Publicada em 06/02/2018, às 11:24

Diego Souza iguala início do melhor ano e diz que São Paulo "vai dar o que falar"

Jogador tem dois gols em cinco jogos pelo Tricolor, mesmo número que teve pelo Sport quando fez 21

(Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net)

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Diego Souza tem cinco jogos e dois gols pelo São Paulo em 2018. Na temporada passada, no Sport, ele teve o mesmo número de gols nas suas cinco primeiras partidas. E terminou o ano com 21 gols, seu melhor rendimento como goleador na carreira. Sinal de que o camisa 9 pode repetir esse feito ou superá-lo pelo Tricolor neste ano? O meia-atacante acha que ainda é cedo para avaliar.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





– A expectativa é sempre bater o seu melhor ano. Mas é muito cedo ainda para falar disso. Espero poder estar ajudando fazendo gols, mas o mais importante é o grupo crescer, ter uma equipe forte. E tenho certeza que isso acontecendo os gols vão aparecer naturalmente – declarou Diego Souza, autor de um gol na vitória sobre o Mirassol e outro no triunfo sobre o Botafogo-SP.

Dos seis jogos do Tricolor na temporada, Diego Souza só não esteve em um deles: na derrota para o São Bento, na estreia do Paulistão. Depois disso, ele estreou no segundo tempo do empate por 0 a 0 com Novorizontino e foi titular nos duelos contra Mirassol (2 a 0), Corinthians (1 a 2) e Botafogo (2 a 0), todos pelo estadual. E ainda começou jogando contra o Madureira (1 a 0), na Copa do Brasil.

– É uma adaptação, mas estou feliz (com o desempenho) e procurando ajudar da melhor maneira possível. Vamos encaixar e dar muito o que falar – acrescentou o camisa 9 do São Paulo.

Contratado por duas temporadas pelo Tricolor, Diego Souza viu logo de cara a pressão que o elenco sente ainda por conta da luta contra o rebaixamento no ano passado, algo que ele também passou pelo Sport (e escapou). Para o meia-atacante, o time está cascudo por isso.

– Tem que esquecer o que aconteceu no ano passado. Eles ganharam uma casca, ganharam corpo para saber lidar com essa situação, mas já passou, tiveram méritos para sair daquilo que aconteceu ano passado. Este ano é página nova, tem que estar focado, motivado... – falou o jogador tricolor.

Sobre os objetivos do São Paulo na temporada, Diego Souza preferiu não colocar limites ou fazer previsões. Quer apenas ver o time entrosado para poder mostrar serviço.

– Não tem limites. É como eu disse, precisa encaixar bem como equipe, vir forte, porque aí, sim, vamos alcançar nosssos objetivos – completou Diego Souza.

O São Paulo volta a campo pelo Campeonato Paulista na próxima quarta-feira, às 21h45, contra o Bragantino, no Morumbi, pela sexta rodada da competição. O Tricolor é líder do Grupo B.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 23/02/2018, às 13:59

Crônicas do Morumbi: Jardine, o ponto futuro de Dorival no São Paulo

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Dorival não caiu de fato, mas ele ainda comanda a equipe? Segue mantido único e exclusivamente pela posição de Raí, que acredita em uma evolução do trabalho. Leco queria a demissão, no entanto, perder o apoio de Raí pesou para recuar e proporcionar uma sobrevida a Dorival.



A manutenção do técnico pode ser analisada por dois ângulos opostos: uma seria pela honra, o apoio de Raí; outra, pela situação humilhante, com a permanência vinculada ao bom resultado e desempenho na próxima rodada.

Impossível mensurar até que ponto Raí tem real convicção no trabalho de Dorival. A impressão pairante é que o ídolo tricolor segurou Dorival para não deixar a imagem que rapidamente cedeu à pressão das arquibancadas.

Enquanto isso, as luzes dos corredores do Morumbi seguem se apagando à medida em que Dorival caminha. Os refletores miram Jardine, que deverá ser promovido a auxiliar técnico do time principal.



A ascensão de Jardine pela diretoria instaurará uma questão freudiana para Dorival resolver: Além de prazo para mostrar resultado, Dorival aceitará o rebaixamento de seu filho do cargo para ceder espaço ao multicampeão da base?

Como um dia Cláudio Coutinho denominou o overlapping como a possibilidade de se fazer uma jogada sem a bola; nos campos políticos dos clubes, também é é possível construir um novo cenário a partir de uma simples movimentação.

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!