Publicada em 01/02/2018, às 15:16

Imprensa argentina brinca com Pikachu após goleada do Vasco: “Fez um gol em Libertadores”

Lateral vascaíno marcou o terceiro gol da goleada e chamou atenção pelo apelido inspirado no personagem da animação japonesa Pokemón

(Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Vasco direto no seu Messenger.

O costume de jogadores brasileiros utilizarem apelidos causa muita estranheza fora do país. Francisco Bozán, técnico do Universidad de Concepción, time goleado por 4 a 0 pelo Vasco na última quarta-feira (31 de janeiro), já havia comentado em entrevista à rádio chilena Cooperativa a dificuldade que tinha com as alcunhas dos jogadores.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





"Estudar os times brasileiros é mais difícil do que estudar os outros, porque os nomes são mudados constantemente, alguns estão por apelidos, Nenê se chama de outra forma, há outro que chamam de Pikachu, e se não é Pikachu, é de outra forma. Além disso, eles mudam de camisa em todas as partidas", afirmou na ocasião o jovem treinador de 31 anos.

Nenê pode até ter saído rumo ao São Paulo, mas Yago Pikachu permaneceu na equipe e deu conta do recado quando foi exigido na partida contra o time chileno. O lateral direito, bastante participativo durante o confronto, ajudando na defesa e apoiando no ataque, teve a oportunidade de marcar o seu gol e a aproveitou. Aos 33 minutos do segundo tempo, o jogador anotou o terceiro tento do Cruzmaltino em sua estreia na Conmebol Libertadores.

O portal argentino TyC Sports repercutiu: “Pikachu fez um gol na Libertadores”. O veículo fazia referência ao personagem Pikachu, da animação japonesa Pokemón, que deu origem ao apelido de Glaybson Yago Souza Lisboa. Os argentinos ainda finalizaram o artigo alertando: “Lembre-se, ele não usou os poderes elétricos do personagem animado Pokémon”.

Conteúdo publicado originalmente no site Fox Sports

Publicada em 22/02/2018, às 20:46

Empresário de Martín Silva revela que pensou em tirar o goleiro do Vasco

Após ver o goleiro defender três penalidades e garantir a classificação do Vasco para a fase de grupos da Conmebol Libertadores, Regis Marques desabafou em sua conta no Twitter

(Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Vasco direto no seu Messenger.

No dia 26 de julho de 2015, Martín Silva viveu um de seus piores dias com a camisa do Vasco. Era a 15ª rodada do Campeonato Brasileiro daquele ano, o Cruzmaltino recebia em casa o Palmeiras e no fim do primeiro tempo já sofria uma goleada por 3 a 0.



Voltando ao time após dois meses fora por contusão, o uruguaio não foi poupado pela torcida, que o vaiou pelas falhas nos gols do adversário. Para piorar, Martín foi substituído no intervalo e após o jogo, o então treinador, Celso Roth, creditou a “erros individuais” a derrota por 4 a 1, além de barrar o arqueiro na sequência do campeonato.

Nesta quarta-feira (21 de fevereiro), após ver o goleiro defender três penalidades e garantir a classificação do Vasco para a fase de grupos da Conmebol Libertadores, Regis Marques, empresário de Martín Silva desabafou em sua conta no Twitter.

“Em pensar que as vaias contra o Palmeiras, da torcida, foi a coisa mais covarde que vi, quase me fez tirar ele do Vasco”, contou o agente, para em seguida fazer uma advertência à torcida. “Só espero que apoiem quando falhar também, pois nas boas estão vários com ele. Quero ver nas más”, finalizou.






Conteúdo publicado originalmente no site Fox Sports