Publicada em 04/02/2018, às 17:49

Corinthians lamenta confusão na eleição e espera punição aos brigões

Em nota oficial, clube também diz que o presidente Andrés Sanchez ligou para o repórter Flávio Ortega, da ESPN Brasil, que foi agredido durante a confusão do último sábado

Protesto começou quando Andrés dava entrevista (Foto: Guilherme Amaro)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Corinthians direto no seu Messenger.

O Corinthians se pronunciou neste domingo sobre a confusão após a eleição realizada no sábado, quando Andrés Sanchez venceu e tornou-se o novo presidente do clube. Em nota oficial, o Timão lamentou o ocorrido e diz que espera punição aos brigões. O texto também afirma que Andrés ligou para o repórter Flávio Ortega, da ESPN Brasil, que foi agredido durante o tumulto.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





"O Sport Club Corinthians Paulista lamenta profundamente o episódio ocorrido após a apuração da eleição para Presidente e Conselheiros que aconteceu no sábado (03 de fevereiro de 2018).

O clube que contava com um corpo de segurança especialmente montado para a eleição comunicou todas as autoridades solicitando policiamento para o dia do evento.

O presidente Andrés Sanchez, que assumiu o cargo após a eleição, ligou pessoalmente ao repórter Flávio Ortega dos canais ESPN, se desculpando pelo fato e lamentando o ocorrido.

Como o acontecimento foi público e com vasto material colhido pela imprensa, o Corinthians espera que aos invasores sejam identificados e punidos pelas autoridades.

O Sport Club Corinthians Paulista também espera que situações como essas não se repitam."


A CONFUSÃO APÓS A ELEIÇÃO

A confusão no sábado começou após Andrés Sanchez ser anunciado como o vencedor da eleição. Enquanto o novo presidente dava entrevista, um grupo começou a protestar, os seguranças tentaram conter o tumulto, mas Andrés teve de ficar no banheiro feminino do ginásio do Parque São Jorge por cerca de 20 minutos para não ser agredido.

A empurra-empurra continuou, e Andrés teve de deixar o banheiro cercado pelos seguranças. A Polícia Militar foi chamada para ajudar no trajeto do presidente até o prédio administrativo do Parque São Jorge.

Mesmo com a presença da PM, o protesto continuou. Gritos de "ladrão" e "Andrés, aqui não tem burguês" foram cantados. Em meio ao empurra-empurra, houve agressão a alguns jornalistas. O tumulto chegou ao fim quando Andrés, enfim, conseguiu entrar no prédio administrativo.

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!

Publicada em 09/02/2018, às 11:28

Júnior Dutra, do Corinthians, volta ao palco de parceria com Marcelinho Carioca

Atacante viveu parceria com o ídolo da Fiel entre 2008 e 2009 no Santo André

Junior Dutra será mantido no ataque do Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Corinthians direto no seu Messenger.

O jogo desta sexta-feira, às 19h, no Bruno José Daniel, será especial para Júnior Dutra, do Corinthians. Oito anos depois de deixar o Santo André rumo ao futebol japonês, o atacante volta ao ABC paulista para enfrentar sua primeira equipe profissional pela sexta rodada do Paulistão.



– Tenho um carinho e respeito muito grande pelo Santo André. Consegui ter uma projeção nacional atuando em competições importantes como o Paulistão e a Série A. Aprendi muito lá, o elenco tinha jogadores experientes e pude evoluir.

Um dos jogadores experientes com quem Dutra atuou no Ramalhão foi Marcelinho Carioca, um dos maiores ídolos da história do Corinthians, em seu último ano de carreira profissional, aos 37 anos. Juntos, conseguiram o acesso para a Série A do Brasileiro em 2008. No ano seguinte, não conseguiram evitar a volta do clube para a Segunda Divisão.

– Joguei com o Marcelinho Carioca, que foi meu padrinho no futebol, no Santo André. Eu admirava muito ele, e depois jogamos juntos – citou Dutra, na chegada ao Corinthians.



Goleiro atual do Ramalhão, Neneca fazia parte do elenco em que Junior Dutra e Marcelinho Carioca atuaram. O técnico Sérgio Soares é outro velho conhecido do atacante corintiano.

Depois de deixar o Ramalhão, Dutra partiu para o futebol japonês (jogou por Kyoto Sanga e Kashima Antlers), passou pela Bélgica (no Lokeren), Qatar (no Al-Arabi) e voltou ao Brasil em 2016 para jogar pro Vasco e, depois, Avaí. Aos 30 anos, diz viver o auge da carreira no Corinthians.

– É o maior do futebol brasileiro. Estou me adaptando muito bem, até porque temos uma estrutura espetacular e o time é muito bom, rápido, de toque de bola e que encaixa bem com o meu jogo. Venho conquistando o meu espaço e a torcida tem me apoiado bastante. Quero escrever uma bonita história nesse time que estou realizando o sonho de defender – afirmou.

Ainda sem um reforço para o ataque, Fábio Carille tem dado sequência para Dutra no ataque do Timão. Kazim, que começou a temporada como titular, perdeu espaço e será opção no banco.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte