Publicada em 15/03/2017, às 13:13

Jurídico do Grêmio vê mudança de Manu como razão para aliciamento

Nestor Hein, vice-presidente do Tricolor, afirma que permanência do jovem na Espanha e pedido de demissão do pai caracterizam interesse do Barça no jogador

Manu, um dos destaques da base Tricolor (Foto: Eduardo Moura/Globoesporte.com)

A disputa envolvendo Grêmio e Barcelona pelo jovem Emanuell Ferreira, o Manu, de dez anos, ainda está longe de ter um final. A equipe gaúcha, que tem a inscrição federativa do jogador, acusa o Barcelona de aliciamento após a saída da promessa para um curto período de treinos na Espanha, baseada no fato de que o menino não retornou ao Grêmio ao final do prazo. Já o clube catalão afirma que recebeu autorização para que Manu treinasse no clube e nega interesse no jovem. De acordo com Nestor Hein, vice-presidente jurídico do Grêmio, apesar da autorização, ações posteriores contradizem a versão do clube catalão.

Em entrevista ao "Redação SporTV" desta quarta-feira (15), o representante do Grêmio afirma que o clube autorizou o jogador para conhecer a estrutura do clube espanhol, com o intuito de dar "experiência internacional" ao menino. Ainda sim, considera que, pela mudança do jogador para Barcelona, ocorreu o aliciamento.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



- A autorização que foi dada e é uma carta assinada pelo presidente do Grêmio para ele visitar as dependências e conhecer a estrutura do Barcelona. Essa é a carta que foi feita quando o convite foi formulado. Esse pedido foi feito diretamente ao funcionário da escolinha, mas sempre em viagens internacionais tem que passar pelo presidente do Grêmio. Esse documento não passou, nós estamos apurando internamente. De qualquer forma, sendo genuína a carta ou não, o Grêmio não quer e nem pode negociar o jogador. O Grêmio autorizou a visitar as instalações do Barcelona, treinar e ter uma experiência internacional. Não autorizou que o jogador fosse, na minha visão, aliciado, para se mudar para Barcelona cinco dias depois.

O representante jurídico do Tricolor reforça a sua ideia de aliciamento ao dizer que o pai do menino, que era um funcionário contratado pelo clube gaúcho para acompanhar o menino, pediu demissão após voltar ao Brasil. Junto de Manu e de seu pai, o Grêmio enviou William Mikhailenko, coordenador técnico da escola de futebol do time gaúcho, para dar suporte aos dois no período na Espanha.

- A questão é a seguinte. Esse menino e seu pai foram convidados para conhecer as instalações do Barcelona e também para fazer um teste com os jogadores que tem a mesma idade do menino. Nós autorizamos e mandamos junto para esta viagem um funcionário do Grêmio, para acompanhá-lo, seu pai é um homem de vida modesta, é uma viagem internacional. Imaginamos que para a bagagem deste menino seria importante conhecer a estrutura de um grande clube como o Barcelona. A nossa surpresa adveio após essa visita: Dias depois seu pai voltou ao Brasil e pediu demissão, porquê o pai do menino era funcionário do Grêmio, contratado para estar ao lado do menino, que recebe educação e trabalha o seu futebol, que é fora da curva para a idade que ele tem. Agora, temos informações que esse menino, coincidentemente, para quem acredita em coincidências, foi morar em Barcelona. Ora, depois de uma visita ao clube foi morar em Barcelona, estaria envolvido nisso um ex-jogador de Seleção Brasileira nesse aliciamento. Nós vamos tomar as devidas providências junto ao juizado da infância e da adolescência, junto à própria FIFA. Embora o Barcelona desminta, é muita coincidência - completou.





O pedido para que Manu fosse treinar no Barcelona partiu do ex-jogador (tetracampeão em 1994) e atualmente empresário Mazinho, pai de Rafinha e Thiago Alcântara. No entanto, o Barça garante que Manu treinou por lá somente durante o período combinado e nunca teve interesse em contratá-lo.

Nestor também afirma que o clube ainda não entrou em contato com o Barcelona sobre a situação e que, além das providências em relação ao Juizado da Infância e da Adolescência, também encaminhará um ofício à Fifa na próxima segunda-feira com o histórico da situação para que a entidade tome as medidas necessárias.

- Isso tudo é muito recente (sobre entrar em contato com o Barça). Essa é uma questão que o presidente tem que analisar, eu como vice-presidente jurídico não tenho poder para ter uma atitude dessa de forma voluntária. (...) O Grêmio vai encaminhar à Fifa, provavelmente na próxima segunda-feira por questão de datas, todo o histórico desta situação para que a Fifa tome as providências cabíveis. E também estamos estudando sobre instrumentalizar algo sobre o Juizado da Infância e da Adolescência, já que o pai desse menino, ao imaginar que está lhe trazendo vantagens, está começando, a meu juízo, uma carreira promissora com uma fraude - acrescentou.

A versão do Grêmio é de que o jogador estará por dois anos em uma escolinha ligada ao clube e depois passará a treinar nas categorias de base. O Barcelona já sofreu com problemas de aliciamento no passado. Em 2014, teve que passar um ano sem poder contratar qualquer jogador por conta de uma punição aplicada pela Fifa pela contratação de jogadores menores de idade.

Fonte: SporTV
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Grêmio