Publicada em 30/01/2018, às 15:06

Papo com Roger em 2017 e filhos: por que Michel Bastos quis ficar no Palmeiras

Mesmo com poucas chances e nome em "lista de dispensas" de organizada, meia seguiu no clube

CLIQUE AQUI e receba notícias do Palmeiras direto no seu Messenger.

Menos de duas semanas depois de Michel Bastos ver seu nome em uma "lista de dispensas" cobrada pela torcida organizada, em novembro, o Palmeiras contratou Roger Machado. O técnico viria a estrear apenas neste ano, mas aproveitou a reta final de 2017 para antecipar algumas questões, como a situação de vários jogadores no clube.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





Em sua primeira temporada com a camisa alviverde, Michel Bastos disputou 38 jogos, muitos saindo do banco de reservas ou atuando improvisado na lateral esquerda. Menos chances do que ele imaginava. Um contexto que – como disse à TV Globo e ao GloboEsporte.com – o fazia não descartar uma eventual transferência.

O que o demoveu da ideia de escutar propostas foi um papo com Roger Machado, o diretor Alexandre Mattos e o gerente Cícero Souza.

– Foi até antes de sairmos de férias. Ele passou que contava comigo no Palmeiras neste ano. Até porque surgiu uma lista de jogadores que a "torcida" [Michel faz sinal de aspas com as mãos] queria dispensar, e apareceu meu nome. Estranhei pelo fato de não ter tido muita oportunidade. Quando a oportunidade apareceu, foi sempre fora de posição, onde teria que me readaptar, enfim. Lógico, o torcedor, com razão, quer a resposta imediata. Temos que entender... – contou o jogador, ao receber a equipe em sua casa.

– Mas ele (Roger) chegou pra mim, disse que contava comigo e que se tivesse a oportunidade de me utilizar mais na posição que eu prefiro jogar, como meia mais avançado, ele me daria.

Pai de duas crianças, Michel tem notado os filhos muito mais conscientes de sua profissão. Principalmente Lucas, de dez anos, que não acompanhou sua carreira na Europa e na seleção brasileira, mas agora adora jogar bola e acompanhar futebol. Aos 34 anos, o meia quer que o garoto e a irmã Valentina, que completa cinco anos na semana que vem, possam vê-lo em campo. No Palmeiras.

Treinar bem acompanhado e bom demais !!! #mb15 #filhos #palmeiras

Uma publicação compartilhada por Michel Bastos (@mb15oficial) em



– Tenho um moleque de dez anos que cobra o pai quando não joga. Liga a televisão e quer ver o pai jogar. Quero que meu filho me veja jogando, quero ter oportunidade de entrar com ele dentro de campo. Tanto com ele quanto com minha filha. Hoje em dia, priorizo mais isso do que qualquer outra coisa. Antes dessa conversa, não vou mentir. Talvez, se surgisse uma oportunidade, eu sentaria e conversaria. Mas, após essa conversa, praticamente vetei qualquer possibilidade de sair, porque foi muito boa e sincera, da parte do Roger e do Alexandre.

No domingo, ele estava na TV: Michel fez sua estreia em 2018 na quarta rodada do Campeonato Paulista. Foi como lateral-esquerdo, e não como meia, como havia dito o treinador, mas ainda assim com uma atuação elogiada. Em uma das cinco vezes que chegou à linha de fundo, cruzou na medida para Keno abrir o placar da vitória por 2 a 0 sobre o Bragantino, no calor intenso de Bragança Paulista.

– Antes desse jogo, o Roger comentou comigo e o grupo: "Ó, até conversei com o Michel que eu daria oportunidade pra ele mais na posição em que ele joga, mas, pelo fato de o Victor (Luis) estar um pouco desgastado, e com a lesão do Diogo (Barbosa), tenho a necessidade de usar nessa posição". E me coloquei à disposição. Graças a Deus, tudo ocorreu bem. Acho que pude ajudar a equipe. Quando acabou o jogo, ele me parabenizou, agradeceu – disse o camisa 15.

Para o clássico de domingo, contra o Santos, Victor Luis deverá estar novamente à disposição. Mas Michel não entende ser um problema se o filho tiver que vê-lo como lateral. Além das jogadas em profundidade, pedido constante do novo comandante, o meia ajudou também defensivamente com desarmes e roubadas de bola:

– Num time como o Palmeiras, com concorrência muito grande, jogadores com possibilidade de jogar em mais posições abrem um leque maior para estar em campo. Não pode abdicar disso, até porque todo jogador quer jogar. Eu tenho essa característica. Não posso abdicar de jogar de lateral, volante... Temos nossas preferências, mas hoje minha preferência é jogar (risos) e ajudar o Palmeiras.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 22/02/2018, às 21:55

Roger Machado treina equipe sem mudanças