Publicada em 05/11/2017, às 15:15

Recebido por multidão, Guerrero chega a Lima para reunião com Federação Peruana

Suspenso por 30 dias pela Fifa devido à exame antidoping, atacante do Flamengo viaja acompanhado por um advogado e um bioquímico. Centenas de peruanos recepcionam o atleta no aeroporto

Guerrero na chegada a Lima (Foto: Reprodução / Diário Correo)

Poucas horas após deixar o Brasil, Guerrero desembarcou na manhã deste domingo, em Lima, no Peru. No aeroporto Jorge Chávez, uma multidão recebeu o atacante do Flamengo, que teve um resultado analítico adverso no exame antidoping, após partida contra a Argentina, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. O atleta está suspenso preventivamente pela Fifa por 30 dias.

O atacante do Flamengo deixou rapidamente o aeroporto, escoltado por seguranças. Ele chegou a seu país acompanhado pelo advogado Pedro Fida e pelo bioquímico Luiz Claudio Cameron. Uma reunião nas próximas horas com a Federação Peruana de Futebol terá a missão de entender por que o teste antidoping teve um resultado analítico adverso.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



O exame detectou na urina de Guerrero a substância Benzoilecgonina, principal metabólito da cocaína. A pena prevista para casos como este é de quatro anos. Enquanto o caso não é julgado, o atacante foi suspenso por 30 dias pela Fifa. Agora, o camisa 9 do Flamengo quer provar ser inocente - sua defesa já pediu, inclusive, a abertura da contraprova do teste antidoping.

Em Lima, Guerrero e o advogado dele vão se reunir com a Federação Peruana de Futebol na tarde deste domingo. Durante o processo, Guerrero terá a oportunidade de apresentar seus argumentos ao Comitê de Disciplina da Fifa e pode até mesmo ir à Suíça. Isso, entretanto, não é o que ocorre em todos os casos. A defesa do atleta ou o painel do comitê que julga situações assim podem solicitar a audiência.

A ida de um bioquímico a Lima é vista pela defesa de Guerrero como parte importante da estratégia para que o jogador não seja punido em quatro anos. O profissional vai tentar identificar de onde veio a substância encontrada na urina do atleta. Além disso, analisará toda a documentação técnica e química das análises laboratoriais para verificar se há irregularidades.



Fonte: Globoesporte.com
Clique para ver a matéria no site fonte