Publicada em 15/10/2017, às 21:43

Após dormir no Z-4, Abel festeja alívio: "Graças a Deus foram poucas horas"

Treinador reclama de vaias de parte da torcida para Nogueira, lamenta erros em contra-ataques diante do Avaí, mas elogia: "A atuação foi boa"

(Foto: Nelson Perez/Fluminense FC)

O Fluminense respirou aliviado no Campeonato Brasileiro neste domingo. Depois de 55 dias e seis rodadas, o Tricolor venceu o Avaí por 1 a 0, chegou aos 35 pontos e pulou para a 12ª posição - pode ser ultrapassado por Vitória, que enfrenta o Santos nesta segunda-feira. De sábado para domingo, a equipe do técnico Abel Braga chegou a dormir na zona do rebaixamento após o triunfo do São Paulo sobre o Atlético-PR. Mas como o próprio comandante frisou, foram apenas algumas horas.

- Eram seis jogos sem vencer, entramos na zona do rebaixamento ontem pela primeira vez. Mas graças a Deus foram poucas horas. Pulamos de 17º para 11º. Mas foi complicado. Para mim está sendo muito complicado. No jogo passado tive que tirar dois por contusão, por cansaço: Gum e Marcos Júnior. Hoje eles até suportaram um pouco mais, só que no intervalo nos já sabíamos que teríamos de queimar duas substituições por problemas médicos. Depois ainda veio a terceira (Renato). Mas a atuação foi boa - frisou o treinador.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



O Fluminense volta a treinar na tarde desta segunda-feira, no CT Pedro Antônio. Na quarta, o adversário será o São Paulo, às 21h45 (de Brasília), novamente no Maracanã.

Confira outras respostas de Abel:

PODERIA TER SIDO MAIS FÁCIL

- A atuação foi boa. No segundo tempo o Avaí foi perigoso, mas o Diego só defendeu uma bola que foi em cima dele. Tiveram a posse, se atiraram, nos deram contra-ataque... Poderíamos ter feito o resultado no primeiro tempo. Erramos muito em alguns contra-ataques, não fizemos a melhor opção. Na etapa final, erramos os passes. O Avaí não tinha mais nada a perder.

PEDIDO PARA A TORCIDA

- Quando a torcida foi no areoporto após o jogo contra o Grêmio, foram educados, mostraram preocupação. Eu fui intermediário, fiquei feliz com o termo que usaram. "Abel, você é o nosso representante". Agora, vamos lá: se o Gum não joga, entraria o Renato Chaves, jogador experiente, que vinha bem. Mas quando perdi o Gum nos minutos finais, vou colocar o cara que está há dez jogos parado ou quem jogou na quinta? Aí o torcedor me quebra ao vaiar o Nogueira, é incoerência. Na frente, o (Matheus) Alessando é mais arisco, Robinho é mais experiente. Posso ter errado, mas tem esse momento que tem de levar em consideração algumas coisas. Torcida deu um show, mas agora é o representante que está falando: não vaia o cara que vai entrar faltando dez minutos...

ANÁLISE DA VITÓRIA

Mais uma vez o Richard foi muito bem. Você passa um jogo sem sofrer gols, volta a vencer... Antes do jogo falei para os meus jogadores: ''O futebol é muito parecido com a vida''. E um dos grandes lances da vida é quando você levanta. O segundo grande lance é quando você lembra do primeiro. Tem que levantar sempre. Citei depois do Fla-Flu, estávamos na cama, não conseguíamos levantar. Que virose é essa de seis jogos? Claro que sai um peso. Mas não apenas por jogar bem ou mal. Mas porque o emocional fica mais leve.

Fonte: Globoesporte.com
Clique para ver a matéria no site fonte

Leia Mais
- Abel Braga ganha força no Palmeiras e torna-se o favorito para 2018
- Alívio e tristeza: Dourado avalia fim da ameaça do Z4: 'Que fique de lição'
- Marquinho sofre ruptura do tendão patelar e fará segunda cirurgia em 2017
- Sob vaias e protestos, Fluminense vence, se alivia e se garante na elite
- Leia mais notícias sobre Fluminense em www.futnet.com.br/fluminense

Mais sobre - Fluminense