Publicada em 02/02/2018, às 12:48

Torcida pede, e Cruzeiro e Minas Arena estudam retirada de cadeiras no Mineirão

Torcedores fazem campanha na internet pedindo a retirada dos assentos localizados no setor amarelo (superior e inferior)

(Foto: Washington Alves/LightPress/Cruzeiro)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Cruzeiro direto no seu Messenger.

Uma campanha feita por torcedores do Cruzeiro tomou conta das redes sociais. Os cruzeirenses criaram uma hashtag (#amarelosemcadeira) no Twitter, pedindo a retirada dos assentos localizados no setor (superior e inferior), normalmente utilizado por torcidas organizadas. O clube e a Minas Arena, empresa que administra o estádio, estudam a possibilidade.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





Na manhã desta sexta-feira, a Minas Arena utilizou o Twitter para informar que tem acompanhado a manifestação dos torcedores e garantiu que conversa com dirigentes do clube celeste para tratar sobre o assunto. No entanto, disse que medidas legais precisam ser tomadas para que as cadeiras sejam retiradas. Em entrevista ao GloboEsporte.com, Leandro Freitas, gerente da área de relacionamento do Cruzeiro com o torcedor, explicou a situação.

- A vontade é de todos. A Minas Arena não tem nenhuma resistência quanto a isso, mas precisamos viabilizar com o Ministério Público e olhar até as próprias normas do estádio. O Mineirão segue as normas da Fifa e tem um contrato público-privado. Tem muita coisa ainda a ser vista – disse Leandro.

De acordo com ele, a tendência é que esse processo não seja resolvido em 2018.

- É uma situação em que precisamos trabalhar juntos, mas não é simples. Não é algo que será resolvido este ano, provavelmente. Não depende apenas da boa vontade das partes. Estamos envolvidos, querendo essa retirada, mas precisamos fazer o que é correto.

Como Grêmio e Corinthians

Alguns estádios brasileiros que seguem as normas da Fifa, como as arenas do Grêmio e do Corinthians, por exemplo, não contam com cadeiras nos setores em que ficam as principais torcidas organizadas. Leandro explica que, caso a retirada dos assentos não seja permitida, o clube tentará colocar cadeiras que não tenham o encosto, a exemplo do que ocorre no portão 6 do Independência.

- A gente pensa que o que atrapalha mais os torcedores são as cadeiras com encosto. A gente quer a retirada das cadeiras por completo, deixar só o cimento. Mas, caso não possa acontecer isso, podemos pensar na alternativa de utilizar apenas os assentos. Temos que pensar em alternativas para atender ao torcedor, mas fazendo o correto e sem tirar o conforto.

Mesmo que as cadeiras sejam retiradas do setor amarelo, a tendência é que os preços dos ingressos não sejam alterados.

- Em relação ao preço a gente ainda não sabe se vai mudar. Acho que isso depende muito do jogo. Aquele setor é concorrido, que o nosso torcedor gosta. Precisamos analisar tudo, mas depende de jogo e da situação.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 21/02/2018, às 15:27

Para vice-presidente de futebol do Cruzeiro, multa de Fred é "piada"

Itair Machado considera ilegal a cobrança de R$ 10 milhões feita pelo Atlético-MG, por causa da ida do camisa 9 para o Cruzeiro. O dirigente entende que Raposa não deve pagar

Diretor de futebol, Itair Machado fala sobre multa de Fred (Foto: Divulgação / Cruzeiro)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Cruzeiro direto no seu Messenger.

O caso Fred, envolvendo o Atlético-MG e o Cruzeiro, ainda está dando pano para manga. Há dois meses o atacante rescindiu o contrato com o Alvinegro para assinar com a equipe celeste. A troca de clube gerou uma dívida de R$ 10 milhões, por causa de uma cláusula no contrato do camisa 9. De dezembro para cá, o Galo cobra o montante, que deveria ter sigo pago no dia 17 de janeiro, mas o departamento jurídico da Raposa ainda está avaliando o processo.



Nesta quarta-feira, o site Uol publicou uma entrevista com o vice-presidente de futebol do Cruzeiro, Itair Machado. O dirigente classificou a multa como "piada" e considerou a cobrança feita pelo Atlético-MG ilegal. Vale lembrar que o presidente da Raposa, Wagner Pires de Sá garantiu, mês passado, que acertaria a dívida.

- Essa contratação nunca é bem explicada. Eu sempre tive um bom relacionamento com o Fred e com o Francis, que é o procurador. Quando fiquei sabendo que teria a rescisão, eu liguei e marcamos. Aí ele falou: 'olha, tem uma multa de R$ 10 milhões.' Na hora eu falei: 'Olha, essa multa é piada'. A gente entende que consegue não pagar na Justiça - disse o dirigente do Cruzeiro em entrevista publicada no site Uol nesta quarta-feira.

O Atlético-MG já ingressou com uma ação na Câmara Nacional de Resolução de Disputas, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), cobrando de Fred o pagamento da multa de R$ 10 milhões. Itair Machado destacou que caso o clube seja obrigado a pagar, o valor não será destinado ao rival, mas à empresa WRV que cobra uma dívida antiga do Atlético-MG.



- Para o jogador ficar tranquilo, demos um documento que, se tiver que pagar, o Cruzeiro paga. Quando a Justiça falar que temos que pagar, o Cruzeiro vai pagar, mas não ao Atlético Mineiro. O Cruzeiro vai pagar para o credor que já intimou o Cruzeiro. Eu, Itair, entendo que a multa é ilegal. A Justiça ou a CBF, alguém vai mostrar que isso é ilegal - afirmou o vice-presidente de futebol.

O caso será julgado na Câmara de Resolução de Disputas por cinco juristas: Vitor Butruce, presidente e representante da CBF; Luiz Guilherme Pires Barbosa, indicado pelos clubes; Liselaine Marques de Castro Rosa (atletas); Luiz Fernando Pimenta Ribeiro (intermediários); e Guilherme Guimarães (técnicos), segundo dados da site da CBF.

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!