Publicada em 07/03/2017, às 16:03

'Uma boa defesa começa na frente', diz lateral-direito do São Paulo

Bruno é um retrato do atual Tricolor, já que tem três assistências na temporada e três erros em gols sofridos pela equipe de Rogério Ceni. Ala deve ser titular na Copa do Brasil

Bruno tem 14 assistências desde que chegou ao São Paulo (Foto: Igor Amorim/saopaulofc.net)

O São Paulo convive com duas realidades em 2017. O melhor ataque, com 26 gols em nove jogos oficiais, e a pior defesa, com 16 tentos sofridos, entre os clubes da Série A do Campeonato Brasileiro. Um dos retratos dessa dualidade é o lateral-direito Bruno, autor já de três assistências na temporada, mas que também errou em três gols levados pelo Tricolor.

- Temos de ter o equilíbrio não só da minha parte, mas de todos, porque uma boa defesa começa lá na frente. Temos de nos cobrar, mas o trabalho está sendo bem feito. A gente vem trabalhando para minimizar os erros lá atrás e não tomar gols. Como a gente tem dito, é melhor corrigir na vitória do que na derrota. Temos de ter tranquilidade. Acredito que a gente vem fazendo as decisões precipitadas um pouco. A equipe está bem, dos três anos que estou aqui, é uma coisa diferente, com o Rogério. No futebol brasileiro, o que a gente está fazendo é diferente. A confiança também é muito importante. É deixar de lado esses comentários - analisou.

As falhas de Bruno aconteceram contra Mirassol, quando errou o tempo de bola de cabeça e custou empate em 2 a 2 no Morumbi, e contra PSTC, nos dois tentos paranaenses na goleada do São Paulo por 4 a 2 na segunda fase da Copa do Brasil. Já as assistências saíram também contra o Mirassol, para Pratto, contra o Novorizontino, para Gilberto, e contra o PSTC, para Cícero.

Leia Mais
- De 'descartável' a artilheiro, Gilberto cai nas graças de Rogério Ceni
- Análise: São Paulo vence sem brilhar, mas Ceni ganha novas alternativas
- Alex Silva, sobre reforço do São Paulo: "Vai pra cima como Lucas e Denílson"
- São Paulo busca 1º lugar, rebaixa Bernô, não leva gol e quebra jejum
- Leia mais notícias sobre São Paulo em www.futnet.com.br/saopaulo

Para Rogério Ceni, pensando novamente na Copa do Brasil após golear o Santo André por 4 a 1 pelo Campeonato Paulista, pesa mais o desempenho ofensivo de Bruno. Tanto é que, para construir vantagem no jogo de ida da terceira fase contra o ABC (RN), o Mito deve descansar Buffarini, mais marcador, para o camisa 2 ser mais uma opção no ataque às 19h30 desta quarta-feira.

- Lógico, que respeitamos o adversário, mas o São Paulo em casa vem jogando assim agressivo. Estamos arriscando bastante. Estamos trabalhando para conseguir o equilíbrio, e acredito que está sendo bem feito. Com pouco tempo, estamos acertando. Trabalhar para ver como se portar e não sofrer gols - disse.

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Bruno:

Rogério Ceni é melhor como técnico ou jogador?
Como a torcida mesmo fala, ele é um mito dentro de campo. Como jogador tem uma história muito linda e como treinador ele bem aperfeiçoando, fazendo um grande trabalho. Tem sido um ano diferente, e a gente trabalhar para conseguir os títulos e que ele consiga ser um grande técnico.

O que mudou do ano passado para este?
Esse ano tem sido bem diferente. O torcedor está criticando. Mas como falei, é melhor criticar vencendo os jogos, a gente indo bem ali na frente. E é pouca coisa para arrumar. A gente vem se cobrando. Temos um elenco muito forte, grandes jogadores nas posições, para não deixar mais essas dúvidas.

É o melhor clima de vestiário desde que chegou?
Eu sinto que é o melhor clima, com o Rogério. Porque não é de atleta para treinador, ele está do nosso lado. É um atleta como a gente. Ele treina junto, corrige, ele dá bronca. Ele quer sempre que a gente possa render o máximo, para a gente acertar. E fora de campo a gente conversa bastante, ele vem apoiando, sabe o que o jogador pode render. Essa é a fórmula do Rogério, que vem dando certo. Conversar bastante, acertar. E no dia a dia, ele é um atleta. Ele cobra muito, mas entende o nosso lado.

Incomoda ainda não ter se firmado como titular incontestável?
Acredito que não, acredito que vem ajudando o São Paulo. Ele está muito bem. Cada um tem de brigar pela sua posição. Eu sempre tentei manter a regularidade. Mas time grande é assim, quem tiver melhor no dia a dia. Buffarini ou eu. E tem as características do jogo também, como foi contra o Santos. Eu me cobro muito, quero sempre estar lutando. Mas o que o Rogério decidir no dia a dia, temos de mostrar, ser competitivos. E o torcedor cobra a todos. Se tratando de São Paulo, tem de conquistar os títulos. E o que precisar, vou sempre lutar pelas vitórias.

Fonte: LanceNet
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - São Paulo