Publicada em 06/12/2017, às 18:50

Torres fica surpreso com saída: "Quando a meta é baixa, fica difícil melhorar"

Gerente de futebol avalia trabalho e demissão do Fluminense. Em um ano, trabalhou ao lado de Abel Braga. Ele confia em melhora do Tricolor em 2018

(Foto: Mailson Santana / FluminenseFC)

Pouco menos de um ano após ser apresentado como gerente de futebol, Alexandre Torres foi demitido do Fluminense. A saída do dirigente deu o pontapé inicial para a reformulação do departamento. Surpreso mas não magoado, ele avaliou o trabalho em entrevista ao GloboEsporte.com.

LEIA MAIS

- Palmeiras descarta envolver Guerra em negócio por Scarpa; veja qual o "plano" do Verdão

- Negociações não avançam, e Fluminense desiste de contratação para 2018

- Fluminense pode ter primeiro nome garantido em 2018 para a lateral-direita, afirma jornal

- Flu quer negociar em definitivo dois jogadores emprestados em 2017

- Leia mais notícias sobre Fluminense em www.futnet.com.br/fluminense




Torres assumiu o cargo, segundo ele, com o planejamento já feito. Pelo presidente Pedro Abad, pelo então vice de futebol Fernando Veiga e pelo gerente da base Marcelo Teixeira. Para o ex-zagueiro, as dificuldades financeiras foram o maior obstáculo.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



- Hoje tenho a convicção de que, ao se traçar uma meta baixa, fica difícil melhorar - avaliou.

Torres ainda não sabe qual será o futuro. Mas tem uma certeza: cumpriu o que foi determinado. Confira abaixo a íntegra da entrevista.



Qual foi o motivo da demissão?
Para saber o motivo, tem de falar com a direção, com o presidente, com o Marcelo Teixeira e com o Marcos Vinícius. Acredito que eles acharam que o meu trabalho não foi bem feito. Ele não me falaram isso, me deram uma explicação. Só que eu prefiro não comentar.

Ficou surpreso?
Fiquei um pouco. Sei que o futebol é assim e que o resultado, realmente, não foi o esperado. Quando o time não tem o resultado, a lógica é de ter mudanças. Procurei fazer o melhor, havia um planejamento traçado em janeiro. E fiz ao pé da letra. Cometi os meus erros pois não sou perfeito. Me mantive fiel, fiz com honestidade, cumpri com a minha obrigação, com os meus horários... Segui o que o clube traçou, mas o resultado não aconteceu. E houve o entendimento de fazer mudança.





Qual era o planejamento?
Falarei de forma rápida e resumida o que foi traçado. Não iríamos investir muito pelas dificuldades financeiras, precisaríamos vender um ou dois. Dentro dessa realidade, a ideia era fazer um bom Carioca, uma boa Primeira Liga, manter o time na Série A. Ou seja, disputar da melhor maneira possível todas as competições. Com um detalhe: enxugar a folha de pagamento do clube. Eu acho que isso foi alcançado.

Ficou magoado?
De maneira nenhuma. Tenho 37 anos no futebol. É a primeira vez que sou dispensado. Nunca fui dispensado como jogador, como auxiliar, como olheiro. É um sentimento estranho. Nem quero falar muito para não dar impressão errada. Futebol é assim. Tenho a minha responsabilidade. A mudança é normal.

O que não deu certo?
Na verdade, as metas traçadas foram cumpridas. Hoje tenho a convicção de que, ao se traçar uma meta baixa, fica difícil melhorar. Não foi dito explicitamente que a meta era não cair. Mas sempre se disse em fazer um campeonato sem sustos. Se a meta fosse ser campeão, as pessoas passariam a acreditar. Se dá um gás a mais quando se está longe da meta. Isso influencia, isso contagia todo mundo.

Relação com Abel
Ele foi contratado antes da minha chegada. Não foi o treinador que ajudei a escolher. Sem dúvida, porém, foi o melhor que o Fluminense poderia ter escolhido. É experiente, vitorioso e aguenta a pressão. Ele dispensa comentários.

Ele foi meu treinador, eu tinha um bom relacionamento na época, mas sem frequentar a casa. A gente estreitou a amizade e ele sabe o trabalho que eu fiz. Eu comuniquei que tinha sido desligado, falamos rapidamente. O trabalho vai continuar. Apesar de tudo, plantei uma sementinha. Tenho certeza que o ano que vem vai ser melhor. Jogadores terão aumento de rendimento e o Abel saberá conduzir as coisas.

Dificuldades
Isso faz parte do trabalho. Sabia que ia ser assim. Desde o começo do ano, se apontou a dificuldade financeira. Os jogadores sabiam. A gente falava disso, o meu trabalho era dar satisfação a eles sobre isso. Isso foi feito, assim como tudo o que foi traçado no começo. Não vou reclamar disso. Pelo contrário, sempre busquei atacar o problema. Tenho certeza de que eu fiz.

Futuro
Não estava preparado para isso. Não quero fazer nada com pressa. Vou esfriar a cabeça, falar com a família e amigos. Com certeza, fico no futebol. Só queria agradecer à torcida pelo apoio. Ela é fundamental para o clube melhorar.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte