Publicada em 14/12/2017, às 10:29

400 km a menos e vitrine para Europa: por que Scarpa vê Palmeiras como boa opção

Meia-atacante está próximo de deixar Fluminense para vestir camisa alviverde em 2018

Meia-atacante pode acertar com o Palmeiras ainda nesta semana (Foto: Lucas Merçon/Fluminense)

Fechar com o Palmeiras, seu destino mais provável neste momento, em negócio envolvendo troca de jogadores, é uma opção muito bem-vinda para Gustavo Scarpa. Primeiramente porque, se deixar o Fluminense e acertar com o clube paulista, ele ficaria muito mais perto da família, que mora em Hortolândia, a cerca de 110 km de São Paulo. Uma reunião nesta quinta-feira pode encaminhar o acordo.

Quando quer fazer uma visita ao filho no Rio de Janeiro, o pai do meia, José Luiz Scarpa, conhecido por Zezo, não pega um voo no Aeroporto de Viracopos, na vizinha Campinas, cidade natal do meia de 23 anos. Em vez disso, enfrenta de carro 510 km de estrada – distância que seria muito menor com o filho no Palmeiras. A namorada também é da região.

Por ser caseiro, segundo pessoas próximas, o jogador não sentiria falta de nada em São Paulo em relação ao que tem à disposição no Rio de Janeiro.



Temporada atípica e vitrine para o futuro

Soma-se a isso o desejo de jogar um dia na Europa. Com a camisa do Palmeiras, um dos clubes de melhor condição financeira atualmente no mercado brasileiro, Scarpa poderia chamar atenção de grandes times do exterior, sobretudo disputando a Libertadores.



A ideia de deixar o Fluminense, com o qual tem contrato até setembro de 2020, se explica pelo ano atípico. Pela primeira vez, ele enfrentou críticas da torcida. No empate com o Bahia, no segundo turno do Campeonato Brasileiro, não comemorou gol depois de receber vaias.




Negociação bem encaminhada

Apesar do interesse de rivais, em especial do São Paulo, que teve proposta recusada pelo Fluminense e praticamente saiu da negociação, o Palmeiras é neste momento o destino mais provável de Scarpa. A ideia é fechar acordo de empréstimo por duas temporadas.


Nenhum dos lados confirma, mas o meia Hyoran e o atacante Róger Guedes devem ser cedidos, também por empréstimo, como compensação. O lateral-direito Lucas, que já atuou emprestado nesta temporada, pode seguir no Rio de Janeiro.

Os empresários Bruno Paiva e Marcelo Goldfarb, da OTB Sports, agência que gerencia sua carreira, devem se reunir com o jogador e seu pai nesta quinta-feira para definir seu futuro.

Conteúdo publicado originalmente no site GloboEsporte