Publicada em 13/03/2017, às 18:44

Rafael comemora vitória e vira a chave para jogo com Murici na Copa do Brasil

Goleiro afirma também que bolas diferentes nas competições não são problema

Goleiro Rafael valorizou mais uma vitória do Cruzeiro na temporada (Foto: Washington Alves/ Light Press)

Os jogadores do Cruzeiro não tiveram muito tempo para comemorar a vitória por 1 a 0 sobre o América-MG, domingo, no Independência, que valeu a liderança momentânea do Campeonato Mineiro. Todo o elenco se reapresentou na manhã desta segunda, na Toca da Raposa II. O goleiro Rafael valorizou o resultado no clássico e afirmou que o Cruzeiro fica ainda com mais moral após a 13ª partida invicta do ano.

- Sabíamos que iríamos enfrentar uma equipe de muita qualidade, que é o América-MG e a dificuldade de enfrenta-los fora de casa. E pela imposição de jogo deles ao longo da partida. Soubemos defender e taticamente fizemos um grande jogo, sair de um clássico assim como uma vitórias dessas. Nos dá mais moral. Esperamos manter esses bons jogos e rendimentos.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



A chave dos jogadores vira. Quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), o Cruzeiro enfrenta o Murici, no jogo de volta da terceira fase da Copa do Brasil. Para o camisa 12, o entendimento do elenco é automático. Mesmo entrando em campo por diferentes competições, todos sabem o que têm que fazer. Como venceu o primeiro jogo por 2 a 0, semana passada, em Alagoas, o Cruzeiro pode até perder por um gol de diferença que se classifica para a próxima fase.

- Já estamos acostumados a isso. Acaba que tem Primeira Liga, Mineiro, copa do Brasil. Então cada jogo tem que virar a chave, troca a bola, troca tudo. Faz parte. Agora é assegurar essa vaga na Copa do Brasil. Sabemos o quanto foi difícil jogar em Alagoas. Agora tem mais 90 min, temos que ir na mesma maneira, fortes e organizados para sair com mais uma vitória.

O fato de cada competição ser disputada com um tipo de bola diferente não incomoda Rafael. O goleiro diz que realmente é necessária uma adaptação, mas nada que prejudique o trabalho.





- É claro que muda para nós goleiros. Até para os jogadores também. A bola chega um pouco mais rápido. Varia um pouco mais. Entre um jogo e outro muda a bola. Dá para adaptar mais nos jogos, mas não tem estresse nem complicação. Muda para nós goleiros especificamente pelo contato com ela sempre.

Fonte: Globoesporte.com
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Cruzeiro