Publicada em 02/11/2017, às 16:45

Da tensão às lágrimas: torcida do Grêmio vive noite de Copa e sonha com o tri

GloboEsporte.com vai para o meio da galera e registra as principais reações dos mais de 50 mil gremistas que tomaram a Arena no jogo que deu ao Grêmio a vaga na final da Libertadores

Torcedor deixa nítido o emblema da vaga na final com a reação ao fim da partida (Foto: Eduardo Deconto)

A vantagem dos 3 a 0 aplicados fora de casa no jogo de ida – a maior das vantagens obtida por um visitante em uma semifinal da Libertadores – era um prenúncio de uma noite de festa aos mais de 54 mil gremistas que tomaram as arquibancadas da Arena na noite de quarta-feira. O estádio gremista, de fato, pulsou ao longo de 90 minutos... De apreensão. De nervosismo. De sofrimento, graças à derrota do Tricolor por 1 a 0 para o Barcelona-EQU. Um misto de sentimentos exorcizados com um grito uníssono ao fim da partida, em uma espécie de desabafo com a vaga na quinta final da história do clube na competição continental.

Uns celebraram às lágrimas, beirando a incredulidade, entre abraços e socos no ar. Outros fizeram ressoar o cântico costumeiro "Vamos, Tricolor! Queremos a Copa" e até o bordão mais recente "Vamos acabar com o planeta". Não importa como: o imaginário de todos conseguiu vislumbrar o sonho do tri a um palmo – ou a dois duelos ferrenhos com o Lanús – de distância.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



Mas o sonho foi alimentado com sofrimento. Alguns torcedores, ainda na esplanada da Arena, já alertavam para os perigos da partida, inspirados no rival da final, que reverteu uma desvantagem de três gols em questão de minutos para uma classificação épica sobre o River Plate, na noite anterior.

Nas arquibancadas, os gremistas deixaram a cautela aos comandados de Renato Portaluppi e demonstraram sua confiança na explosão de cada cântico... Até o gol de Jonatan Álvez, já no final do primeiro tempo, dar notas de tensão e preocupação à festa gremista.

Cícero tentou um par de vezes. Edílson viu seu cruzamento ser repelido pelo zagueiro. Jael também teve sua chance, mas a bola teimou em não entrar graças à trave, que minutos antes impediu o gol de Esterilla, para um suspiro aliviado dos gremistas. Cada lance de ataque, por sua vez, veio acompanhado do "uh" e dos lamentos dos torcedores.

O 3 a 0 do jogo de ida até permitia certa tranquilidade, com a "folga" de poder levar um gol e, ainda assim, avançar à final. Mas a tensão só se dissipou a partir dos 40 do segundo tempo. Para dar lugar à festa que ainda ecoa nas bandas do Humaitá.

A partir de agora, o Grêmio se foca no Lanús, adversário da grande decisão da Libertadores. O primeiro jogo está marcado para 22 de novembro, na Arena. A grande final será dia 29, na Argentina. Antes disso, no entanto, o Tricolor pega o Flamengo, no domingo, às 17h, novamente em casa, pela 32ª rodada do Brasileirão. Mas a cabeça dos gremistas, claro, está no tri da América.

Fonte: Globoesporte.com
Clique para ver a matéria no site fonte