Publicada em 31/01/2018, às 20:39

Kieza é apresentado no Botafogo: "Quem não quer ser ídolo num clube como esse?"

Apresentado no Nilton Santos, atacante prioriza conquista do Carioca no início do ano e volta à Libertadores no final da temporada

(Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

Kieza foi apresentado oficialmente pelo Botafogo. Na noite desta quarta-feira, após ser regularizado e ir bem no treino, o centroavante encarou as câmeras e microfones na sala de imprensa do Nilton Santos. Em suas primeiras palavras com a camisa alvinegra, não escondeu a felicidade de estar no clube de coração de seu pai, Seu Carlos, e revelou sua expectativa:

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





- Espero grandes coisas para o Botafogo. Além de fazer muitos gols, quero conquistar títulos. Botar o Botafogo novamente na Libertadores. Quem não quer ser ídolo num clube maravilhoso como esse? Espero ficar por muito tempo e dar muita alegria a todos.

Kieza é o quarto reforço do time para 2018. Antes chegaram o meia-atacante Luiz Fernando (ex-Atlético-GO), o meia Renatinho, (ex-Paraná) e o atacante Leandro Carvalho (ex-Paysandu).



Após negociação arrastada, que teve início em dezembro do ano passado, as partes envolvidas entraram em acordo no fim da semana passada. Kieza desembarcou no Rio de Janeiro no último domingo e realizou exames médicos na segunda-feira. Na terça e na quarta-feira, já treinou com parte do elenco no campo anexo do Nilton Santos. Assinou contrato de dois anos.

O último grande momento do atacante foi no Bahia, em 2015, quando fez 29 gols em 50 jogos. Depois disso, teve passagem relâmpago e apagada no São Paulo. Kieza estava no Vitória desde março de 2016. Ano passado, fez 12 gols em 32 jogos e vinha atuando no time titular em 2018, enfrentando Globo FC, Juazeirense e Vitória da Conquista.

Confira outros tópicos da coletiva:
VOLTA AO RIO
Estou muito feliz de voltar para o Rio depois de quase nove anos. Volto para a cidade (na verdade ao estado, já que seu primeio clube no Rio foi o Americano, de Campos) onde praticamente comecei no futebol. E feliz por estar num clube grandioso como o Botafogo. Espero corresponder toda confiança e carinho em campo, principalmente do torcedor. Espero que sejamos felizes juntos no Botafogo.

ORIGEM DO APELIDO
Apelido é muito diferente. Ninguém consegue falar direito meu nome. Quando jogava no Abecedário, na base, ele não conseguia falar de jeito nenhum. Jogava com meu primo no ataque, o nome dele era Kiel. Falavam Kieza e Kiel, e pegou.

POUCAS CHANCES NO FLU?
Na verdade eu tive oportunidades no Fluminense, mas tive uma contusão muito séria no tornozelo. Fiquei três ou quatro meses parado depois e não tive a sequência que vinha tendo, mas espero que a passagem pelo Botafogo seja maravilhosa. Estar num grande clube como o Botafogo me deixa muito feliz.

DISPUTA COM BRENNER
Disputa sadia, acho que isso ocorre em todo clube, estou sempre preparado. Chego para somar e ajudar da melhor maneira possível. Fui muito bem recebido, ambiente muito agradável, o que é difícil de ver em outros clubes. Fui muito bem tratado. Vou procurar fazer o meu melhor, e o Botafogo só tem a ganhar com isso.

CONTUSÃO NO OMBRO EM 2017
Me machuquei muito, principalmente no ano passado. Tive duas cirurgias (no ombro direito), praticamente acabou com meu ano. Voltei na última rodada do Brasileiro de 2017, contra o Flamengo. O que mais quero é fazer gols, como sempre fiz. Quero voltar a ser feliz no Botafogo. Espero voltar a ser o Kieza que sempre fui.

REENCONTRO COM ANDERSON BARROS
Trabalhei com Anderson no Vitória, um cara que respeito muito. Ele é um cara sensacional. Quando ele me procurou, não pensei duas vezes. Eu precisava respirar novos ares. Todo mundo gosta do Anderson. Trabalhar ao lado dele é um privilégio.

POSICIONAMENTO
Tenho a característica de jogar pelos lados, gosto de sair muito da área, mas espero jogar centralizado, que é na minha posição.

CONVERSOU SOBRE A CAMISA 9 COM BRENNER?
Tanto faz a questão do número. O importante é ajudar em campo.

JÁ FEZ O PAI SOFRER?
Ele já sofreu muito, já chorou muito comigo devido aos jogos contra o Botafogo. Sempre fui feliz, fiz gols. Desde que comecei a jogar, sempre quis que eu jogasse no Botafogo. Eu falava que na hora que Deus desse a mão, isso ia acontecer.

PROMESSA AO PAI?
Não posso prometer, porque ele é chato para caramba. Tem a família também, com muitos botafoguenses. E um primo meu (Michel) que só Jesus (risos)...

BOTAFOGO 2018
Trabalho está sendo bem realizado, pude acompanhar o pessoal de perto. Espero que as coisas aconteçam e que, no início do ano, a gente possa ser campeão estadual. E no fim do ano botar o Botafogo na Libertadores e conquistar títulos.

META DE GOLS
Nunca botei meta na minha carreira, as coisas acontecem normalmente.

JEJUM DE GOLS
Incomoda, todo atacante quando não faz gol se incomoda bastante, mas o gol vai sair naturalmente. Fiz o gol em julho, me machuquei e depois fiz duas cirurgias. Voltei na última rodada do Brasileiro, contra o Flamengo.

Nesse ano, fiz três jogos e não marquei gols, mas acho que está guardado para o Botafogo.
ESTREIA SÁBADO, CONTRA O MADUREIRA?
Por mim, estou em campo. Depende do professor. Quero estar em campo ajudando da melhor maneira possível.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 10:32

Cartola admite que situação do técnico Felipe Conceição é muito difícil

Jefferson fala de enorme tristeza por queda na Copa do Brasil e críticas

Felipe Conceição começa a ser contestado (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

Os jogadores do Botafogo retomaram os treinamentos no Nilton Santos ainda juntando os cacos da vexaminosa eliminação na Copa do Brasil para a Aparecidense, de Goiás. Com viaturas da Polícia Militar na porta do estádio como precaução após os incidentes no desembarque de quinta-feira , o gerente de futebol Anderson Barros foi o porta-voz da diretoria e deixou claro que a situação do técnico Felipe Conceição é muito difícil.



Ele não garantiu o treinador no cargo nem mesmo em caso de vitória sobre o Flamengo, sábado, às 16h30, em Volta Redonda, pela semifinal da Taça Guanabara. Segundo Anderson Barros, o trabalho será avaliado dia a dia.

Com o clima pesado, o goleiro Jefferson, ídolo da torcida, foi o escalado para a entrevista coletiva. E admitiu ter ficado muito triste com as críticas após a eliminação na Copa do Brasil pelo fato de aparecer sorrindo numa imagem da TV: "O que mais doeu foi ver minha torcida duvidando do meu caráter. Como se você chegasse em casa e visse sua esposa e filhos duvidando de você. Mas, enfim, os verdadeiros torcedores não duvidam. Se fosse de outros torcedores, eu entenderia. Nem dormi praticamente."

Ele também lamentou a forma como a delegação foi recebida no Rio: "Foi muito triste, saímos como bandidos, pelos fundos. Os próprios torcedores estão repudiando quem foi lá. Isso é importante. Nós repudiamos o que aconteceu no aeroporto." Jefferson defendeu a manutenção do treinador. "A gente quer que o Felipe continue pela pessoa que é, o pouco tempo de trabalho, mas sabemos que a pressão está em cima dele. Vamos fazer do jogo contra o Flamengo a nossa vida, correndo por ele, mas também pelo Pimpão, Gilson, torcedores e nossos familiares. Vamos suar sangue para conseguir a classificação", prometeu.



Além do período de enorme pressão e instabilidade, para chegar à decisão da Taça Guanabara, o Botafogo terá que vencer o jogo de amanhã, já que o Flamengo tem a vantagem do empate.

Como mudou o esquema do time na derrota para a Aparecidense, a escalação para o clássico virou um enigma.

Conteúdo publicado originalmente no site O Dia