Publicada em 15/11/2017, às 13:18

Experiente, moderno e vitorioso: após acesso, Inter traça perfil de técnico para 2018

Vice de futebol Roberto Melo admite que características desejadas são delicadas de encontrar em apenas um profissional e deixa aberta possibilidade para montar grupo

Vice de futebol Roberto Melo tem perfil de treinador traçado (Foto: Eduardo Deconto)

A obrigação está concretizada. O Inter voltou à elite do futebol brasileiro após o empate em 0 a 0 com o Oeste na noite de terça-feira, em Barueri. Agora, precisa encontrar um técnico para conduzir o time em 2018 e seguir entre os grandes. E já há um perfil que a direção busca: alguém com rodagem, mas que conheça as novas tendências do futebol.

A combinação de fatores não é fácil de ser encontrada, admitiu o vice de futebol Roberto Melo. Ainda mais após as experiências com Antônio Carlos Zago e Guto Ferreira. Durante a turbulenta Série B, o Inter acaba o ano com o auxiliar Odair Hellman como interino.

Até por isso – e para não correr o risco de um novo rebaixamento – a cúpula colorada trabalha para não repetir erros. Melo garantiu que não abriu conversas com nenhum profissional, mas buscará uma equação para montar a melhor comissão técnica.



– O ideal seria alguém experiente, vitorioso, atualizado, com metodologias modernas, tendo ido para fora e também no Brasil. Mas, se você olhar quem tem essas caracteríscas, cabe em uma mão. E todos estão empregados. Talvez não consigamos todas as qualidades. Precisamos montar uma estrutura para dar o suporte e uma comissão mais próxima do ideal – comentou Melo em entrevista coletiva na Arena Barueri.

A declaração do dirigente abre a porta para montar um estafe qualificado a ponto de conduzir o Inter em uma próxima temporada que dê orgulho e tranquilidade aos torcedores. O questionamento também se dirigiu ao nome do profissional. Apesar das especulações diante dos nomes de Roger Machado e Abel Braga, os mais fortes até o momento, o vice de futebol tratou apenas de reconhecer a parcela de contribuição de Guto Ferreira e do interino Odair Hellmann.



– Vi muitas coisas, mas posso garantir que estávamos muito focados no acesso. Conseguimos. Ainda não conversamos, muito menos fechamos com qualquer treinador. Preciso reconhecer o trabalho do Guto. Aquela arrancada de 11 vitórias em 13 partidas. Tem grande participação. Valorizar o Odair, que tem luz, estrela. No momento certo, difícil, ele soube chegar e, em dois dias, organizar e mobilizar a equipe – declarou.




Atualmente no Fluminense, Abelão tem um elo próximo ao presidente Marcelo Medeiros e Roberto Melo, com quem já trabalhou em 2014. O líder das conquistas da Libertadores e Mundial em 2006 ainda está vinculado aos cariocas por mais um ano. Roger está sem clube desde que deixou o Atlético-MG. Apesar da ligação com o Grêmio, não se oporia ao desafio no Beira-Rio.

Enquanto pensa no futuro treinador, o Inter comemora o acesso. Com o empate em 0 a 0 com o Oeste, soma 65 e ocupa a segunda posição na Série B. Na próxima rodada, o time enfrenta o Goiás. A partida será disputada às 17h deste sábado, no Serra Dourada, em Goiânia.


Fonte: Globoesporte.com
Clique para ver a matéria no site fonte