Publicada em 29/01/2018, às 16:41

Santos arrecada no Pacaembu pouco mais da metade da renda da Vila

Partida contra o Ituano gera lucro de R$ 62 mil, menos do que os R$ 113 mil de duelo com Bragantino

Santos x Ituano teve público pequeno no Pacaembu (Foto: Léo Pinheiro/Framephoto/Estadão Conteúdo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Santos direto no seu Messenger.

O primeiro jogo do Santos no Pacaembu em 2018, no último domingo, contra o Ituano, rendeu R$ 62.156,85 ao clube. É pouco mais da metade do valor líquido da bilheteria da partida contra o Bragantino, na Vila Belmiro, apesar do público maior.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





O duelo disputado no último dia 22, pela terceira rodada do Campeonato Paulista, foi o primeiro jogo em casa do time no ano e teve renda líquida de R$ 113.615,74, com 7.508 pagantes – menos do que os 11.513 que compraram ingresso para entrar no estádio da capital.

A diferença se explica pelas despesas, mais altas no Pacaembu – só o aluguel do campo consumiu quase R$ 50 mil no último domingo.

No total, o Santos gastou R$ 268.283,15 para jogar no Pacaembu, menos do que os R$ 109.999,26 para atuar na Vila. O valor médio dos ingressos foi semelhante nos dois jogos: R$ 29,78 contra o Bragantino, R$ 28,70 contra o Ituano.

Todos os dados constam nos borderôs das duas partidas publicados no site da Federação Paulista de Futebol.

Jogar mais no Pacaembu é compromisso de campanha do presidente José Carlos Peres, que quer dividir igualmente os confrontos disputados na capital e na Vila Belmiro. Um dos argumentos é justamente a capacidade de gerar maiores rendas no Pacaembu, estádio cuja capacidade é o dobro da Vila.

O próximo jogo do Santos como mandante será contra o São Caetano e está marcado para o dia 14 de fevereiro, pela sétima rodada do Campeonato Paulista, na Vila Belmiro.

Antes, pega o Palmeiras, domingo, e a Ferroviária, dia 10 de fevereiro, ambos fora de casa.

O primeiro resultado financeiro ruim no Pacaembu não mudam os planos da diretoria alvinegra, que planeja mandar o clássico contra o Corinthians e os três primeiros jogos da Libertadores no local.

Em 2017, o Santos teve média de 22.682 pagantes nos oito jogos que mandou no Pacaembu, contra 8.264 pagantes, em média, nas 25 partidas dusputadas na Vila Belmiro.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 11:00

Porta na cara e futuro incerto: os detalhes do caso Lucas Veríssimo, Spartak e Santos

Empresário do zagueiro barra venda por conta de tratativas feitas por outros agentes; Peixe nega

CLIQUE AQUI e receba notícias do Santos direto no seu Messenger.

A negociação entre Santos e Spartak Moscou pelo zagueiro Lucas Veríssimo se arrastou por mais de dois meses, mas a venda do defensor ao clube russo não deve ser concretizada.



Como o GloboEsporte.com publicou na última quinta-feira, o grupo que cuida da carreira do zagueiro se irritou com uma tratativa paralela, feita por outros agentes, e decidiu barrar a venda do jogador.

No momento, com os atuais moldes, a transação de Lucas Veríssimo está encerrada. Faltavam apenas detalhes contratuais, como o acerto na quantia de salários e luvas, para o acordo ser formalizado. Entenda abaixo o que aconteceu:

Lucas Veríssimo durante treino do Santos (Foto: Ivan Storti/Santos FC)





Viagem de agentes a Moscou e reunião inexistente

Os empresários de Lucas Veríssimo, Marcos Ribeiro e Aparecido Inácio, chegaram a Moscou na última terça-feira confiantes de que teriam uma reunião com dirigentes do Spartak e selariam a venda do zagueiro ao clube russo. Mas o encontro não aconteceu.

Irritado com a quantidade de agentes diferentes que diziam responder pelo zagueiro na negociação, o Spartak se recusou a atender os dois empresários que cuidam da carreira do jogador. A alegação dos russos foi de que a reunião jamais havia sido marcada e que eles só aceitariam conversar com um empresário italiano (de nome não revelado), o que foi o estopim para Marcos Ribeiro abandonar a negociação e voltar para o Brasil.

Esses empresários que tentaram atravessar as tratativas diziam que havia uma proposta maior pelo jogador, com mais dinheiro para o Santos. Ouvidas pela reportagem, pessoas do Peixe negaram que o clube estivesse negociando com outro agente a venda do defensor.

Aparecido Inácio (à esq.) e Marcos Ribeiro (à dir.), empresários de Lucas Veríssimo, foram à Rússia (Foto: Arquivo pessoal)



O que chegou para o Santos?

Ao Santos, oficialmente, o Spartak ofereceu 7,5 milhões de euros (R$ 30,1 milhões), mais 10% de uma futura venda para contratar o Lucas Veríssimo. Na Vila Belmiro, inclusive, o acerto entre os dois clubes era dado como "98% certo". Por isso, o jogador foi autorizado a negociar salários com o clube russo.

Com situação financeira delicada e a dificuldade para trazer reforços, o Peixe liberou o atleta para acertar com o Spartak. O dinheiro dos russos, na visão da diretoria santista, viria em boa hora.

– Já está interessante a proposta, por ser um zagueiro e tudo, mas o Santos não quer vender porque não quer perder um jogador com quem o Jair conta. É um grande jogador. Mas obviamente o clube tem suas necessidades financeiras e é obrigado – disse José Carlos Peres ao GloboEsporte.com na última segunda-feira, quando a venda parecia bem encaminhada.

José Carlos Peres, presidente do Santos (Foto: Ivan Storti / Divulgação Santos FC)



A vontade de Lucas Veríssimo era ser transferido, muito por conta de ser em um clube da Europa, que viraria "vitrine" para as grandes equipes e também pela questão financeira e visibilidade nas grandes competições europeias.

Os direitos econômicos do zagueiro estão divididos da seguinte maneira: 80% para o Peixe, 10% para o próprio zagueiro e outros 10% entre as empresas MGS Sport e AIRC Sports.

Lucas Veríssimo foi um dos jogadores mais assediados do Peixe em 2017. Além do Spartak, o defensor de 22 anos foi procurado por Saint-Éttiene e Nantes, da França, e Stuttgart, da Alemanha. O ex-presidente Modesto Roma recusou as investidas e renovou o contrato do zagueiro até 2022.

Relembre toda a negociação:

Para começar, vale ressaltar que, segundo apurado pelo GloboEsporte.com, o interesse dos russos no defensor teve início no dia 4 de dezembro do ano passado, ainda na gestão do ex-presidente Modesto Roma. Dias depois, já com José Carlos Peres no comando, chegou a primeira proposta oficial.

Veja abaixo o caminhar da negociação:

29/12/2017 - Santos recebe proposta de R$ 32 milhões de clube russo por Lucas Veríssimo
5/1/2018 - Negociação avança, e Santos deve vender Lucas Veríssimo para Spartak
6/1/2018 - Comitê de Gestão do Santos veta venda de Veríssimo ao Spartak; negociação segue
11/1/2018 - Santos diz que só libera Lucas Veríssimo por valor "acima das expectativas"

Neste ponto, a venda de Lucas Veríssimo parecia ter melado, pelos mesmos motivos: outros agentes, que não respondiam ao zagueiro, tentaram atravessar as negociações. O Spartak recuou. A assessoria de imprensa do defensor, inclusive, se viu obrigada a divulgar uma nota oficial. Uma parte dela dizia:

"Muitas pessoas têm se apresentado como meus empresários no mercado para favorecer seus próprios interesses. Isso, contudo, tem prejudicado o meu nome e o do meu verdadeiro agente. Gostaria de deixar bem claro que meus empresários são legalmente Marcos Ribeiro, da MGS Sport, e Aparecido Inácio, da AIRC Sport. Só eles respondem por mim e têm o poder de negociar qualquer tipo de contrato em meu nome, seja dentro do Santos ou em um eventual outro clube interessado no meu futebol".

Cerca de um mês depois, ou seja, nesta última semana, os russos voltaram as investidas por Lucas Verísimo:

4/2/2018 - Spartak está perto de tirar Lucas Veríssimo do Santos; veja valores oferecidos
5/2/2018 - Lucas Veríssimo de saída do Santos? Peres fala em proposta "interessante" do Spartak
6/2/2018 - Agente de Lucas Veríssimo, do Santos, chega à Rússia para fechar venda
8/2/2018 - Empresário se irrita com negócio paralelo e barra venda de Lucas Veríssimo, do Santos

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte