Publicada em 13/01/2018, às 19:01

Desejo de Valdívia é ficar no Galo, mas ressalta: "Não depende só de mim"

Emprestado até o fim do Campeonato Mineiro pelo Internacional, meia não tem presença confirmada para toda a temporada 2018

Valdívia tem contrato de empréstimo com o Atlético-MG até o fim do Estadual (Foto: Bruno Cantini/ Atlético-MG)

O ano de 2018 do meia Valdívia começa com o jogador no Atlético-MG, mas sem a certeza se terminará a temporada como atleta do clube alvinegro. Isso porque ele está emprestado pelo Internacional até maio de 2018. Como o valor para compra dos direitos é muito alto, só uma renegociação entre Galo e Inter pode fazer o meia permanecer na capital mineira por um tempo maior do que o estabelecido no contrato, até o momento.

Mesmo sem cair no gosto da torcida, Valdívia é um dos homens de confiança do técnico Oswaldo de Oliveira, que assumiu o comando do clube em outubro de 2017. Talvez por isso o interesse do meia em permanecer no Atlético-MG, mesmo sabendo que o contrato com o Galo acaba em breve.

- Tenho que fazer minha parte. Aqui ou em outro lugar, sempre vou estar jogando meu futebol, alegre e feliz. Estou pensando em fazer um bom Mineiro e que eu possa ficar mais, até o fim da temporada. Isso é o que eu mais quero, mas não depende só de mim. Tem dois anos que não fazia a pré-temporada desde o começo e está sendo muito bom.



A pré-temporada com um ritmo muito intenso dá ânimo para Valdívia de que o ano será muito bom para o Atlético-MG, principalmente após perder as preparações nos últimos dois anos.

- Preparação muito boa, com o ritmo muito intenso. É treino de manhã e de tarde todos os dias. Vamos focar para que a gente comece o ano bem e tentar chegar bem até no fim da temporada.



Se quiser permanecer no Galo, Valdívia terá que superar a concorrência mais forte no time alvinegro neste ano. A chegada de Róger Guedes e Erik, além do retorno de Carlos e Hyuri, ampliaram a disputa por um lugar na equipe titular. O meia não vê vantagem para quem chegou agora ao Atlético-MG e projeta uma disputa sadia por vaga no time.




- Chegou o Ricardo Oliveira, tem o Erik também, que é jogador de beirada, o Róger Guedes. É um grupo forte. Não quem chega vai ser titular, mas quem estiver melhor. No começo vai ter um time que vai jogar um jogo, outro que vai jogar outro, para formar uma equipe ideal. O grupo é bem forte, a briga é sadia. Isso é bom para nós e para o Atlético - completou Valdívia.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte.com