Publicada em 22/12/2017, às 19:07

CEP descarta parcelamento de multa rescisória de Jair e alfineta o Santos

Presidente do Botafogo indicou que rejeitará também empréstimo de jogadores do clube paulista para amenizar os R$ 860 mil que tiram o treinador do Glorioso

O treinador Jair Ventura tem o trabalho constantemente elogiado pelo presidente do Botafogo (Foto: Reprodução)

Ao que tudo indica, a definição da permanência ou não do treinador Jair Ventura no comando do Botafogo ficará para o fim de semana ou depois do Natal e não mais para esta sexta-feira, como ainda se espera. Apesar da indefinição, o presidente do Alvinegro, Carlos Eduardo Pereira demonstra tranquilidade e até cutucou o Santos, que fez uma proposta ao, pelo menos por agora, técnico do Glorioso.

- Não estou preocupado. Já me preocupei com muitas coisas. Essa não é motivo. O Santos é que tem que se preocupar. Um clube que não tem R$ 860 mil para pagar uma multa não deveria estar assediando treinador dos outros. Não adianta pedir para parcelar ou trazer jogador - comentou o mandatário do Botafogo, que deixará o cargo no próximo dia 2, quando assume Nelson Mufarrej, atual vice-geral do time.

Como bem lembrou o presidente, para tirar Jair Ventura do Botafogo, o Santos ou qualquer outro clube, terá que pagar a multa rescisória, mas o time paulista tem dificuldades financeiras, reconhecidas pelo próprio mandatário do Alvinegro praiano. O Glorioso apresentou uma contraproposta: contrato até 2020 e aumento salarial.



- A situação é muito clara: existe uma multa e um contrato que vai até dezembro de 2018. Se alguém quiser pagar a multa e acertar com o Jair, legal, bacana, fez. Se não pagar a multa, o contrato vai até dezembro de 2018. Ponto. Se ele não quiser renovar o contrato, permanece com o contrato atual em vigor, até alguém pagar a multa - finalizou CEP, ao LANCE!

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!