Publicada em 21/12/2017, às 12:27

Tri do Brasileirão do Vasco faz 20 anos: show de Edmundo e início de era gloriosa

Atacante viveu seu auge e bateu recorde de gols no título nacional do Cruz-Maltino. Até 2000, clube ainda ganhou Libertadores, Carioca, Rio-São Paulo, Mercosul e outro Brasileirão

(Foto: Reprodução)

Há 20 anos, em um Maracanã completamente lotado, o Vasco comemorava o seu terceiro título brasileiro após empatar em 0 a 0 com o Palmeiras. Uma conquista importante, que teve como grande estrela Edmundo em um ano espetacular, liderando um elenco com grandes talentos como Carlos Germano, Mauro Galvão, Juninho, Ramon, Felipe, Pedrinho e Evair. Tudo comandado pelo técnico Antônio Lopes. O tri da competição nacional foi o começo de um dos períodos mais vitoriosos da história do Cruz-Maltino, que até 2000 ainda ganhou Libertadores, Carioca, Rio-São Paulo, Mercosul e mais um Brasileirão.

- Acho que foi um marco, porque tudo dependia desse começo. Quando a gente conquistou aquele título, a confiança voltou para o time e para o clube, e se pode buscar outro projeto, que era o título da Libertadores. Se iniciou um ciclo vitorioso de 1997 a 2000 - disse o zagueiro Mauro Galvão, um dos destaques do título.

A montagem do elenco tricampeão brasileiro começou em 1996, com o retorno de Edmundo, que estava em baixa no Corinthians, além de alguns bons talentos da base, como o lateral-esquerdo Felipe e o meia Pedrinho. Porém, o time terminou mal o campeonato daquele ano e só deu sinais que iria emplacar no Carioca de 97, quando perdeu a final para o Botafogo. Depois deste torneio, chegaram nomes mais experientes como Mauro Galvão, Evair e Válber. Segundo Galvão, essa mescla foi importante para o título.



- O time já tinha uma base, que vinha jogando o Carioca. Eu estava no Grêmio nessa fase. Conhecia alguns companheiros, como Luizinho, o Carlos Germano, Edmundo, o Juninho e Ramon também já tinham um certo destaque. Tinham alguns jogadores que ainda estavam em início de carreira, que vinham da base e entraram muito bem, como o Felipe, Pedrinho, Maricá, o próprio Luiz Cláudio. Com minha chegada, do Evair, do Válber, do próprio Nasa, eu acho que o time ficou um pouquinho mais experiente. Assim a gente ficou com uma boa mescla - disse o zagueiro.

Após começar a campanha com uma derrota e um empate, o Cruz-Maltino emplacou cinco vitórias seguidas, sendo duas delas em clássicos, contra Flamengo e Fluminense. No entanto, a equipe ainda era irregular fora dos seus domínios. Por isso, Mauro Galvão conta que o time só teve certeza que poderia brigar pelo título quando venceu a Portuguesa por 2 a 1, de virada, em São Paulo, na 16ª rodada.



- Nós tínhamos um problema naquela equipe, porque em casa éramos fortes e fora tínhamos dificuldades. No momento em que ganhamos a partida contra a Portuguesa lá, nós percebemos que nosso time estava ficando mais forte, não só na parte técnica, mas também na tática, mentalidade. Ali nosso time percebeu que poderia brigar pelo título - comentou.




O experiente zagueiro estava certo. O Vasco terminou a competição na liderança, com 54 pontos. No quadrangular final, tinha pela frente Flamengo, Juventude e Portuguesa. O Cruz-Maltino passou por essa fase invicto, com quatro vitórias e dois empates, com direito a uma goleada de 4 a 1 no Rubro-Negro, com show de Edmundo.

Na final, o Vasco encarou o Palmeiras, que sob o comando de Felipão, também tinha um grande time, com Velloso, Roque Júnior, Júnior, Alex, Zinho, Euller e Viola. Em dois duelos de fortes emoções, ambos com o placar de 0 a 0, o Cruz-Maltino ficou com o título por ser o dono da melhor campanha da competição. Festa da torcida vascaína, que ainda iria comemorar muito nos próximos anos.


Edmundo vive o auge, com direito a recordes

Edmundo teve uma participação especial na conquista de 1997. Tido como fora de série na conquista do tricampeonato, fez gols importantes que fazem companheiros de conquista no Vasco classificarem como 'melhor fase da carreira'. Estes gols foram feitos das mais diversas formas, como de pé, cabeça e falta.

- Acho que foi a melhor fase da carreira dele, porque naquele campeonato ele fez de tudo, com o pé, batendo com as duas pernas, de cabeça, de falta. Ele fez uma competição fora de série. Para nós foi muito bom, tiramos proveito dessa grande fase dele. Para ele também foi um ano importante, porque depois saiu para fora do país. Chamou muita atenção, bateu recorde na artilharia do campeonato - lembrou Mauro Galvão ao LANCE!.

A dupla de ataque formada pelo próprio Edmundo ao lado de Evair também foi importante para a grande fase do camisa 10 vascaíno. Edmundo nessa temporada bateu o recorde de gols feitos na mesma edição do Brasileirão à época. Foram 29 gols, superando a marca histórica de Reinaldo, que havia marcado 28 gols em 1977. Mauro Galvão lembrou desta da dobradinha, que já tinha dado certo no Palmeiras alguns anos antes.

- Foi muito importante também a participação de Evair. Essa dupla que já tinha jogado junta no Palmeiras. Eles reeditaram e deu muito certo.

Outro recorde que ainda foi quebrado por Edmundo pelo Vasco em 1997. Ele foi o jogador que mais marcou gols em uma só partida: foram seis na vitória sobre União São João de Araras por 6 a 0. Uma curiosidade desta partida: poderia ter sido sete gols, ele acabou perdendo uma penalidade.

Detalhes da campanha

Chegadas importantes

Um fato importante para o título brasileiro aconteceu após a perda do Carioca. Nomes essenciais para a conquista chegaram em São Januário, como Mauro Galvão, Evair, Válber, Nasa e Odvan.

Sem derrota para rivais

O Vasco não perdeu nenhum clássico para no Brasileirão de 97. Na primeira fase, bateu o Flamengo e Botafogo por 1 a 0, e o Flu por 3 a 1. No quadrangular final, empatou em 1 a 1 com o Rubro-Negro e depois goleou o rival por 4 a 1.

Goeada em São Januário

Durante a campanha, o Cruz-Maltino tem uma sonora goledada contra o União São João-SP. Os seis gols foram marcados por Edmundo, que ainda perdeu um pênalti na partida

Recorde de gols de Edmundo

Vivendo grande fase, o atacante bateu o recorde de gols em uma mesma edição do Brasileiro até então, ao anotar 29 gols em 33 jogos. O recorde anterior era de Reinaldo, do Atlético-MG, que fez 28 gols nos 18 jogos do Campeonato Brasileiro de 1977. Edmundo alcançou o feito justamente na goleada por 4 a 1 contra o Fla, quando o Animal deu show e fez três gols

Imbróglio com Germano

Destaque do time, Carlos Germano não começou o Brasileiro por conta da negociação da renovação do seu contrato. O jogador chegou a treinar no Flu, mas depois se acertou com o Cruz-Maltino. Caetano começou os dois primeiros jogos, mas depois de falhas, perdeu a vaga no time para Márcio, que foi bem até Germano retornar.

Edmundo expulso

Uma polêmica do campeonato aconteceu justamente na decisão. Na primeira partida, em São Paulo, Edmundo estava pendurado e levou o terceiro amarelo. Assim, ele ficaria suspenso para a grande final. Porém, o atacante foi expulso no fim do duelo e atuou no segundo jogo por causa de um efeito suspensivo.

Conteúdo publicado originalmente no site Lance!