Publicada em 25/01/2018, às 21:50

Oswaldo reclama das condições do jogo e reafirma planejamento de mesclar times

Apesar dos resultados ruins dos reservas, que ainda não marcaram e têm um ponto ganho em seis disputados, técnico do Atlético-MG garante que vai seguir alternando equipes

Oswaldo de Oliveira mudou o discurso após a derrota do Atlético-MG em Nova Lima (Foto: Rafael Araújo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Atlético direto no seu Messenger.

Antes da partida contra o Villa Nova, nesta quinta-feira, pelo Campeonato Mineiro, Oswaldo de Oliveira foi questionado sobre as condições da partida no Alçapão do Bonfim, em Nova Lima. O gramado do estádio não é dos melhores, o estádio é acanhado, estava muito calor, mas o técnico disse que não seria problema. Ele apostou, também, que o time reserva do Atlético-MG mostraria evolução em relação ao primeiro jogo do Mineiro, contra o Boa Esporte, quando empatou sem gols.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





- Como segunda partida (do time reserva), vamos evoluir no conjunto, no entrosamento. Isso ficou claro nos treinamentos desta semana. Acredito que vamos fazer um bom jogo. Futebol se joga aqui, no Mineirão, no Maracanã ou em Wembley. Vamos jogar - disse antes da bola rolar (veja no vídeo acima).

Não foi o que aconteceu, e o discurso após o fim do jogo, naturalmente, foi outro. O Atlético-MG fez uma partida ruim, não conseguiu criar praticamente nada e acabou derrotado por 1 a 0. O técnico destacou a dificuldade gerada pelas condições da partida.

- Foi um jogo muito difícil de ser jogado, em condições bem diferentes do que nós temos encontrado. O adversário usou uma estratégia que sabíamos que iam usar, jogar no contra-ataque. Conseguiu, em uma bola que replicou na nossa área várias vezes, um pênalti. Fizeram o gol. Continuamos insistindo, tentando de todas as formas, mas não conseguimos o empate. Jogo difícil de ser jogado pelo campo e pelas circunstâncias que tivemos aqui - disse Oswaldo na coletiva após a partida.

Em relação à evolução dos reservas, também não aconteceu. Na análise de Oswaldo, os suplentes jogaram melhor contra o Boa Esporte, na estreia. Apesar disso, há pontos positivos a serem destacados. A atuação de alguns garotos que vieram da base, por exemplo. Quando Marco Túlio, Bruno Roberto e Alerrandro entraram em campo, o Galo se soltou levou mais perigo. Bruno foi o melhor deles.

- Quando a gente joga em uma situação dessas, sempre é muito difícil. Passes laterais vão acontecer, porque temos que circular a bola para tentar penetrar. Quando o campo não é muito regular, fica pior. Tínhamos que alternar jogadas de bolas longas e outras tentando pelo chão. Com os três meninos no segundo tempo, que entraram descansados, realmente conseguimos chegar mais e criamos oportunidades melhores, mas isso era uma situação prevista, a gente sabia. O Boa, lá (em Varginha), foi melhor, mais incisivo do que o Villa aqui (em Nova Lima). De qualquer maneira, lá, pelas circunstâncias do campo, jogamos melhor, criamos mais oportunidades.

Segue o planejamento

O Atlético-MG tem usado a estratégia de revezar entre o time reserva e o time titular no Campeonato Mineiro. Na estreia, com os reservas, empate com o Boa Esporte. Na segunda partida, com os titulares, vitória com sobras, por 3 a 0, sobre o Democrata. Na terceira rodada, novamente com os suplentes, derrota por 1 a 0. Se os resultados dos reservas continuarem ruins, é possível abandonar o planejamento em prol de bons resultados no estadual? Pelo que disse Oswaldo, não.

- Temos um planejamento a seguir. Precisamos de um certo tempo para condicionar todos os jogadores. Vamos seguir o planejamento. A ideia inicial, aproveitando a forma que os jogadores foram se apresentando, seguia até a Copa do Brasil. Faltam duas partidas. Vamos seguir jogando com cada equipe um jogo semanal. Vamos seguir fazendo aquilo que temos planejado, independentemente do resultado do jogo. Temos algo muito maior pela frente. Precisamos ter consciência do que estamos fazendo.

O Atlético-MG encara o Atlético-AC, pela Copa do Brasil, no dia 7 de fevereiro, no Acre. Antes disso, tem os duelos contra o Patrocinense e a URT, pelo Mineiro. Tudo indica que os titulares encarem o Patrocinense, no Independência, e os reservas joguem contra a URT, no Zama Maciel - jogo três dias antes do duelo pela Copa do Brasil, quando o Galo joga pelo empate contra o xará acreano. O time reserva, porém, pode ter mudanças para o jogo contra o time de Patos de Minas, daqui a duas rodadas.

- Claro! Isso é uma coisa que a gente pode fazer. Tem jogadores evoluindo, que podiam estar jogando, ainda não estão, porque estão submetidos a protocolos de treinamentos que são necessários. A troca de jogadores é muito natural.

Alguns jogadores citados por Oswaldo e que podem ter chances no time reserva são Carlos César, Maidana, Felipe Santana e Luan. O Galo se reapresenta nesta sexta-feira à tarde na Cidade do Galo, e inicia os preparativos para o jogo contra o Patrocinense, domingo, às 17h (de Brasília).

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte

Publicada em 09/02/2018, às 11:19

Cuca vira primeira opção do Atlético-MG para a vaga de Oswaldo de Oliveira

CLIQUE AQUI e receba notícias do Atlético direto no seu Messenger.

O Atlético-MG já está à procura do substituto de Oswaldo de Oliveira. A ideia do clube é buscar Cuca para a vaga do técnico que foi demitido na madrugada desta sexta-feira (9) na Cidade do Galo.



Campeão da Copa Libertadores da América de 2013 pela equipe de Belo Horizonte, o ex-comandante do Palmeiras já foi procurado por Alexandre Gallo, diretor de futebol, para retornar à cidade mineira.

A ideia é que o treinador feche contrato até dezembro deste ano na Cidade do Galo. Ele é o nome preferido da cúpula para a vaga. Um vínculo mais longo, no entanto, não está descartado.

Abel Braga, hoje no Fluminense, também é um nome que agrada ao presidente Sérgio Sette Câmara e ao diretor de futebol Alexandre Gallo.



A volta de Cuca ao Atlético pode acontecer quatro anos após sua saída. Depois de vencer a Libertadores pelo clube, ele renovou o contrato, mas acabou saindo devido à proposta do Shandong Luneng, da China, onde ficou até o fim de 2015.

O técnico voltou ao Brasil no início de 2016 e conduziu o Palmeiras ao título do Campeonato Brasileiro. Em 2017, ele voltou à Academia de Futebol, mas não obteve o mesmo sucesso e acabou demitido.

Conteúdo publicado originalmente no site UOL Esporte