Publicada em 01/02/2018, às 14:58

Dorival se esquiva de rumor sobre novo reforço no São Paulo: 'Quando for finalizado eu posso falar'

Desde o início do ano, Dorival vem frisando que os pontas são imprescindíveis para o sucesso do esquema que montou para 2018. Nele, as principais jogadas ofensivas saem dos atacantes que atuam pelos lados

(Foto: Maurício Rummens/Foto Arena)

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

O técnico Dorival Júnior despistou sobre a possibilidade de o São Paulo contratar o meia-atacante Valdívia, do Atlético-MG. Questionado sobre o assunto, o treinador disse que prefere não comentar acerca do suposto interesse do clube do Morumbi no jogador de 23 anos.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





“Não vou falar em cima de hipótese. O dia em que for finalizado eu posso falar”, afirmou Dorival, sucinto, após a vitória por 1 a 0 sobre o Madureira, nesta quarta-feira, em Londrina, pela primeira fase da Copa do Brasil.

Conforme a Gazeta Esportiva apurou, Valdívia não está mais nos planos do técnico Oswaldo de Oliveira. O atleta não treinou com o grupo nos últimos dois dias, inclusive. Por outro lado, de acordo com a versão oficial do clube, ele não foi a campo para fazer reforço muscular na academia da Cidade do Galo.

Valdívia foi emprestado ao Atlético-MG até o fim de maio e tem contrato com o Internacional até 29 de junho de 2019. A agremiação gaúcha, no entanto, não tem o interesse de contar com o jogador neste momento e não descarta fazer um novo empréstimo.

O São Paulo, por sua vez, o vê como uma boa opção para satisfazer o desejo de Dorival em contar com mais um atacante de beirada de campo. Na última terça-feira, em entrevista coletiva, o diretor-executivo de futebol Raí falou que poderia entregar ao técnico um atleta com essa característica para completar o elenco tricolor.

Desde o início do ano, Dorival vem frisando que os pontas são imprescindíveis para o sucesso do esquema que montou para 2018. Nele, as principais jogadas ofensivas saem dos atacantes que atuam pelos lados: ora fazendo a entrada em diagonal, ora indo à linha de fundo para cruzar.

Foi assim, aliás, que o Tricolor construiu a jogada que culminou no gol da vitória sobre o Madureira. No lance, Marcos Guilherme foi até a linha de fundo pela direita e cruzou na medida para Brenner, que invadiu a área e bateu de primeira, sem chances para o goleiro Douglas.

Na segunda fase da Copa do Brasil, o São Paulo enfrentará o vencedor do duelo entre Manaus-AM e CSA-AL, que duelam no dia 7 de fevereiro na Arena da Amazônia. Pelo Campeonato Paulista, o time voltará a campo neste sábado, às 17 horas (de Brasília), diante do Botafogo-SP, no Morumbi.

Conteúdo publicado originalmente no site Fox Sports

Publicada em 23/02/2018, às 13:59

Crônicas do Morumbi: Jardine, o ponto futuro de Dorival no São Paulo

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Dorival não caiu de fato, mas ele ainda comanda a equipe? Segue mantido único e exclusivamente pela posição de Raí, que acredita em uma evolução do trabalho. Leco queria a demissão, no entanto, perder o apoio de Raí pesou para recuar e proporcionar uma sobrevida a Dorival.



A manutenção do técnico pode ser analisada por dois ângulos opostos: uma seria pela honra, o apoio de Raí; outra, pela situação humilhante, com a permanência vinculada ao bom resultado e desempenho na próxima rodada.

Impossível mensurar até que ponto Raí tem real convicção no trabalho de Dorival. A impressão pairante é que o ídolo tricolor segurou Dorival para não deixar a imagem que rapidamente cedeu à pressão das arquibancadas.

Enquanto isso, as luzes dos corredores do Morumbi seguem se apagando à medida em que Dorival caminha. Os refletores miram Jardine, que deverá ser promovido a auxiliar técnico do time principal.



A ascensão de Jardine pela diretoria instaurará uma questão freudiana para Dorival resolver: Além de prazo para mostrar resultado, Dorival aceitará o rebaixamento de seu filho do cargo para ceder espaço ao multicampeão da base?

Como um dia Cláudio Coutinho denominou o overlapping como a possibilidade de se fazer uma jogada sem a bola; nos campos políticos dos clubes, também é é possível construir um novo cenário a partir de uma simples movimentação.

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!