Publicada em 04/04/2017, às 16:27

Presidente do Inter vê decisão natural na Suíça e evita "criar expectativas"

Marcelo Medeiros afirma que suspensão da audiência na Suíça para analisar a competência do tribunal para julgar o caso era esperada pelo departamento jurídico

Presidente Marcelo medeiros vê decisão natural do CAS (Foto: Eduardo Deconto/GloboEsporte.com)

A decisão da Corte Arbtiral do Esporte (CAS), em Lousanne, na Suíça, de suspender o julgamento sobre o Caso Victor Ramos para deliberar se tem ou não jurisprudência para analisar o mérito foi absorvida com naturalidade pelo presidente do Inter, Marcelo Medeiros. De Porto Alegre, o mandatário afirmou que o resultado da primeira audiência, com duração de cerca de cinco horas em solo suíço, estava entre as possibilidades esperadas pelo departamento jurídico do clube.

Após a suspensão, os árbitros se manifestarão em 48 horas, ou seja, na quinta-feira, com a resposta sobre a competência, ou não, de analisar o caso. Se o entendimento for de que não há jurisprudência para o mérito – o que, aliás, é a argumentação do Vitória – o caso será encerrado. Caso o CAS leve adiante a discussão, advogados de Inter, Vitória e CBF voltarão a ser escutados já na semana que vem, mesmo que seja por videoconferência. Depois do parecer inicial, o Inter evita criar expectativas sobre o caso.

– (Recebemos) Com naturalidade. Era uma das possibilidades esperadas. Não há definição. Uma das possibilidades que tínhamos aventado era uma discussão sobre a questão da competência do Tribunal Arbitral, como bem falou o jurídico. O Inter está na defesa do direito, em razão de uma situação em que o clube se insurgiu. Vamos aguardar os próximos passos, para ver. Esse é o cuidado que a gente tem que ter, de não criar expectativa. É muito complexo, muito complicado. Tem que ter esse cuidado – afirma Medeiros, ao GloboEsporte.com.

Leia Mais
- Roberson volta aos trabalhos e se credencia para final; Carlos é ausência
- Brenner pode pegar suspensão de 180 dias por agredir árbitro
- Colorados já compraram 18 mil ingressos para a final do Gauchão
- Zago comanda treino sem presença de zaga titular; Eduardo Sasha é atração
- Leia mais notícias sobre Internacional em www.futnet.com.br/internacional

INTER FALA EM "DEVER CUMPRIDO"

Na saída da sede da entidade internacional, o vice jurídico do Inter, Gustavo Juchem, evitou discorrer sobre o assunto em questão. Falou em “dever cumprido” pelo fato de o Tribunal ter escutado o caso, mas não mostrou certeza se haverá nova audiência.

– Houve uma interrupção. Dentro de dois dias deveremos ser comunicados se haverá nova audiência. O caso está em andamento e não podemos comentar. Estamos tranquilos, o trabalho foi e está sendo bem feito, com argumentos bem colocados. Temos confiança por estarmos buscando o que é certo – afirmou Gustavo Juchem.

VITÓRIA COMEMORA SUSPENSÃO

Já o diretor jurídico do Vitória, Augusto Vasconcelos, revelou que os árbitros nem mesmo debateram o mérito do caso. Com isso, advogado comemorou a decisão inicial pela suspensão do julgamento – uma solicitação do próprio clube baiano.

– Fizemos uma argumentação preliminar pedindo para que os árbitros analisassem a competência para julgar o caso. Consideremos que o Tribunal não é competente pata julgar a matéria. Não caberia ao TAS realizar uma alteração nessa decisão do procurador. Os árbitros suspenderam a audiência para analisar a preliminar. Foi uma vitória do Vitória e da CBF porque o mérito sequer foi analisado – disse Vasconcelos, por meio das redes sociais do clube.

ENTENDA O CASO VICTOR RAMOS

Em 1º de dezembro, o Inter apresentou no STJD um documento com 42 páginas pedindo para fazer parte no processo que investigou supostas irregularidades na inscrição do zagueiro Victor Ramos, iniciado pelo Bahia. Na luta contra o rebaixamento, o clube gaúcho pedia que o tribunal reabrisse o caso para punir o clube baiano com a perda de pontos nas partidas em que o zagueiro atuou no Campeonato Brasileiro.

A principal linha sustentada pelo clube gaúcho diz respeito ao não cumprimento das normas do Transfer Matching System (TMS), que regulamenta as transferências internacionais no futebol. O jogador, que pertence ao Monterrey, do México, estava emprestado ao Palmeiras até se transferir ao Vitória, em fevereiro do ano passado. Na visão dos advogados do Inter, essa negociação ocorreu de maneira irregular.

Em 8 de dezembro, o auditor Glauber Guadelupe, vice-procurador-geral do STJD, arquivou o pedido do Inter. No dia seguinte, a CBF enviou um ofício ao STJD alegando que os documentos usados pelo clube no processo – a troca de e-mails entre o diretor da CBF e o Vitória – foram adulterados. A entidade pediu a impugnação dos documentos pelo tribunal.

E, insatisfeito com a decisão do tribunal, entrou novamente, no dia 12 de dezembro, com um pedido de reexame do caso Victor Ramos no STJD. Uma semana depois, o procurador-geral do STJD, Felipe Bevilacqua, optou por manter o caso arquivado.

Na última semana, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), comunicou de que a os laudos da perícia comprovaram a alteração nos documentos utilizados. Por sua vez, o presidente do Inter, Marcelo Medeiros, voltou a garantir a autenticidade dos e-mails utilizados.

Sem obter sucesso no STJD, o Inter levou o caso à Suíça. Em janeiro desse ano, o clube ingressou com uma ação no Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), com sede em Lausanne, para tentar reabrir o processo. Resta agora saber se a entidade internacional levará o caso adiante.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Internacional