Publicada em 07/03/2017, às 08:52

Olha a explosão! Melhor arrancada do Flu, Wellington corre 10m em só 1,59s

Depois de brilhar no palco de Usain Bolt e levantar a Taça Guanabara, atacante do Flu ganha novo apelido e vive melhor fase da carreira: ''Esperei sete anos por isso''

Quando caiu, Pará deve ter visto Wellington Silva assim: como um raio (Foto: Alexandre Durão)

Foi uma arrancada de cinema. Ou quase de medalhista olímpico. Em apenas 8,5 segundos, Wellington Silva percorreu 74 metros e atingiu 33km/h para abrir o placar no Fla-Flu. Menos de seis meses depois da Olimpíada do Rio, o camisa 11 tricolor brilhou no mesmo palco que consagrou o jamaicano Usain Bolt. Ainda foi dele a assistência para Lucas fazer o terceiro gol no clássico que garantiu o título da Taça Guanabara. Além da explosão de alegria no Nilton Santos, o domingo reservou brincadeiras com o lance na internet e um novo apelido: Wellington Bolt. Nada mais justo para quem vai da inércia a 10 metros em 1,59 segundos - segundo dados do Flu.

- Já vi o lance muitas vezes. Fico deitado na cama descansando e revendo. A rapaziada está comentando, muitos me chamando de Wellington Bolt (risos). Quando a bola sobrou, lembrei do lance contra o São Paulo, que saí correndo feito um doido, só parei na área. Pensei em tocar a bola ao Richarlison, mas quando o Pará caiu, falei “não tem jeito, tenho de fazer o gol”. Tive confiança e frieza na hora da finalização - disse em entrevista ao GloboEsporte.com.

Dono da melhor aceleração inicial do elenco, Wellington não é o mais veloz do time. Fica atrás de Richarlison e Léo. Mas a arrancada no Engenhão não deixou nada a dever ao Bolt famoso. Em seu recorde mundial nos 100m (9,58s em 2009), o jamaicano percorreu os primeiros 74 metros em 7,2 segundos. O atacante do Flu precisou de 8,5 segundos, mas com a bola no pé.

Leia Mais
- Abel Braga sobre Fla-Flu de domingo: 'Não usarei ninguém do time titular'
- Richarlison lamenta má pontaria em empate do Flu: "Não era o meu dia"
- Nogueira vê Flu superior e explica tropeço: 'Faltou caprichar na finalização'
- São Paulo retoma liderança na média de público; Flamengo sobe no ranking
- Leia mais notícias sobre Fluminense em www.futnet.com.br/fluminense

- Richarlison foi quem atingiu a maior velocidade na final, seguido por Léo e Wellington. Ambos são extremamente potentes, mas Wellington se destaca principalmente na capacidade de aceleração inicial. Ele faz 10 metros, saindo da inércia, em 1,59s. Já o Richarlisson é melhor na capacidade de atingir altos valores de velocidade máxima, mesmo levando em consideração as adversidades impostas pelas ações desenvolvidas durante um jogo de futebol, como a condução da bola e presença do adversário - resumiu o fisiologista do Flu, Juliano Spineti.

Uma das brincadeiras que mais caiu nas graças da torcida foi feita pela página ''Flu da depressão'', no Facebook. A edição do lance com a música ''Olha a explosão'', do MC Kevinho, divertiu até Wellington Silva. Principalmente na hora em que Pará escorrega e cai ''com a bunda no chão''. Autor de três gols e três assistências em nove jogos na temporada 2017, o atacante vive uma das melhores fases de sua carreira.

- Estava esperando esse momento há sete anos. Todos os anos em que estive fora pensava em voltar e mudar a história. Quando eu fui para a Europa, tive alguns problemas. Não deu tempo de jogar e mostrar. Desde que voltei, estava decidido a dar o meu melhor. Nada melhor do que ganhar um título em cima do Flamengo, o grande rival. Clássico é sempre importante. Não poderia ter sido melhor. Foi um dia perfeito. Espero continuar dando o meu melhor - avisou.

Confira a entrevista completa:

Foi o melhor jogo da sua carreira?
Foi um dos melhores, cara. Estou muito feliz. Estava muitos anos esperando esse momento. Foi jogo especial. Estava toda a minha família lá, fiz um gol, dei uma assistência. Sofremos, mas conseguimos ganhar. Sem dúvida, foi um dos melhores da minha vida.

Novo apelido
Não, não. Prefiro ficar com o Wellington mesmo. O Bolt é diferenciado. O cara é respeitado no mundo interior, o admiro. Na comemoração, faltou fazer aquele gesto dele. Mas na hora ali, estava comemorando, que nem lembrei.

Melhor começo de temporada?
Sem dúvida. Estou ajudando meus companheiros, o time. Sempre tento isso. Tivemos um começo de ano bom. Viemos de um Brasileiro que terminou muito mal. Muitos nos criticavam, muitos não acreditaram. Desde quando o Abel chegou, ele disse que ia nos ajudar. A tática dele ajuda muito. Esperamos continuar assim. É um título, mas ainda tem muita coisa pela frente. Tem de continuar dando o melhor.

Porque foi tão especial?
Eu estava devendo a essa torcida maravilhosa do Fluminense um jogo assim contra o Flamengo. Todos os anos que estive fora, pensei em voltar e poder jogar contra o Flamengo, poder ganhar, poder festejar. Tirar aquela coisa que estava dentro de mim. No jogo, estava festejando, comemorando, como se fosse o primeiro jogo da minha vida. Então, não tem felicidade maior. Pude fazer gol, assistência. Ganhei um título com a camisa do Fluminense, ou seja, o ano começou perfeito.

Se emocionou?
Eu chorei um pouco, mas me controlei. Passei muito tempo fora, passei por muita coisa, aprendi. Agora, estou com a cabeça muito melhor do que quando tinha 17 anos. Estou mais experiente, mais maduro. Isso me ajudou muito. No jogo, estava um pouco nervoso. Depois, deu uma aliviada quando a gente ganhou. Foi muito importante para mim. Espero continuar com essa alegria durante o ano. Amanhã (terça-feira) nos vamos reencontrar, vai ser uma alegria enorme. Não tem coisa melhor do que ser campeão. Temos de acostumar com isso. Abel faz um grande trabalho. A gente aprende muito com ele. Fez uma tática nova no jogo, funcionou. Conseguimos marcar eles. O ano está apenas começando, tem muita coisa pela frente.

Estrela em clássicos
É difícil aparecer nesses jogos. Tem muito nervosismo, todos querem aparecer, querem mostrar. Tive sorte no jogo contra o Vasco, a bola sobrou e pude fazer o gol. Marquei contra o Flamengo. Agora, falta o Botafogo. Se eu tiver oportunidade, claro, darei o meu melhor para ganhar o jogo. Se puder fazer o gol, será bem-vindo.

Arrancada
Na hora ali, só penso em correr. A bola fica no pé, não sente cansaço. Não sente nada. Só quer terminar a jogada, fazer o gol ou dar passe. Eu me desliguei de tudo. Olhei o Richarlison, mas o Pará caiu. Continuei e fui feliz. Ainda bem que foi no começo do jogo. Depois, fiquei cansado. Até ali, estava com o fôlego a mil. Fiz bem a jogada. Depois, dei uma dosada. Clássico é cansativo. Tivemos uma semana complicada, com viagem, voo cancelado, pegamos ônibus, então, chegamos um pouco cansados. Mas é clássico. A perna pesou no final só.

Lance do Maicon contra o Palmeiras em 2009
É um jogador forte e muito rápido. É difícil isso. Lembro, sim, desse gol e de outros que ele fez. Não cheguei perto não, o lance só foi um pouco parecido.

Abel Braga
Ele é um grande treinador, está provado pelos clubes que dirigiu e pelos títulos que conquistou. Foi jogador, então, ele conhece cada um de nós. Desde quando ele chegou, falou que queria ajudar. Ele falou que se sentia fazendo parte até da nossa má campanha do ano passado. Ele disse que teria de começar o ano bem. No primeiro jogo, ele falou que nunca tinha começado o ano perdendo. Foi contra o Criciúma, na Primeira Liga, a gente sofreu, os caras jogaram muito bem, tocaram a bola, mas a gente ganhou. O Abel é sério, quando tem de puxar a orelha, os gritos pegam mesmo. A gente confia nele, ele confia na gente. Todo mundo respeita o treino, respeita a concentração, chega na hora certa. Ele diz que chega ao treino duas horas antes pois gosta de ficar com a gente. Ele conversa. Isso é bom, passa confiança e motivação. Ele conta a experiência dele. Para a gente é gratificante ter um treinador assim.

Concorrência com Richarlison
É um grande jogador, estava na Seleção sub-20 e voltou. A briga está boa. A gente não sabe quem vai jogar. Daqui a pouco o Scarpa volta. Mas a gente tem de trabalhar. O Richarlison tem mostrado desde quando chegou ao clube que tem futuro brilhante. É um garoto. Ele nos ajuda. Vai em todas as bolas, não tem medo. Mete a cabeça, o pé, o corpo. Ele briga mesmo. Temos de deixar o Abel com dor de cabeça.

50 jogos pelo Flu (vai completar quinta-feira, contra o Criciúma)
Fico feliz por chegar a essa marca no Fluminense. Ainda mais nesse momento, logo após ser campeão da Taça Guanabara. Jogo importante na Copa do Brasil, que agora é ida e volta, isso é perigoso. Temos de respeitar o time deles. Aproveitar a boa fase. Espero fazer um gol para poder comemorar essa marca com a camisa do Fluminense.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Fluminense