Publicada em 16/03/2017, às 09:18

Análise: com "falsos volantes", Fla tem jogo na mão, mas sofre na bola parada

Esquema funciona bem e time controla partida contra a Católica. Mas, como ocorreu no Maracanã, jogada ensaiada ameaça e, desta vez pela cabeça de Silva, decide jogo

Romulo é o jogador do Fla mais próximo do gol da Católica: volante atuou adiantado (Foto: Raphael Zarko)

Pegue a mesma lente de aumento para enxergar a goleada por 4 a 0 contra o San Lorenzo e a derrota por 1 a 0 frente o Universidad Católica. A Libertadores tem muito mais cara de primeiro tempo no Maracanã do que de segunda etapa com quatro gols – seriam cinco se Guerrero não perdesse um pênalti. Mas o que seria daquela partida de estreia se Diego não marcasse de falta no início do segundo tempo? E que história o Fla levaria de Santiago se Toselli não defendesse a batida de Guerrero? Ou a trave não salvasse a Católica na falta batida por Diego?

Futebol tem suas variações, suas circunstâncias sutis, que podem mudar todos rumos de uma partida. Nas duas partidas da competição continental o Flamengo sofreu pouco na defesa. No Chile, porém, criou muito mais do que no jogo do Rio de Janeiro - quando as chances apareceram, efetivamente, após o segundo gol (em chutaço de Trauco) e no momento que o San Lorenzo, depois de 78 dias sem jogos oficiais, não aguentou o ritmo da partida.

Coincidência ou não, os lances mais perigosos contra a meta de Muralha se desenrolaram da mesma maneira nas duas partidas: jogadas ensaiadas em bolas paradas. No primeiro tempo do jogo no Maracanã, o San Lorenzo ameaçou em duas cabeçadas perigosas – a segunda de Montoya ainda raspou a trave.

A diferença para a partida da Católica atende pelo nome de Santiago Silva e o apelido de "El Tanque". O atacante grandalhão, com cara de mau, não tem lá muita habilidade com a bola no chão, mas é letal com a bola no alto. No gol, Fuenzalida toca curto, cruza na área, enquanto “El Tanque” sai da marcação de Berrío, que para no "bloqueio" do jogador chileno e deixa o uruguaio sozinho. Silva colocou no canto de Alex Muralha.

Leia Mais
- Rhodolfo destaca boa adaptação no Flamengo: 'Entrosei rápido'
- Após vitória fora de casa, Fla se reapresenta com o foco no Santos
- Flamengo passa o Corinthians e vira líder em seguidores no Facebook
- Rhodolfo tem situação regularizada e pode estrear contra a Chapecoense
- Leia mais notícias sobre Flamengo em www.futnet.com.br/flamengo

Márcio é o melhor do Fla

Zé Ricardo escondeu bem a escalação do seu time. Surpreendeu Mario Salas, técnico da Católica, que vibrou por vencer “um dos principais times do continente”. Márcio Araújo, William Arão e Romulo formariam aparentemente uma trinca no meio de campo. Mas, na prática, Arão e Romulo avançavam e ficavam bem próximo de Guerrero até na saída de bola da Católica.

- Posicionei o Romulo do lado esquerdo e deixei o Diego mais do lado direito. Percebemos pelos vídeos e encontros recentes da Católica que têm setor direito muito forte, fazem triangulações e sobem muita desenvoltura – explicou o técnico do Flamengo, na coletiva de imprensa.

De volta à equipe, Márcio Araújo foi o melhor do Flamengo na partida. Desarmou, antecipou, recuperou bolas e ainda teve tempo de ir ao ataque. Fez partida irretocável. Não foi surpresa que Romulo, ainda abaixo do futebol que se pode esperar de um ex-jogador da seleção – mal também na partida de estreia no Maracanã -, saísse e Márcio permanecesse. A sensação, por sinal, é que Zé Ricardo tem mais confiança no desempenho de Márcio do que em qualquer outro do trio de volantes do Flamengo.

Vacilos de Diego em menos de 60 segundos

O equilíbrio do sistema, que permitiu apenas uma chance clara para a Católica – em falha clamorosa de Rafael Vaz, que entregou a bola nos pés de Santiago Silva –, passava por Márcio Araújo. Muito leve, o camisa 8 cobria os dois lados do campo e formava um trio com os dois zagueiros. Quando Vaz perdeu uma disputa no campo do Flamengo – no primeiro tempo, Márcio foi mais rápido que o jogador chileno e recuperou a posse para o Rubro-Negro.

Sem um ponta de cada lado, como de hábito no sistema usual de Zé Ricardo, Guerrero muitas vezes se deslocava pelas bandas do campo. O peruano saiu mais da área do que o habitual nesta partida. E viveu noite infeliz. Foi quem mais finalizou no jogo, com seis tentativas.

O camisa 10 Diego fez bons lances, num deles colocando Guerrero em condições de marcar - na finalização que bateu na trave. Diego também chutou falta na trave. Mas, na parte final da partida, talvez pelo cansaço, fez duas faltas seguidas em menos de um minuto. Uma delas permitiu a cobrança ensaiada de Fuenzalida para o careca Santiago Silva. Antes da jogada chegar ao lado direito - temido por Zé Ricardo -, Diego perdeu a bola na marcação forte dos chilenos no meio de campo. Era o detalhe que contava agora contra o Flamengo.

- Não digo que o gol de bola parada foi por desatenção, mas faltou um pouco de conversa para que não pudesse sobrar tantos jogadores livres como aconteceu. E não digo só o Santiago. Tivemos um pouco de problema na bola parada. A equipe da Catolica vinha com muitos jogadores. Na primeira bola, nós já tentamos mudar, conseguimos controlar, mesmo eles tendo mais homens do que nós (na área). Na falta, não tinha marcação individual. Marcamos por setor, e o Santiago teve a felicidade de ficar sozinho e fazer o gol - admitiu Réver.

Vaz: saída de bola perigosa

O Flamengo finalizou 16 vezes contra a Católica - uma a mais do que diante do San Lorenzo no Maracanã. Isso quer dizer que a produção do time funcionou. A blitz esperada por Zé Ricardo - um blefe, na verdade, da véspera da partida - partiu de seu time. O treinador encheu o meio de campo, espalhou Romulo e Arão, Diego e Everton, fechando os espaços no setor. Incapaz de entrar no campo defensivo do Flamengo, a Católica só fazia algo diferente pelos pés de Buonanotte. No segundo tempo, faltou atenção para travar as tentativas de Kalinski - em dois chutes de rebotes de bola aérea dos chilenos.

Outro ponto sensível neste time bem encaixado do Flamengo é a saída de bola da defesa para o ataque. Pela qualidade na canhota, Rafael Vaz tem total liberdade de sair jogando - tenta passes rasteiros verticais, não se inibe nem a buscar passe de peito na rebatida da defesa. Mas está vivo na cabeça de cada torcedor do Flamengo o erro que custou a vitória no Fla-Flu do 1º turno do Brasileiro do ano passado. E por muito pouco não valeu para Silva abrir o placar no primeiro tempo. Vaz é importante, tem bom desempenho na jogada aérea e tem a confiança de Zé, mas os adversários parecem já esperar um vacilo para aproveitarem a chance de marcar - seja num recuo precipitado, numa tentativa de toque mais longo ou no drible no setor defensivo.

- O Vaz errou em alguns lances, mas acertou outros, criou triangulações com Trauco e Diego pelo lado esquerdo. Faz parte do jogo (o erro). Ali foi um pouquinho de desatenção, não sei. Mas ele tentou fazer o melhor e fez uma partida de bom nível. Esse erro é um detalhe em cima de algo maior que envolve o jogo - defendeu Zé Ricardo.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Flamengo