Publicada em 29/01/2018, às 15:34

Sucessor de Pablo, Henrique põe camisa corintiana e se nega a falar do Flu

Henrique foi oficialmente apresentado pelo Corinthians nesta segunda (Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Corinthians direto no seu Messenger.

Depois de uma demora além do normal para rescindir contrato com o Fluminense e mais um período de treinos a portas fechadas no Corinthians, Henrique foi apresentado oficialmente nesta segunda-feira (29). O defensor de 31 anos, com passagens por Palmeiras, Flu, Napoli, Barcelona e Bayer Leverkusen, entre outros clubes, comentou a respeito da nova responsabilidade em substituir Pablo, antigo titular da zaga. Só não quis mesmo, porém, falar sobre o último clube.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





"Ele [Pablo] deixou o nome aqui. Sabemos da importância que teve, mas tem muita coisa para acontecer ainda. Fui muito bem recebido por todos, fico muito feliz e honrado de estar aqui e vou fazer o melhor dentro de campo. (...) É uma felicidade enorme em poder representar clube de tradições, vitórias e títulos. A gente sabe da responsabilidade, mas estamos preparados", comentou Henrique na tarde desta segunda.

"Jogar no Corinthians tem uma responsabilidade muito grande. Se tratando de jogadores que foram campeões como o Pablo, podem fazer diferença como ele fez. A gente vem para batalhar, ajudar, dentro e fora de campo, e sabemos da responsabilidade aqui, do potencial que Pablo tinha", acrescentou o reforço, que já foi até capitão do Palmeiras e assinou por duas temporadas no Corinthians após obter rescisão na Justiça.

"Vamos ter tempo para falar do Fluminense. O momento é para falar da minha vinda e do Corinthians. Vai ter o momento certo para conversar do Fluminense e tem muita coisa a ser dita. Quando acabou o campeonato, iniciamos uma conversa e foi se alimentando. O Fluminense deu uma barrada nisso uma hora, mas no final foram acontecendo as coisas e no final há males que vêm para o bem. Demorou um pouco, mas deu tudo certo", explicou Henrique.

O defensor ainda foi questionado sobre o período preparatório para que possa estrear no Corinthians, já que os trabalhos no novo clube se iniciaram recentemente. Ele pediu tempo. "Fisicamente, tive três treinos com bola, estou um pouco cru ainda. Estamos trabalhando para estar à disposição e 100% também. Comecei mais tarde que a maioria. Vamos nos preparar para ficar disponível".

Conteúdo publicado originalmente no site UOL Esporte

Publicada em 09/02/2018, às 11:28

Júnior Dutra, do Corinthians, volta ao palco de parceria com Marcelinho Carioca

Atacante viveu parceria com o ídolo da Fiel entre 2008 e 2009 no Santo André

Junior Dutra será mantido no ataque do Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Corinthians direto no seu Messenger.

O jogo desta sexta-feira, às 19h, no Bruno José Daniel, será especial para Júnior Dutra, do Corinthians. Oito anos depois de deixar o Santo André rumo ao futebol japonês, o atacante volta ao ABC paulista para enfrentar sua primeira equipe profissional pela sexta rodada do Paulistão.



– Tenho um carinho e respeito muito grande pelo Santo André. Consegui ter uma projeção nacional atuando em competições importantes como o Paulistão e a Série A. Aprendi muito lá, o elenco tinha jogadores experientes e pude evoluir.

Um dos jogadores experientes com quem Dutra atuou no Ramalhão foi Marcelinho Carioca, um dos maiores ídolos da história do Corinthians, em seu último ano de carreira profissional, aos 37 anos. Juntos, conseguiram o acesso para a Série A do Brasileiro em 2008. No ano seguinte, não conseguiram evitar a volta do clube para a Segunda Divisão.

– Joguei com o Marcelinho Carioca, que foi meu padrinho no futebol, no Santo André. Eu admirava muito ele, e depois jogamos juntos – citou Dutra, na chegada ao Corinthians.



Goleiro atual do Ramalhão, Neneca fazia parte do elenco em que Junior Dutra e Marcelinho Carioca atuaram. O técnico Sérgio Soares é outro velho conhecido do atacante corintiano.

Depois de deixar o Ramalhão, Dutra partiu para o futebol japonês (jogou por Kyoto Sanga e Kashima Antlers), passou pela Bélgica (no Lokeren), Qatar (no Al-Arabi) e voltou ao Brasil em 2016 para jogar pro Vasco e, depois, Avaí. Aos 30 anos, diz viver o auge da carreira no Corinthians.

– É o maior do futebol brasileiro. Estou me adaptando muito bem, até porque temos uma estrutura espetacular e o time é muito bom, rápido, de toque de bola e que encaixa bem com o meu jogo. Venho conquistando o meu espaço e a torcida tem me apoiado bastante. Quero escrever uma bonita história nesse time que estou realizando o sonho de defender – afirmou.

Ainda sem um reforço para o ataque, Fábio Carille tem dado sequência para Dutra no ataque do Timão. Kazim, que começou a temporada como titular, perdeu espaço e será opção no banco.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte