Publicada em 28/01/2018, às 19:50

Defesa sólida e eficiência de Brenner: por que o Botafogo venceu o Boavista

Alvinegro não joga bem, mas com gol de pênalti ganha a segunda partida seguida e fica perto da semifinal da Taça Guanabara

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

O Botafogo venceu a segunda seguida, mas desta vez não convenceu. Na tarde deste domingo, Alvinegro ganhou do Boavista por 1 a 0, com gol de pênalti de Brenner, e assumiu a liderança do Grupo C da Taça Guanabara. Porém, a atuação ficou muito aquém do demonstrado diante do Macaé, na última quinta-feira. Vaias chegaram a ser ouvidas no intervalo, mas o placar amenizou o tom de cobrança no fim. Porém, Felipe Conceição ainda precisa encaixar sua formação.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





BOLA PARADA
Dos cinco gols do Botafogo no Carioca, três foram de bola parada. Na vitória sobre o Boavista, ela voltou a decidir: gol de pênalti de Brenner, que converteu dois já no estadual. O camisa 9, agora que passará a ter a concorrência de Kieza, tem no fundamento um ponto forte a seu favor. Já com a bola rolando... Brenner e João Paulo pararam na trave, e a bola não quis entrar nas raras chances de gol.

POUCA APROXIMAÇÃO
Se contra o Macaé o Botafogo "conseguiu jogar", como o próprio Felipe Conceição reconheceu, diante do Boavista a atuação não se repetiu. Aquelas triangulações que encheram os olhos do torcedor faltaram ao Nilton Santos neste domingo. Muito em função dos erros, foram vários ataques em vantagem numéria desperdiçados. Nem mesmo as entradas dos xodós Renatinho e Ezequiel mudaram o panorama. E a boa impressão que havia ficado foi embora.

DEFESA SÓLIDA
Se faltou inspiração ofensiva, o ponto forte foi a defesa. Como já era a maior virtude da equipe sob o comando de Jair Ventura. Mas desta vez com Marcelo no lugar de Carli, preservado após dores musculares. Neste domingo, o time não sofreu na bola aérea. A dupla Igor Rabello e Marcelo ganharem praticamente todas as disputas, e Jefferson só teve trabalho nas cobranças de falta diretas.

AGENDA
Na última rodada da fase de grupos da Taça Guanabara, o Botafogo vai receber o Madureira no próximo sábado, às 19h (de Brasília), novamente no Nilton Santos. Caso Fluminense ou Madureira ganhe no duelo da noite deste sábado, o Alvinegro precisará apenas de um empate para se classificar para a semifinal.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 10:32

Cartola admite que situação do técnico Felipe Conceição é muito difícil

Jefferson fala de enorme tristeza por queda na Copa do Brasil e críticas

Felipe Conceição começa a ser contestado (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

Os jogadores do Botafogo retomaram os treinamentos no Nilton Santos ainda juntando os cacos da vexaminosa eliminação na Copa do Brasil para a Aparecidense, de Goiás. Com viaturas da Polícia Militar na porta do estádio como precaução após os incidentes no desembarque de quinta-feira , o gerente de futebol Anderson Barros foi o porta-voz da diretoria e deixou claro que a situação do técnico Felipe Conceição é muito difícil.



Ele não garantiu o treinador no cargo nem mesmo em caso de vitória sobre o Flamengo, sábado, às 16h30, em Volta Redonda, pela semifinal da Taça Guanabara. Segundo Anderson Barros, o trabalho será avaliado dia a dia.

Com o clima pesado, o goleiro Jefferson, ídolo da torcida, foi o escalado para a entrevista coletiva. E admitiu ter ficado muito triste com as críticas após a eliminação na Copa do Brasil pelo fato de aparecer sorrindo numa imagem da TV: "O que mais doeu foi ver minha torcida duvidando do meu caráter. Como se você chegasse em casa e visse sua esposa e filhos duvidando de você. Mas, enfim, os verdadeiros torcedores não duvidam. Se fosse de outros torcedores, eu entenderia. Nem dormi praticamente."

Ele também lamentou a forma como a delegação foi recebida no Rio: "Foi muito triste, saímos como bandidos, pelos fundos. Os próprios torcedores estão repudiando quem foi lá. Isso é importante. Nós repudiamos o que aconteceu no aeroporto." Jefferson defendeu a manutenção do treinador. "A gente quer que o Felipe continue pela pessoa que é, o pouco tempo de trabalho, mas sabemos que a pressão está em cima dele. Vamos fazer do jogo contra o Flamengo a nossa vida, correndo por ele, mas também pelo Pimpão, Gilson, torcedores e nossos familiares. Vamos suar sangue para conseguir a classificação", prometeu.



Além do período de enorme pressão e instabilidade, para chegar à decisão da Taça Guanabara, o Botafogo terá que vencer o jogo de amanhã, já que o Flamengo tem a vantagem do empate.

Como mudou o esquema do time na derrota para a Aparecidense, a escalação para o clássico virou um enigma.

Conteúdo publicado originalmente no site O Dia