Publicada em 04/04/2017, às 09:49

Caixa volta a procurar o Fluminense, e negociação por patrocínio é reaberta

As primeiras conversas nesta segunda etapa animaram em um primeiro momento, mas não caminharam conforme esperado. Chance de acordo é considerada pequena

Na gestão de Peter Siemsen, o Fluminense fechou acordo pontual com a Caixa (Foto: Reprodução)

Pouco mais de um mês depois de ser encerrada, a negociação entre a Caixa Econômica Federal e o Fluminense foi retomada. Recentemente, as partes voltaram a debater o eventual patrocínio do banco ao clube. Num primeiro momento, as novas tratativas geraram otimismo nos bastidores das Laranjeiras. Porém, as últimas conversas não andaram conforme o esperado.

O presidente Pedro Abad, em entrevista ao blog Época Esporte Clube, da Revista Época, revelou que a negociação não foi totalmente encerrada. O GloboEsporte.com confirmou, com pessoas próximas a direção, que atualmente a chance de um acerto definitivo é pequena.

- Naquele momento, a proposta que apareceu envolvia outras questões que o Fluminense não concordava. As conversas ainda não foram finalizadas, e não é impossível que esse patrocínio aconteça. Temos um acordo de confidencialidade com a Caixa, para não expor detalhes dessa negociação. Fica difícil dizer o que não agradou. Quebraria o acordo com um possível patrocinador - disse Abad ao blog da Época.

Leia Mais
- Com Paulinho em alta, sub-20 do Flu aposta no ataque contra o Vasco
- Henrique Dourado comemora retorno aos gramados e se diz pronto para o Fla-Flu
- Estado do Rio avisa que não tem prazo para definir o futuro do Maracanã
- Osvaldo se despede do Flu; Abel classifica saída como 'boa para todos'
- Leia mais notícias sobre Fluminense em www.futnet.com.br/fluminense

Na negociação do começo do ano, a Caixa havia oferecido R$ 11 milhões por um contrato de uma temporada. O Flu desejava um valor maior. O que pesou para o não acerto foi o receio de inviabilizar a administração do clube ao não poder cumprir cláusulas propostas pela direção do banco. A Caixa exigiu exclusividade em qualquer negócio bancário e uma série de contrapartidas que, somadas, iriam consumir até 20% do valor do contrato.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Fluminense