Publicada em 24/10/2017, às 22:38

Sem Odílio e mais jogos no Pacaembu: oposição do Santos tem nova chapa

Grupo O Santos que Queremos tem Nabil Khaznadar como candidato a presidência e Fabio Pierry como candidato a vice

Nabil Khaznadar, à esquerda, e Fabio Pierry, à direita (Foto: Russel Dias)

Mais uma chapa de oposição confirmou a intenção de concorrer à eleição presidencial do Santos na noite desta terça-feira. O grupo O Santos que Queremos terá Nabil Khaznadar como candidato à presidência e Fabio Pierry como candidato a vice.

Entre as principais propostas estão o compromisso em assumir a administração do Pacaembu para mandar mais de 50% dos jogos em São Paulo e mudar o estatuto do clube para ter capitais abertos e a possibilidade de vender porcentagem como ações.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



- O que queremos fazer é preparar o clube para poder vir a ser uma empresa preparada para ter aporte internacional. Podemos vencer até 49%. Temos que fazer o que o resto do mundo está fazendo. Vai chegar no Brasil também e temos que ser pioneiros. Outra questão é: o Santos tem que fazer parte de uma nova liga, sair da mesmice da CBF. O futebol está carente. Se for ao estádio, sente a falta de um espetáculo. Quem cuida do futebol não são os clubes e nós temos que criar uma liga.

- A intenção é jogar mais de 50% no Pacaembu. O Santos não pode jogar para 8 mil pessoas. Temos que trazer receita e o maior patrimônio é a torcida. Precisamos voltar ao cenário nacional, para isso, tem que jogar no Pacaembu. Outra coisa é levar os jogos para o Pacaembu. Não pode viver para 7 mil pessoas. Estamos em conversas com o João (Dória, prefeito de São Paulo) para estender a licitação para depois da eleição. Se vencermos, vamos pedir para cuidar do Pacaembu. Separar o estádio do clube. O Pacaembu tem despesas para a Prefeitura. Queremos separar o estádio do complexo aquático. - disse Nabil Khaznadar.

Em 2014, Nabil era o candidato da situação da administração de Odílio Rodrigues. No entanto, agora, o ex-presidente não deve participar do pleito.



- Não vejo o Odílio há três anos. Não conto com o apoio dele, não vai participar da gestão em caso de vitória. Temos que pensar no futuro. As pessoas batem na tecla do passado. Temos que pensar no futuro a partir de 2018 - pontuou.

Nabil Khaznadar conta com apoio de Walter Schalka, CEO do Grupo Suzano e ex-membro do Comitê de Gestão de Luis Alvaro, além de Celso Jatene, vereador de São Paulo.

A eleição ocorre no dia 9 de dezembro e deverá ter quatro candidatos: Nabil Kahznadar, José Carlos Peres, Andres Rueda e Modesto Roma Júnior, este que tenta a reeleição.

Fonte: Lance!
Clique para ver a matéria no site fonte