Publicada em 28/12/2017, às 14:07

Presidente do Corinthians explica acordo da Arena e ataca ex-prefeito de SP

Roberto de Andrade critica Fernando Haddad, que rebate declarações

Corinthians tem dificuldades para pagar a sua arena, em Itaquera (Foto: Marcos Ribolli)

O Corinthians voltou a pagar à Caixa Econômica Federal as parcelas do financiamento de sua arena, mas isso não quer dizer que as negociações entre o clube e o banco foram encerradas. O acordo é temporário, e o Timão tem até abril do ano que vem para apresentar garantias e definir como será o novo contrato com a empresa estatal.

A ideia de prorrogar o prazo de pagamento (fim de 2028) chegou a ser discutida, mas foi descartada. Corinthians e Caixa concordaram em fixar parcelas mais baratas nos primeiros anos de contrato e aumentar o valor gradativamente ao longo do tempo.

O clube desejava utilizar as receitas do programa Fiel Torcedor como garantia, mas o Conselho de Orientação corintiano vetou. Assim, o desfecho das tratativas deve ficar a cargo da próxima diretoria alvinegra, como explica o atual presidente, Roberto de Andrade



– Continuamos conversando. A questão das garantias não chega a ser um entrave. Estamos conversando para viabilizar uma forma que não mexa com o Fiel torcedor. Isso vai ficar para o próximo presidente, mas não porque eu queira, mas porque o assunto é complexo – declarou Andrade, cujo mandato vai até fevereiro de 2018.

O presidente do Corinthians também comentou sobre as negociações relativas aos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs) da Arena e detonou o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.




– O (ex-prefeito) Gilberto Kassab, quando saiu, havia empenhado o valor dos CIDs dentro do orçamento da prefeitura. E eu não sei por que o Haddad cometeu um crime, que foi tirar esse valor do documento.





Aqui, vale um parênteses para esclarecer que CIDs são títulos que podem ser comprados por empresas que gastam com impostos municipais. Em outras palavras, as empresas compram esses certificados em troca de abatimento do valor pago com a tributação. Neste caso, os “papéis” foram emitidos pela prefeitura como contrapartida aos benefícios à economia da Zona Leste pelo estádio e a abertura da Copa do Mundo de 2014.

O valor corrigido já ultrapassa R$ 450 milhões, mas o Timão tem dificuldades para vender os CIDs. O Corinthians pretende usar a venda para quitar parte da dívida da Arena, que é de R$ 1,2 bilhão segundo o ex-diretor financeiro do clube e quase R$ 1,8 bilhão segundo auditoria do Conselho Deliberativo.


O valor que pode ser utilizado dos CIDs pelas empresas precisa constar no orçamento. O Timão se articula politicamente, com apoio do vereador Eduardo Tuma (PSDB), para que R$ 350 milhões estejam na previsão de 2018.

– Ninguém está pedindo para colocar no orçamento tudo de uma vez só. A Prefeitura não tem condições e nem vai fazer isso, ainda mais em um mandato novo, de um prefeito que não foi quem deu os CIDs – argumenta Roberto de Andrade.

Por meio de nota, a assessoria de imprensa do ex-prefeito Fernando Haddad rebateu as críticas do presidente corintiano. Confira abaixo:

O presidente Roberto Andrade sabe que os CIDs, por conta de um questionamento do Ministério Público, tornaram-se títulos instáveis. Nada a ver com a Prefeitura ou com o ex-prefeito Fernando Haddad. Sabe também que o prefeito rejeitou a proposta indecorosa e imoral do Corinthians (Via Andrés Sanchez) e de diretores da Odebrechet, para que a Prefeitura recomprasse as CIDs pelo valor de rosto. A questão do orçamento é um mero detalhe. Os títulos têm valor de rosto e só podem ser resgatados para pagamentos de impostos municipais ou de dívida ativa. Consequentemente com impacto relativo no orçamento. Até onde se sabe, a única empresa que ser mostrou interessada em comprar as CIDs foi mesmo a Odebrechet. Não é possivel que o presidente do Corinthians, Roberto Andrade, esteja desinformado sobre isso. Portanto, não há que se acusar o prefeito Fernando Haddad de ter cometido um crime, um pecado, um equívoco, ou seja o que ele imagina.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte