Publicada em 12/12/2017, às 10:13

Grêmio dá “recado sincero” ao Pachuca e tem tática para não pensar no Real Madrid

(Foto: FOX Sports )

Nesta terça-feira (12 de dezembro) o Grêmio faz sua estreia no Mundial de Clubes da Fifa e terá pela frente na semifinal o Pachuca-MEX, que nas quartas derrotou por 1 a 0 o Wydad Casablanca-MAR. Se passar, pode fazer aquele que é considerado o “confronto do ano” pela torcida gaúcha, enfrentando o Real Madrid na grande decisão. Antes, os espanhóis também têm compromisso nas semis contra o Al-Jazira, equipe dos Emirados Árabes que tem o ex-corintiano Romarinho no elenco.

Apesar de toda a expectativa que ronda um possível duelo dos Merengues, o técnico do Tricolor Imortal Renato Gaúcho prega uma postura de bastante parcimônia. Nesta segunda-feira (11), na entrevista coletiva antes do confronto contra os mexicanos, o treinador campeão da última Conmebol Libertadores Bridgestone afirmou que não vê um duelo tão fácil assim nesta terça, em Al-Ain.

Renato ressaltou que neste momento a cabeça do Grêmio está totalmente voltada para o duelo de estreia e que, antes de se falar em Real Madrid, se deve ter atenção com o Pachuca, algo que ele tem pedido muito nos últimos duas para o grupo, como forma de ter seus jogadores focados para a competição como um todo, não pensando exclusivamente nos espanhóis.



“Tenho conversado com o grupo isso desde a chegada, temos caras experientes. Para chegar em final, tem que passar na semifinal. Não adianta falar em Real Madrid se nem passamos a semifinal e nem se eles vão passar. O que temos assistido é o Pachuca, é o Pachuca. Se acabar esse jogo vamos pensar depois. É um jogo difícil, não adianta pensar que vai passar. Acho que a gente precisa analisar o nosso adversário e não em 90 minutos. É o jogo da vida deles, mas será o nosso também. Estudamos muito e conhecemos muito do adversário. Só pensamos em Pachuca, no momento que acabar o jogo vamos ver o que aconteceu e pensar no próximo adversário”, começou falando Renato.

Perguntado sobre a postura que o Grêmio terá em campo, o treinador comparou bastante o futebol mexicano ao brasileiro, lembrando que no país da América do Norte também há alegria em campo, assim como ofensividade.



“Futebol mexicano é alegre, ofensivo, parecido com o do Brasil. Eu sempre gostei do futebol mexicano, e acho que isso é recíproco, os mexicanos sempre gostaram do futebol brasileiro. Temos na final o Pachuca, que é um osso duro, uma carne de pescoço”, continuou o treinador.




Por último, Renato ainda mandou um “recado sincero” para o Pachuca. Por detrás de todo o respeito que o Grêmio tenta mostrar pelos adversários, também haverá uma preocupação em sem impor dentro das quatro linhas.

“Eu volto a repetir, é um jogo disputado para nós, assim como foi para eles. Vamos respeitá-los, mas procurar nos impor. Viemos para ganhar, e o Grêmio sempre pensou grande: com todo respeito ao nosso adversário, o Grêmio pensa grande”, completou.


Esta é a terceira vez na história que o Grêmio disputa um Mundial de Clubes, sendo o primeiro deles sob organização da Fifa, que rege a competição desde os anos 2000. Até aqui, os gaúchos levantaram a taça em uma única oportunidade, em 1983, quando derrotaram o Hamburgo, em Tóquio, no Japão, com vitória por 2 a 1 na prorrogação. Os dois gols foram anotados por Renato, jogador do clube na época. A taça, foi erguida pelo capitão, na época, o uruguaio Hugo de León.

Conteúdo publicado originalmente no site Fox Sports