Publicada em 11/04/2017, às 13:46

Ex-Flu, Fabinho tenta chegar às semifinais da UCL e revela ídolo

Lateral/volante do ASM deixou o clube carioca antes de estreia pelos profissionais

O brasileiro Fabinho é mais um daqueles jovens que deixaram o futebol nacional rumo ao exterior mesmo sem ter realizado a estreia pela equipe principal. Em 2012, ele chegou a ficar no banco na vitória contra o Corinthians, pelo Campeonato Brasileiro, mas um mês depois partiu rumo ao futebol português, para defender o Rio Ave

Hoje, ele é uma das principais peças da sensação Monaco, que novamente alcançou as quartas de final da UEFA Champions League e tem confronto contra os alemães do Borussia Dortmund a partir das 15h45 (horário de Brasília) desta terça-feira, pelo duelo de ida. Apesar de surgir como lateral-direito, o brasileiro ganhou espaço no meio-campo da equipe monegasca e agora é titular incontestável da equipe, ao lado do francês Bakayoko.

Aposte neste e em todos os jogos da UCL no bet365!

Leia Mais
- Abel não vê favoritismo no Fla-Flu e brinca: 'Cheirinho é só de churrasco'
- Com Paulinho em alta, sub-20 do Flu aposta no ataque contra o Vasco
- Henrique Dourado comemora retorno aos gramados e se diz pronto para o Fla-Flu
- Estado do Rio avisa que não tem prazo para definir o futuro do Maracanã
- Leia mais notícias sobre Fluminense em www.futnet.com.br/fluminense

Mesmo migrando de posição, ele ainda tem fortes relações com a lateral. Em entrevista à UEFA, o brasileiro, nascido em Campinas, revelou o seu ídolo de infância: um dos maiores laterais que o Brasil já viu.

“Cafu. O Cafu foi uma das referências para os brasileiros. Acho que é a maior referência da lateral-direita. Pelos títulos que conquistou, tanto por clubes quanto pela Seleção Brasileira”.

Fabinho já contabiliza 175 partidas disputadas com a camisa monegasca e mesmo atuando em funções de origem defensiva, ele sempre faz questão de balançar as redes na temporada. Em 2016/17 já são 10 gols, mas no total ele já soma 21 tentos pelo clube do Principado.

No AS Monaco desde 2013, o nome dos laterais é um dos mais pedidos pelos torcedores brasileiros quando se trata de convocação à Seleção Brasileira, mesmo assim, não tem sido uma das peças chamadas por Tite, o que deixa o seu treinador no clube, Leonardo Jardim, surpreso.

“Minha opinião é que ele é um dos melhores do mundo, como meio-campista. Já demonstrou isso ao longo desta temporada. Fico um pouco surpreendido como ele ainda não foi chamado para a seleção brasileira”, declarou o português em março deste ano, em evento organizado pela Federação Portuguesa de Futebol.

Para chegar até as quartas de final da Champions League, o AS Monaco não teve vida fácil. Precisou encarar Fenerbahçe e Villarreal nas fases preliminares da competição continental. Na fase de grupos, uma das chaves mais equilibradas, com Bayer Leverkusen, Tottenham e CSKA Moscou. Nas oitavas, após uma derrota por 5-3 no jogo de ida, na Inglaterra, os monegascos reverteram o placar na volta: 3 a 1 e fim da linha para o Manchester City.


Mais sobre - Fluminense