Publicada em 29/01/2018, às 11:28

Duas caras: números expõem mudança de postura do Galo em amargo empate

Atlético-MG domina primeiro tempo e abre 2 a 0 sobre Patrocinense, mas relaxamento na etapa final custa caro ao time, que cede a igualdade

Jogadores do Atlético-MG não mantiveram a postura na etapa final do jogo (Foto: Bruno Cantini/ Atlético-MG)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Atlético direto no seu Messenger.

Em 90 minutos, um mesmo time pode ser dois. Não é novidade no futebol essa mudança drástica de comportamento. A última vítima foi o Atlético-MG. Uma equipe de atitude no primeiro tempo, criando e abrindo 2 a 0 no placar contra o Patrocinense. Sem alterações, essa mesma formação é apática e cede o empate na etapa final. Os melhores momentos da partida, no vídeo abaixo, e as estatísticas (fonte: Footstats) escancaram esse Galo de duas caras.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





A começar pela posse de bola. Nos 45 minutos iniciais, o Atlético teve o controle do jogo e aliou isso à intensidade. Foram 62%, contra 38% do Patrocinense. Já na etapa final, a disputa pela posse foi mais equilibrada, 56% do Galo, contra 44% dos visitantes.

Junto com o controle do jogo, caíram os fundamentos do Atlético-MG. O relaxamento trouxe desatenção. Os passes certos foram de 246 no primeiro tempo para 156 no segundo. Sem criar bons momentos, o Galo abusou dos lançamentos, que foram de 10 para 16 de uma etapa para outra. Com isso, as finalizações certas despencaram de 6 para 2. Os escanteios, que levaram grande perigo e resultaram no primeiro gol atleticano, reduziram de 7 para 4.

A queda de rendimento refletiu também na defesa. Se no primeiro tempo o Atlético-MG desarmou o Patrocinense 11 vezes, no segundo foram apenas três. As rebatidas na etapa final, justamente quando o adversário ameaçou mais, foram 7. No tempo inicial, foram 12.

Mas o que provocou tudo isso? Para o técnico Oswaldo de Oliveira não há ligação com a condição física dos atletas, que estão em início de temporada e ainda em ritmo de pré-temporada. Para ele, houve relaxamento com a vantagem. Apesar disso, o comandante só fez as alterações aos 39 minutos do segundo tempo, as três de uma vez. Chamou os jovens Gustavo Blanco, Bruno Roberto e Marco Túlio nas vagas de Elias, Cazares e Róger Guedes.

- Não acho que tenha sido parte física. Acho que a equipe teve um relaxamento, não teve a postura de antes. Foi uma questão de postura, de relaxamento, de agressividade na partida.

Quem estava em campo, como o lateral esquerdo Fábio Santos, citou o ritmo de jogo como um dos motivos.

- Perdeu a intensidade. Infelizmente, cansamos bastante no segundo tempo, sentimos o ritmo de jogo, perdemos intensidade na marcação, a equipe deles cresceu, e foi justo o placar. É começo de temporada, temos um planejamento a ser cumprido, tenho certeza que, aos poucos, vamos melhorar.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 11:19

Cuca vira primeira opção do Atlético-MG para a vaga de Oswaldo de Oliveira

CLIQUE AQUI e receba notícias do Atlético direto no seu Messenger.

O Atlético-MG já está à procura do substituto de Oswaldo de Oliveira. A ideia do clube é buscar Cuca para a vaga do técnico que foi demitido na madrugada desta sexta-feira (9) na Cidade do Galo.



Campeão da Copa Libertadores da América de 2013 pela equipe de Belo Horizonte, o ex-comandante do Palmeiras já foi procurado por Alexandre Gallo, diretor de futebol, para retornar à cidade mineira.

A ideia é que o treinador feche contrato até dezembro deste ano na Cidade do Galo. Ele é o nome preferido da cúpula para a vaga. Um vínculo mais longo, no entanto, não está descartado.

Abel Braga, hoje no Fluminense, também é um nome que agrada ao presidente Sérgio Sette Câmara e ao diretor de futebol Alexandre Gallo.



A volta de Cuca ao Atlético pode acontecer quatro anos após sua saída. Depois de vencer a Libertadores pelo clube, ele renovou o contrato, mas acabou saindo devido à proposta do Shandong Luneng, da China, onde ficou até o fim de 2015.

O técnico voltou ao Brasil no início de 2016 e conduziu o Palmeiras ao título do Campeonato Brasileiro. Em 2017, ele voltou à Academia de Futebol, mas não obteve o mesmo sucesso e acabou demitido.

Conteúdo publicado originalmente no site UOL Esporte