Publicada em 27/01/2018, às 13:52

Entenda decisão do São Paulo de barrar Cueva do clássico com o Corinthians

Peruano treina, mas novamente fica fora da lista de relacionados

Cueva foi barrado pelo São Paulo para o clássico (Foto: Marcelo Hazan)

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Cueva foi barrado pelo São Paulo e não vai disputar o clássico com o Corinthians, neste sábado, às 17h, no Pacaembu, pelo Campeonato Paulista. As chances de o peruano ser relacionado eram mínimas, pois os últimos episódios envolvendo o jogador irritaram dirigentes do Tricolor.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





A decisão de deixar Cueva fora foi tomada em conjunto pela diretoria do São Paulo e pela comissão técnica de Dorival Júnior.

Na última terça-feira, o executivo de futebol Raí disse o seguinte para explicar a situação de Cueva, que pediu para não enfrentar o Mirassol:

– O Cueva nos pediu para não participar do jogo e nós avaliamos que ele não está plenamente comprometido com a agenda do clube neste momento. Assim, decidimos não levá-lo com a delegação para Mirassol. Nós lamentamos essa situação e estamos trabalhando para tê-lo apto física e mentalmente e à disposição para voltar a contribuir com o São Paulo o mais rápido possível. O São Paulo não abre mão do jogador neste momento.

Na avaliação interna do Tricolor, Cueva não está apto física e mentalmente para jogar. O clube entende que não houve evolução nesta situação nos últimos dias.

Cueva treinou com os companheiros na última sexta-feira, no CT da Barra Funda, mas em nenhum momento participou da equipe titular.

Em entrevista exclusiva ao repóter André Hernan, o meia pediu desculpas pelo post no qual rebatia Raí sobre seu comprometimento e citava a comissão técnica pela sua condição de reserva – posteriormente, a publicação foi apagada.

O São Paulo recusou uma proposta do Al-Hilal, da Arábia Saudita, de 7 milhões de euros (R$27,8 milhões), com uma promessa verbal de que poderia chegar a 8 milhões de euros (R$ 31,8 milhões). O Tricolor respondeu que não seria necessário aumentar para esse montante, pois não havia interesse em vendê-lo.

Há dentro do clube, no entanto, quem aprove a venda. Porém, quem defende a permanência de Cueva entende que ele é um líder técnico de um time em construção. Portanto, sua saída imediata seria mais sentida do que se ocorresse no meio do ano, depois da Copa do Mundo, com uma equipe mais sólida e entrosada. O jogador tem contrato com o São Paulo até junho de 2021.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 11:11

Dorival pode atingir marca que foi batida pela última vez por Muricy Ramalho no São Paulo

Caso vença o duelo da próxima quarta-feira, contra o CSA, pela Copa do brasil, técnico alcançará uma marca inatingível desde março de 2015

(Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net)

CLIQUE AQUI e receba notícias do São Paulo direto no seu Messenger.

Pela segunda vez, Dorival Jr está próximo de quebrar um longo jejum no comando do São Paulo desde que chegou ao Morumbi. Vindo de três vitórias consecutivas, o treinador, caso vença o duelo da próxima quarta-feira, contra o CSA, pela Copa do brasil, alcançará uma marca inatingível desde março de 2015, quando Muricy Ramalho ainda estava à frente do Tricolor.



Na época, o São Paulo acabou superando o São Bento, Ponte Preta, San Lorenzo, este pela Libertadores, e Marília, somando quatro vitórias consecutivas. Ainda assim, não conseguiu alçar voos altos na temporada e teve de se contentar com mais um ano sem qualquer título conquistado.

Em 2017, já sob o comando de Dorival Jr, o São Paulo esteve muito próximo de vencer quatro jogos de maneira consecutiva. Foi na reta final do Campeonato Brasileiro. Depois de superar Flamengo, Santos e Atlético-GO, bastava ao Tricolor levar a melhor sobre a Chapecoense, no Pacaembu, para acabar com o jejum, no entanto, o time catarinense conseguiu sair de campo com um empate em 2 a 2.

Vindo de triunfos sobre Madureira, Botafogo-SP e Bragantino, Dorival Jr, ainda assim, tenta se livrar de uma vez por todas da grande pressão que se instalou no clube neste início de temporada. Para isso, o comandante são-paulino trabalhará duro neste Carnaval para que sua equipe, enfim, chegue à quarta vitória consecutiva. Mais do que o jejum, o resultado é de extrema importância pelo fato de o próximo jogo da equipe ser válido pela segunda fase da Copa do Brasil, contra o CSA, de Alagoas.



Conteúdo publicado originalmente no site Fox Sports