A alternância de escalações permite ainda testar algumas variações táticas para a sequência do ano. Até o momento, Odair já observou, por exemplo, o rendimento de Edenílson mais adiantado, pela esquerda, e de Patrick na lateral esquerda.

Saída com a bola no chão

Logo em seu primeiro treino tático do ano, Odair já deixou explícito um dos pilares de atuação do Inter para 2018: a saída de bola pelo chão, sem fazer uso – salvo raras exceções – da ligação direta, algo diagnosticado como problema das equipes coloradas nos últimos anos. E o time consegue executar esse tipo de construção já com certa naturalidade.

Até o momento, o Colorado foi capaz de imprimir seu estilo com valorização de posse de bola, com maior ou menor dificuldade de jogo para jogo, em todas as partidas disputadas na temporada, seja com reservas ou com titulares. Dentro desta mecânica, algumas movimentações já ficaram nítidas. D'Alessandro costuma recuar para armar as jogadas de trás, próximo aos zagueiros e aos volantes, auxiliando a formar linhas de passe para triangulações. E até mesmo os goleiros participam das trocas de passes.

Roger e força aérea

William Pottker é o artilheiro isolado, mas o início de ano colorado também é marcado por outros destaques em termos ofensivos. A começar pelo "renascimento" de Roger. Recuperado da cirurgia para retirada de um tumor benigno no rim direito em outubro passado, o atacante ainda busca o ritmo de jogo e a forma física ideais. Mas já deu resposta com dois gols pelo clube, anotados na vitória por 3 a 0 sobre o Avenida.

Por falar em centroavantes, a bola aérea segue como principal arma ofensiva da equipe. Dos nove gols anotados na temporada, oito tiveram origem em lances em que a bola foi alçada para a área rival.

Pontos a melhorar:

Criação no ataque

O Inter cumpre bem as orientações de iniciar as jogadas trabalhando a bola, com passes curtos e aproximação para fazer a transição ao ataque. Mas a equipe ainda encontra dificuldades na criação de lances de perigo, em especial pela falta de intensidade e verticalidade nas triangulações, para progredir com velocidade no campo. E, por consequência, esbarra na criação de lances de perigo com infiltrações para abrir espaço na defesa rival.

Um dado que exemplifica a dificuldade colorada neste tipo de jogada é o número de cruzamentos, fundamento utilizado com excesso pela equipe. Ao todo, foram 165 bolas alçadas à área em seis jogos – uma média de 27,5 por partida. A bola aérea ainda denota a falta de precisão do ataque. Do montante de cruzamentos, 128 foram errados – ou seja, não encontraram seu alvo dentro da área. Nas finalizações, a estatística também é negativa: são 42 conclusões erradas e 27 no alvo. Os números são do Footstats.net.

Indefinição no meio-campo

Odair tem seu esquema de jogo bem definido, mas ainda não encontrou soluções com boa resposta para duas posições da equipe. A vaga que mais chama atenção é a de extrema pela esquerda.

Camilo iniciou o ano como titular, mas não conseguiu render o esperado até o momento e ainda sofreu com problemas musculares. Edenílson e Patrick também foram testados por ali. O primeiro caiu de rendimento fora de sua função habitual, e o segundo desponta como titular provável, com uma ressalva: Wellington Silva está liberado para atuar e acirra a disputa pela posição.

Sina na lateral direita

Problema histórico do Inter recentemente, a lateral direita também não teve um atleta com rendimento acima da média até aqui. Contratado para ser titular da posição, Dudu iniciou o ano fora de combate devido a um desconforto muscular e só atuou em duas oportunidades – sem grandes destaques.

A tendência é de que o jogador siga como dono da posição, até para dar uma amostra mais expressiva. E porque os demais jogadores da função seguem sem dar resposta. Remanescente no ano passado, Cláudio Winck segue com atuações irregulares, assim como Ruan, outro reforço para a temporada, que foi até expulso no último domingo, contra o Brasil de Pelotas.

Seca de Leandro Damião

O centroavante até mantém seus encargos táticos, de muita briga e disposição para pressionar a defesa rival na marcação pressão e para fazer parede e reter a bola quando necessário. Mas é inegável que inicia o ano em baixa, muito em função de sua seca. Passados três jogos em que esteve em campo, Damião segue sem balançar as redes na temporada. O atacante não marca desde 6 de novembro, quando marcou duas vezes no empate em 2 a 2 com o Luverdense, em Lucas do Rio Verde.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 11:32

Antes de folga no Carnaval, Inter se reapresenta com treino físico

Reservas fazem trabalho sob orientações do preparador Cristiano Nunes nesta sexta-feira, no CT do Parque Gigante

CLIQUE AQUI e receba notícias do Internacional direto no seu Messenger.

Após golear o São José por 4 a 0 e convencer a torcida com uma atuação sólida no Beira-Rio, o Inter se reapresentou para treinamentos nesta sexta-feira pela manhã. Sem a presença dos titulares, que realizaram atividades regenerativas, os reservas foram a campo para participar de um trabalho físico aos cuidados do preparador Cristiano Nunes no CT do Parque Gigante. O treino é o último antes dos dois dias de folga de Carnaval, no sábado e no domingo.



Em processo de retreinamento após se recuperar de uma contusão no joelho esquerdo, Uendel participou normalmente do treinamento. A tendência, assim, é de que o lateral-esquerdo fique à disposição para encarar o Juventude na próxima quinta-feira, no Beira-Rio. Ainda sem estrear pelo Inter, Wellington Silva ficou fora da atividade, assim como Nico López, que segue a recuperação de uma gastroenterite.

Sob forte sol e calor à beira do Guaíba, os colorados realizaram corridas e alguns tiros de maior intensidade no gramado, com Cristiano Nunes sempre aos gritos para repassar as orientações aos atletas. O técnico Odair Hellmann apenas observou a movimentação, do lado de fora do gramado.

Após o treino desta sexta-feira, os colorados têm o fim de semana de folga e se reapresentam para trabalhos na segunda-feira. O Inter volta a campo na próxima quinta-feira, às 19h15, quando enfrenta o Juventude, no Beira-Rio, pela 7ª rodada do Gauchão.



Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte