Publicada em 23/01/2018, às 20:56

Brenner vê Botafogo em adaptação e projeta ano pessoal melhor que 2017

Atacante do Alvinegro acredita que o novo esquema do time favorece que a bola chegue até ele. Além disso, ele está motivado a fazer mais gols que o ano passado: 19 gols

Brenner tem um gol em 2018 (Foto: Divulgação)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

Início de temporada, dois jogos e dois empates do Botafogo. Para o atacante Brenner, isso tem explicação: a adaptação do Alvinegro ao esquema do novo treinador, Felipe Conceição.

CONTINUA DEPOIS DOS ANÚNCIOS





- Eu acho que o estilo dele é moderno. A gente ainda está se adaptando ao estilo dele, buscando entender algumas coisas no trabalho dele. Esse processo de assimilação não é rápido. Esperamos pegar rápido para bola chegar com mais clareza para a gente finalizar mais - comentou o camisa 9, já projetando o duelo contra o Alvianil, na quinta-feira, às 19h30, no Moacyrzão, pela terceira rodada da Taça Guanabara. O Botafogo está em terceiro no seu grupo, o C, com dois pontos.

- Temos que vencer o Macaé na quinta-feira para termos um pouco mais de tranquilidade. Pela grandeza do Botafogo, não podemos deixar o time fora das semifinais da Taça Guanabara - completou.

O camisa 9 do Botafogo, que no momento só tem a concorrência de Pachu para ser a referência no ataque, projetou um ano de gols, claro, e melhor que o anterior, quando fez 19 entre Inter e Bota. Apesar disso, não quis traçar uma meta de gols em 2018.

- Quero é melhorar ano a ano. Não traço metas, não. Pelo novo estilo de jogo, com triangulações e mais posse de bola, creio que será mais fácil para que a gente ali da frente faça gols - finalizou.

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!

Publicada em 09/02/2018, às 10:32

Cartola admite que situação do técnico Felipe Conceição é muito difícil

Jefferson fala de enorme tristeza por queda na Copa do Brasil e críticas

Felipe Conceição começa a ser contestado (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

CLIQUE AQUI e receba notícias do Botafogo direto no seu Messenger.

Os jogadores do Botafogo retomaram os treinamentos no Nilton Santos ainda juntando os cacos da vexaminosa eliminação na Copa do Brasil para a Aparecidense, de Goiás. Com viaturas da Polícia Militar na porta do estádio como precaução após os incidentes no desembarque de quinta-feira , o gerente de futebol Anderson Barros foi o porta-voz da diretoria e deixou claro que a situação do técnico Felipe Conceição é muito difícil.



Ele não garantiu o treinador no cargo nem mesmo em caso de vitória sobre o Flamengo, sábado, às 16h30, em Volta Redonda, pela semifinal da Taça Guanabara. Segundo Anderson Barros, o trabalho será avaliado dia a dia.

Com o clima pesado, o goleiro Jefferson, ídolo da torcida, foi o escalado para a entrevista coletiva. E admitiu ter ficado muito triste com as críticas após a eliminação na Copa do Brasil pelo fato de aparecer sorrindo numa imagem da TV: "O que mais doeu foi ver minha torcida duvidando do meu caráter. Como se você chegasse em casa e visse sua esposa e filhos duvidando de você. Mas, enfim, os verdadeiros torcedores não duvidam. Se fosse de outros torcedores, eu entenderia. Nem dormi praticamente."

Ele também lamentou a forma como a delegação foi recebida no Rio: "Foi muito triste, saímos como bandidos, pelos fundos. Os próprios torcedores estão repudiando quem foi lá. Isso é importante. Nós repudiamos o que aconteceu no aeroporto." Jefferson defendeu a manutenção do treinador. "A gente quer que o Felipe continue pela pessoa que é, o pouco tempo de trabalho, mas sabemos que a pressão está em cima dele. Vamos fazer do jogo contra o Flamengo a nossa vida, correndo por ele, mas também pelo Pimpão, Gilson, torcedores e nossos familiares. Vamos suar sangue para conseguir a classificação", prometeu.



Além do período de enorme pressão e instabilidade, para chegar à decisão da Taça Guanabara, o Botafogo terá que vencer o jogo de amanhã, já que o Flamengo tem a vantagem do empate.

Como mudou o esquema do time na derrota para a Aparecidense, a escalação para o clássico virou um enigma.

Conteúdo publicado originalmente no site O Dia