Publicada em 19/03/2017, às 19:34

Galo vence dificuldades, mas tropeça em si próprio, em nova irregularidade

Time volta a ter desempenhos distintos durante o jogo, mas mostra poder de reação na busca pelo gol e qualidade para driblar calor, gramado e ausência de Robinho

Fred fez 1 a 0 para o Atlético-MG, ainda no primeiro tempo de partida (Foto: Reprodução/Premiere)

O Atlético-MG voltou a ter irregularidade durante o jogo. Normal, por se tratar de um início de trabalho. Mas ao contrário do que apresentou contra o Tupi, na goleada de 4 a 0, na última segunda-feira, o Galo freou o ímpeto no segundo tempo e foi castigado com o gol de empate do Tricordiano, apesar da vitória de 2 a 1, no Farião, em Divinópolis, que manteve os 100% de aproveitamento do time atleticano no Mineiro e garantiu a equipe matematicamente nas semifinais.

O time de Três Corações não chegava, não proporcionava perigo ao Galo. Mas como o Atlético-MG retornou para o segundo tempo com um ritmo abaixo do comum, o Tricordiano passou a tocar mais a bola. Em um chute de longe, após falha de Giovanni, empatou a partida e fez o Atlético-MG se mandar para o ataque, em busca dos três pontos (além da manutenção dos 100% de aproveitamento no Estadual e da vaga antecipada às semifinais).

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



A ausência de Robinho, que foi desfalque de última hora por conta de uma infecção intestinal, o forte calor e a irregularidade do gramado pesado do estádio Farião fizeram com que o time tivesse dificuldades. Mas, todas elas, dribladas pelo bom futebol apresentado no primeiro tempo.

Danilo entrou na vaga de Robinho e foi importante na movimentação ofensiva, o que quebrou a marcação do Tricordiano, nos primeiros 45 minutos. Na segunda etapa, por conta do gol sofrido, o Atlético-MG teve que se desdobrar e buscar a vitória na insistência. O gol do Tricordiano saiu após falha individual de Giovanni, mas serviu como um tapa na cara do sonolento Galo da segunda etapa.

O Atlético-MG foi para cima. Com certa desorganização, o time de Roger Machado chegava com perigo e abusava do direito de perder chances. Luan, ainda fora de ritmo ideal, não foi o Luan de outros tempos. Clayton ainda segue com extrema dificuldade de se firmar como um jogador de grande equipe. Perdeu chances e complicou ataques.





A insistência na busca pelo resultado positivo foi premiada com o gol de Rafael Moura. O resultado acabou sendo justo pela qualidade do Atlético-MG, que poderia ter matado o jogo nos primeiros 45 minutos. Mas o empate também poderia servir de castigo e alerta para os jogadores atleticanos não deixarem o ritmo cair tão consideravelmente.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Atlético-MG