Publicada em 17/03/2017, às 13:47

Análise: Lucas Lima, Renato e Oliveira sustentam Santos, que enfim joga bem

Trio constrói placar de 2 a 0 sobre o Strongest, que coloca a equipe na liderança do seu grupo na Libertadores. Na Vila, time cria muito, mas perde chance de golear

Ricardo Oliveira e Lucas Lima comemoram gol na Vila Belmiro (Foto: Ivan Storti/ Santos FC)

Lucas Lima, Renato e Ricardo Oliveira formam o trio de sustentação do Santos. Contra o The Strongest, na última quinta-feira (16), na Vila Belmiro, pela Libertadores, construíram o placar de 2 a 0 que colocou a equipe na liderança do Grupo 2. Foi apenas a segunda partida em que atuaram juntos nesta temporada. E como fizeram falta antes disso.

O técnico Dorival Júnior chegou ao Peru, há pouco mais de uma semana, sob pressão. Derrotas em clássicos contra São Paulo e Corinthians e atuações ruins colocaram fogo sob a cadeira do treinador. Lesões haviam impedido que o trio estivesse em campo ao mesmo tempo até então. Em Lima, finalmente se uniram no empate em 1 a 1 com o Sporting Cristal.

Contra o Strongest, Lucas Lima foi o melhor: sofreu a falta que levou à expulsão de Veizaga e da qual saiu o gol de Ricardo Oliveira no primeiro tempo. No segundo, cruzou na medida no primeiro pau para Renato desviar para a rede boliviana. Uma atuação para acalmar os torcedores que o transformaram em alvo nestes primeiros meses.

Leia Mais
- Vitor Bueno faz gol, chora e comemora atuação após críticas: "Fui contestado"
- Análise: sob a batuta de Lucas Lima, Santos cumpre missão e vira líder
- Santos acorda no 2º tempo, vence São Bento e assume a ponta do Grupo D
- Modesto justifica atrasos de pagamento no Peixe: 'Caixa apertado'
- Leia mais notícias sobre Santos em www.futnet.com.br/santos

Dorival também aproveitou para responder às cornetas – e o fez com o dedo na boca direcionado a alguém atrás de seu banco logo depois do gol de Renato. O Santos criou muitas chances. O início do segundo tempo, com um jogador a mais, foi um bombardeio à meta de Daniel Vaca. Não fosse a má pontaria alvinegra e uma goleada teria sido vista na Vila Belmiro.

Contra uma equipe retrancada, o Santos avançou pelas pontas. Bruno Henrique era o mais acionado, principalmente pela esquerda, e mostrou que não pode mais voltar ao banco – o que ficou ainda mais claro quando deu lugar a Copete e o colombiano pouco fez. Do outro lado, Vitor Bueno fez partida correta, mas viu Hernández, mais uma vez, se destacar ao substituí-lo. A disputa por essa vaga está aberta.

O Santos agora terá pouco mais de um mês antes da próxima partida da Libertadores. Só vai à Colômbia no dia 19 de abril, quando enfrentará o Santa Fe. Até lá, terá que se preocupar com o Paulista, onde a equipe é a única entre os grandes sob risco de perder os mata-matas.

O objetivo é avançar no estadual e evitar que o bom clima que volta a se instalar na Vila suma antes do duelo em Bogotá, que será disputado entre a primeira e a segunda partida das semifinais do Paulista. Com Lucas Lima, Renato e Ricardo Oliveira, essa missão é mais palpável.

No próximo domingo, às 18h30 (de Brasília), o Santos joga em casa contra o Palmeiras. Dorival já avisou que vai escalar os titulares.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Santos