Publicada em 23/03/2017, às 09:28

Taça com D'Ale, improvisação e pé quente: a estreia de Cuesta pelo Inter

Após primeiro tempo irregular na lateral esquerda, zagueiro volta à posição de origem, orienta companheiros a corrigir posicionamento e celebra conquista pelo novo clube

Victor Cuesta estreou em Erechim na última quarta-feira contra o Ypiranga (Foto: Ricardo Duarte / Inter, DVG)

Não adianta ter apenas talento. É preciso dedicação. Se tiver sorte, melhor. Víctor Cuesta mostrou este arsenal. Apesar de alguns erros, principalmente no primeiro tempo, mostrou algumas de suas virtudes nesta quarta-feira. E, logo em sua estreia pelo Inter, conquistou a primeira taça pelo clube, com a participação no bicampeonato da Recopa Gaúcha pela vitória por 4 a 3 nos pênaltis após empate em 1 a 1 no tempo normal.

Depois de uma espera de 19 dias, o gringo debutou pelo Colorado. E mostrou dois lados: irregular improvisado como lateral, mas seguro na sua posição de origem: a zaga.

>> Confira abaixo como foi a estreia de Cuesta pelo Inter:

Leia Mais
- Brenner pode pegar suspensão de 180 dias por agredir árbitro
- Colorados já compraram 18 mil ingressos para a final do Gauchão
- Zago comanda treino sem presença de zaga titular; Eduardo Sasha é atração
- Copa América 2019 será disputada em sete cidades brasileiras
- Leia mais notícias sobre Internacional em www.futnet.com.br/internacional

INÍCIO "ESTRANHO"

Nos primeiros 48 minutos, já que houve três de acréscimos, Cuesta atuou em posição à qual não foi contratado. Em razão da fratura na mão esquerda de Carlos, Antônio Carlos Zago o improvisou na lateral esquerda para colocar Uendel no tripé de volantes e dar mais liberdade a D'Alessandro. A ideia não se mostrou eficaz.

Em seu primeiro toque na bola, errou. Exagerou na força ao tentar acionar Uendel. Ainda furou em uma bola dentro da área, mas, na sequência do lance, se redimiu e a recuperou de Eder. Ainda errou dois cruzamentos quando se lançou à linha de fundo. Porém, não se abateu. Pelo contrário. Aos gestos, procurava orientar os companheiros e corrigir os problemas de posicionamento.

MELHORA NA ZAGA

Na volta do intervalo, já atuou em sua posição de origem. Começou com um drible do ex-colorado Talles Cunha. Continuou sem demonstrar abalo. Pelo contrário. Aos 17 minutos, completou de cabeça escanteio cobrado por D'Alessandro, mas mandou para fora. Foi a senha para ficar com mais soberania na defesa. Nas vezes em que os mandantes subiram por seu lado, conseguiu se superar.

O rendimento e a entrega do argentino mereceram os elogios de Antônio Carlos Zago. E o próprio treinador, aliás, admitiu a improvisação na etapa inicial.

- O Víctor é zagueiro, não é lateral. Eu o disse que foi contratado para ser zagueiro antes da improvisação, mas ele me disse que ajudaria. Não atacamos tanto pela esquerda no primeiro tempo. (No intervalo) Optei pela saída do Paulão. Tecnicamente é diferenciado. Nos ajudará muito - projeta o técnico Antônio Carlos Zago.

AO LADO DE D'ALE

Após a conquista, Cuesta era um dos mais empolgados em campo. Depois da tradicional foto no pódio, se agarrou à taça e não a desgrudava. Posou para fotos com o compatriota D'Alessandro e distribuía sorrisos, seja para os colorados nas arquibancadas ou aos companheiros.

Agora, o gringo busca afinar a parceria com os novos colegas para que a defesa não vaze mais. De quebra, Cuesta tentará colocar o Inter em uma posição mais confortável e próxima a classificação às quartas de final do Gauchão.

Com o resultado, o Inter soma 11 pontos e ocupa o sétimo lugar. Na próxima rodada, o time enfrenta o São José-RS. O duelo ocorrerá no Estádio do Vale, em Novo Hamburgo, no domingo, às 16h.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Internacional