Publicada em 29/01/2018, às 22:40

Botafogo tem dia de negociações, mas não consegue avançar por Rony e Aguirre

Em reunião em São Paulo, Albirex Niigata estipula preço considerado alto para liberar atacante brasileiro, enquanto Udinese recusa proposta menor do Alvinegro por empréstimo do uruguaio

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

A torcida do Botafogo começou a segunda-feira empolgada com a possibilidade real das contratações de Rony e Aguirre para fechar o elenco para a disputa do Campeonato Carioca. Mas termina o dia preocupada. Após muitas negociações, o Alvinegro não conseguiu avançar em nenhum dos dois casos por enquanto.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





Rony
O atacante, de 22 anos, foi a São Paulo e teve uma reunião com seu representante e os do Albirex Niigata, do Japão. No encontro, ele demonstrou a sua vontade de ficar no Brasil e defender o Botafogo, mas para isso precisa de um acerto financeiro. O clube japonês informou que aceita liberar o jogador em definitivo, mas estipulou um preço considerado caro pela diretoria.

Os japoneses querem US$ 500 mil (cerca de R$ 1,5 milhão) para fechar negócio – curiosamente, o mesmo valor do empréstimo de Aguirre. O Botafogo pode envolver o R$ 1 milhão que falta receber do Cruzeiro pela venda de Bruno Silva. Porém, o dinheiro ainda não entrou em caixa, e ainda precisaria mais R$ 500 mil.

Aguirre
Com a ajuda de um investidor, o Botafogo ofereceu aproximadamente metade dos US$ 500 mil (cerca de R$ 1,5 milhão) pedidos pela Udinese para um empréstimo do uruguaio, de 23 anos, por uma temporada. Porém, a oferta foi considerada baixa e recusada pelo clube italiano. Mas a vontade do jogador, expressa nas redes sociais, mobiliza os dois lados.

Seu empresário, o peruano Pablo Betancourt, é próximo do presidente da Udinese e tenta usar sua influência para facilitar o negócio, que nos moldes é considerado muito difícil internamente em General Severiano. Entretanto, há uma forte corrente na diretoria favorável à contratação que segue tentando capitalizar um valor maior com investidores.

As conversas continuam. Mas a realidade é dura com o sonho alvinegro pela dupla.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 10:32

Cartola admite que situação do técnico Felipe Conceição é muito difícil

Jefferson fala de enorme tristeza por queda na Copa do Brasil e críticas

Felipe Conceição começa a ser contestado (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

Os jogadores do Botafogo retomaram os treinamentos no Nilton Santos ainda juntando os cacos da vexaminosa eliminação na Copa do Brasil para a Aparecidense, de Goiás. Com viaturas da Polícia Militar na porta do estádio como precaução após os incidentes no desembarque de quinta-feira , o gerente de futebol Anderson Barros foi o porta-voz da diretoria e deixou claro que a situação do técnico Felipe Conceição é muito difícil.



Ele não garantiu o treinador no cargo nem mesmo em caso de vitória sobre o Flamengo, sábado, às 16h30, em Volta Redonda, pela semifinal da Taça Guanabara. Segundo Anderson Barros, o trabalho será avaliado dia a dia.

Com o clima pesado, o goleiro Jefferson, ídolo da torcida, foi o escalado para a entrevista coletiva. E admitiu ter ficado muito triste com as críticas após a eliminação na Copa do Brasil pelo fato de aparecer sorrindo numa imagem da TV: "O que mais doeu foi ver minha torcida duvidando do meu caráter. Como se você chegasse em casa e visse sua esposa e filhos duvidando de você. Mas, enfim, os verdadeiros torcedores não duvidam. Se fosse de outros torcedores, eu entenderia. Nem dormi praticamente."

Ele também lamentou a forma como a delegação foi recebida no Rio: "Foi muito triste, saímos como bandidos, pelos fundos. Os próprios torcedores estão repudiando quem foi lá. Isso é importante. Nós repudiamos o que aconteceu no aeroporto." Jefferson defendeu a manutenção do treinador. "A gente quer que o Felipe continue pela pessoa que é, o pouco tempo de trabalho, mas sabemos que a pressão está em cima dele. Vamos fazer do jogo contra o Flamengo a nossa vida, correndo por ele, mas também pelo Pimpão, Gilson, torcedores e nossos familiares. Vamos suar sangue para conseguir a classificação", prometeu.



Além do período de enorme pressão e instabilidade, para chegar à decisão da Taça Guanabara, o Botafogo terá que vencer o jogo de amanhã, já que o Flamengo tem a vantagem do empate.

Como mudou o esquema do time na derrota para a Aparecidense, a escalação para o clássico virou um enigma.

Conteúdo publicado originalmente no site O Dia